Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O aval da Associação Comercial de Vitória ao interventor Bley

Livro Premiado pelo IHGB (2012) - Autor: Fernando Achiamé

Acta da Reunião da Directoria da Associação Commercial de Victoria, em 6 de Novembro de 1930.

Documento transcrito das folhas 68 a 73 do Livro de Atas das Sessões da Diretoria da Associação Comercial de Vitória (1927-1932), respeitada a ortografia original.

Aos seis dias do mez de novembro de mil novecentos e trinta, presentes os srs. directores Gabino Vasconcellos, Oswald Guimarães, Almir Silva, Pinto de Araújo, Alexandre Buaiz, Placido Barcellos, Alvaro de Oliveira, Moacyr B.Soares, Clovis Nunes Pereira, Armando Ayres e Roberto Espindula, foi aberta a sessão sob a presidencia do sr. Juvenal Ramos.

O Sr. Presidente pede a attenção da Mesa para o officio abaixo, lido pelo sr. Guimarães e dirigido aos srs. Directores desta Associação:

“Tendo se normalizado a situação política do paiz, que por algum tempo chegou a ser angustiosa e na qual tivemos que actuar como Delegados da Directoria dessa Associação, vimos prestar-lhes conta dos actos por nós praticados, depois de tantas contrariedades, aborrecimentos e trabalho intenso que experimentamos em pról dos nossos associados e da collectividade, contribuindo na medida de nossas parcas luzes, com o nosso esforço e melhor vontade para evitar derramamento de sangue em nossa Capital. E fazemol-o de cabeça erguida, consciencia tranquilla pelo cumprimento do dever, sem perda da linha que a honra impõe àquelles que occupam postos de destaque como depositarios da confiança de numeroso grupo de associados.

Seria, certamente fastidioso repetir, aqui, tudo quanto se passou nesta cidade, durante o mez de Outubro, em que os acontecimentos succediam-se vertiginosamente, precipitando e aggravando cada vez mais a situação, até que se retirou da cidade, precipitadamente o Presidente do Estado, sendo a mesma occupada por um interventor federal, o sr. cel. José Armando Ribeiro de Paula e, pouco depois, pelos revolucionarios sob o commando do Coronel Amaral.

Nesses dias de anciedade, não só do commercio como de toda a população da cidade, a Directoria da Associação Commercial, por nós representada, esteve em intimo contacto com os elementos officiaes, procurando demovel-os de uma resistencia inutil, que apenas poderia fazer sacrificio de vidas.

Assim é, que, em companhia do Presidente Honorario dessa Associação, dirigimo-nos ao Presidente do Estado, dr. Aristeu de Aguiar, a quem fizemos ver os inconvenientes de uma resistencia, em beneficio de nossa população. Fomos ainda mais longe, senhores, levamos à S. Exc. a proposta de um accordo com os elementos revolucionarios, representados pelo dr. João Manoel de Carvalho que, obsequiosamente havia accedido ao nosso appello para ir parlamentar com o Commandante da Columna Revolucionaria.

Sua Excellencia garantiu-nos, então, sob palavra, que, no seu governo não correria sangue em nossa cidade e que elle saberia corresponder ao appello que lhe faziamos. Quanto ao accordo proposto, disse-nos o Presidente do Estado, que deliberaria dentro de 24 horas, convencido que estava de que dentro desse prazo a situação se resolveria sem sacrificio para o nosso povo.

Cumprindo sua palavra, o sr. dr. Aristeu de Aguiar retirou-se no dia immediato, para bordo do vapôr italiano “Atlanta”, ficando a cidade a espera da Columna Revolucionaria.

Nesta espectativa, fomos surprehendidos pelo gesto de franca hostilidade do Vice, aliás, ex-Presidente da Republica, dr. Washington Luiz, ao Governo aqui decahido e aos nossos propositos humanitarios, nomeando um interventor federal, encarregado da resistencia aos revolucionarios.

A situação agrava-se, pois. Não vacillamos. Em data de 15 [sic, 16] dirigimos ao interventor o officio que incluimos por copia e fomos procural-o pessôalmente, levando os mesmos propositos que nos animava quando conferenciamos com o dr. Aristeu de Aguiar.

Fomos attendidos pelo Chefe do Estado Maior, sr. Major Paes Brasil, para quem appellamos em nome de nossa população. Aquelle illustre militar, em longa conferencia connosco, tomou o compromisso formal de que não correria sangue em nossa cidade, seriam respeitadas a vida e as propriedades das autoridades decahidas e garantidas a ordem publica e o lar das familias.

Sob essas condições, que foram realmente cumpridas pelo sr. Major Paes Brasil, com seu reconhecido cavalheirismo acceitamos os principios revolucionarios, firmando, nessa occasião, o documento de 16 de outubro, quando ainda existiam duvidas sobre a victoria da causa revolucionaria, pela ausencia quasi absoluta de noticias do resto do paiz.

Passámos, então a ajudar, auxiliar aos proceres da revolução, com todas as nossas forças, todos os recursos de que podiamos dispôr, na ancia de uma Victoria que não nos beneficiaria pessoalmente, mas sim à população de nossa Capital.

Veio a Victoria da causa a que fomos convidados a abraçar e que abraçamos certos de prestarmos assim real serviço às classes conservadoras e ao povo e, como o publico ignorasse a somma de serviços por nós dispensada, os sacrificios a que nos expuzeramos, em beneficio geral, mantivemo-nos em attitude de amistosa espectativa, não comparecendo a Palacio senão para attender a chamados da Junta Governativa quando entendia ouvir-nos nas medidas de interesse geral que precisava ir tomando.

Está passada a borrasca! Sopram os ventos fagueiros da bonança! O commercio começa a normalisar suas operações. Os lares estão certos de se encontrarem garantidos. Está cumprida a missão que nos impuzemos, e agora, senhores, sentimo-nos na obrigação de resignar aos cargos que vínhamos exercendo, não que nos falleçam forças para novas lutas, não que se nos intibie o animo, mas porque sentimos bem que a nossa classe conta, felizmente, com elementos de grande valia que superiormente nos poderão substituir, prestando a nossa Associação relevantes serviços.

Antes de terminarmos esta exposição, devemos frizar claramente, que, a nossa actuação nessa emergencia que se acentuou, de forma nenhuma, por um caracter politico, na excepção restricta dada commumente a este vocabulo, pois sempre estivemos cooperando com depositarios do poder, tendo sempre em vista a defesa da collectividade.

Aliás, esta orientação é proverbial nessa Associação: a campanha politica da successão presidencial desenvolveu-se sob a athmosphera de paixões desencadeadas. Mas aqui, na Associação, sempre mantivemos a cordialidade de sempre, muito embóra os seus membros militassem em partidos antagonicos.

Prova essa asserção o facto de havermos votado, a convite de nossa congenere do Rio de Janeiro, uma moção de solidariedade aos poderes constituidos, sendo que da Commissão que foi à Palacio leval-a ao Presidente do Estado, fazia parte um director reconhecido como liberal. A Associação, portanto, não fazia politica. Levava sua cooperação ao poder constituido e não pessôalmente ao detentor desse poder.

Como dissemos, sentimos que a nossa missão está finda. Que venham os bons elementos, de que a nossa classe é prodiga, e elles que elevem cada vez mais o prestigio de nossa Associação e que a conduzam aos brilhantes destinos.

Agradecemos-lhes, senhores, a confiança com que nos honraram e servimonos do ensejo para reiterar-lhes nossas Saudações.

–“ (ass.) Juvenal F. P. Ramos, Oswald Guimarães, Gabino Vasconcellos. –

A seguir o sr. Juvenal Ramos, justificando o pedido de renuncia seu e dos srs. Gabino Vasconcellos e Oswald Guimarães, respectivamente vice-presidente e 1º Secretario da Mesa, diz que se sente bem e com a consciencia tranquilla por ter cumprido o seu dever, animado pelos seus collegas demissionarios, pondo acima da sua individualidade o bem estar commum, o bem estar da collectividade, o bem estar da familia capichaba. O momento de duras provações – continua o sr. Presidente – e de serias contrariedades, foi bem recompensado com os resultados beneficos que obtivemos após tantas aprehenções pelas responsabilidades que assumimos. Concluio as suas palavras agradecendo a bôa acolhida que sempre lhes deram nesta Casa.

A convite do sr. Ramos, assume a presidencia o sr. Pinto de Araújo, que declara não poder exercer essas funcções, mesmo interinamente, porquanto os seus afazeres não o permittem, e, em separado diz votar contra a renuncia dos seus pares, apresentada nesta sessão.

O Sr. Nunes: - Sr. Presidente, peço fazer constar de acta, que, além dos directores demissionarios, estivemos em palacio, Eu, o sr. Presidente Honorario e o sr. Alvaro de Oliveira. O sr. Clovis Nunes, em seguida, pede que os seus companheiros retirem o seu pedido de renuncia, porquanto acha que o commercio deve estar com os seus interesses sempre ligados ao Governo, sejam elles constitucionaes ou não.

O sr. Guimarães: - Tomámos certas medidas que nos pareceram de urgencia, em vista da ausencia de outros collegas e da impossibilidade de reunil-os, exhorbitando assim das funcçõdos cargos que exercemos.

As nossas attitudes não foram individuaes, e, porconseguinte, repito, o único meio que vemos para solução do caso é renunciarmos. O sr. Guimarães é aparteado por vezes pelos sr. Moacyr Barbosa que insiste em que a Directoria deve apresentar renuncia collectiva, sendo coadjuvado pelos directores C. Nunes, e Armando Ayres.

Tomando a palavra, o sr. Placido Barcellos, diz que, em virtude de estar ausente, ainda no momento o seu companheiro sr. Almir Silva, quer justificar a attitude daquelle director, a qual está sendo dada uma “interpretação duvidosa”. – Diz não admittir que se venha trazer para uma sessão, conversa de caracter reservado. Continuando, o sr. Barcellos pede que lhe seja informado se o documento existente assignado pelos signatários do officio que ha sobre a mesa, é de caracter individual ou collectivo.

O sr. Guimarães: – Como disse os nossos actos foram praticados em nome da Associação Commercial e em beneficio da collectividade.

O sr. Barcellos: – Nesse caso, coherente com o meu modo de proceder anterior, reprovo que a Associação Commercial tome attitudes politicas, sejam quaes forem.

O sr. Guimarães: – Nada mais tenho a dizer. Não visámos interesses pessôaes e continúa de pé a nossa renuncia.

O sr. Barcellos: – Sr. Presidente – o que eu não posso admittir é que o Governo tenha obrigado os nossos companheiros à assignar pacto. – Seria uma condição para que se não assignasse.

O sr. Guimarães: – Nós é que nos obrigámos à assignar o “pacto”, como chama, se não houvesse sacrifícios de vida, e, se assumimos essa attitude, não pretendemos fugir à sua responsabilidade.

O sr. Barcellos: – Como director, sr. Presidente, ahi fica, ainda uma vez, o meu protesto contra qualquer attitude política em que se pretenda envolver esta Associação cujos sócios não nos autorizaram a tanto. – Em seguida o sr. Barcellos pede ao sr. Guimarães seja dada uma nova explicação do assumpto, em vista de haver chegado o director, sr. Almir Silva.

O sr. Ramos: – Afastado da presidência quero dar as minhas explicações. – Antes de ouvir a conversa entre os directores srs. Almir Silva e Placido Barcellos já havia tomado a deliberação de renunciar, em virtude da attitude tomada por directores de outras Associações congeneres, e, como Eu, os companheiros estão tambem no firme proposito de renunciar. Não foi o nosso proposito melindrar a esse ou aquelle. Quero escclarecer um ponto – continúa o sr. Ramos – adherimos ao movimento revolucionario, não pelos louros da victoria até então desconhecida. Não nos ajoelhamos aos pés dos vencedores – sentiriamo-nos humilhados se assim procedessemos. – Agimos lealmente em beneficio commum e principalmente em favôr daquelles que nos confiaram o seu destino por meio desta representação de classes.

O sr. Almir Silva fala da conversa tida com o sr. Placido Barcellos, em caracter particular, e na qual alvitrara a idéa da renuncia collectiva desta directoria, dada a transformação radical por que havia passado a administração do Paiz.

O sr. Barcellos: – Convem notar: conversavamos em caracter particular, reservado.

Continuando o sr. Silva – Peço que me informem os signatarios do documento existente na mesa porque interpretaram a nossa conversa intima. Não interpretaria dessa maneira, – continúa o sr. Silva – por não ter o direito de penetrar o pensamento de outrem.

O sr. Ramos: – A satisfação que poderiamos dar à Directoria está dada com o nosso pedido de renuncia...

O sr. Guimarães: – ...Irrevogavel.

O sr. Silva: – Sr. Presidente, este caso foi levado para o lado politico. Nunca fui politico e continúo a não o ser; não só porque o meio não se coaduna com o meu temperamento, como, e principalmente porque sobre o assumpto tenho compromissos de honra com a minha familia.

O sr. Ramos: – O nobre collega está confundindo politica com politicagem.

O sr. Silva: – Devemos confirmar com serenidade os nossos actos, mantendo-os mesmo com sacrificio pessôal e até da propria vida...

O sr. Ramos: – ... mas o telegramma transmittido para o deputado Geraldo Vianna foi approvado por todos.

O sr. Silva: – Não, não votei o telegramma. Assumo a responsabilidade dos meus actos – não fujo ao[s] meus compromissos, em qualquer terreno; são todos de absoluta lealdade.

O sr. Guimarães: – Não vejo mais motivo para discurso. – A nossa renuncia é irrevogavel.

O sr. Silva: – Fiz parte da Commissão designada para entregar a “Moção” de solidariedade ao então Presidente Aguiar, apresentada em sessão dois ou tres dias depois de nos havermos negado a tomar attitudes politicas, e que teve o meu voto com “absoluta restricção”.

Estabeleceu-se confusão no recinto, entre apartes acalorados da quase totalidade dos srs. directores presentes.

O sr. Pinto, a seguir: – Mas que relação ha entre os actos praticados pelos directores resignatarios e a politica?

O sr. Silva: A mesma que ha com a “Moção” de solidariedade transmittida ao ex-presidente Aguiar.

O sr. Moacyr Barbosa: Solucionamos a questão apresentando a nossa renuncia collectiva.

O sr. Barcellos: – Quer a directoria conjuncta apresente ou não a sua renuncia, se, realmente é irrevogavel o pedido existente sobre a mesa, renuncio tambem.

O sr. Silva: – A minha renuncia acompanha.

O sr. Ramos: – Declaro com toda sinceridade e com a lealdade que costumo pautar as minhas palavras, que, o cargo de Presidente que venho exercendo até esta data, é hoje para mim bem pesado. – Aparteiamn-o os directores Clovis Nunes, Armando Ayres e Moacyr Soares, estabelecendo-se balburdia. –

O sr. Ramos (serenados os animos). Já demos explicações dos nossos actos. Compete agóra aos nossos companheiros resolver o assumpto.

O sr. Silva: – Não dei nem darei explicações dos meus actos. – Nada me peza. Discuto no momento as interpretações outras, dadas as minhas palavras.

O sr Clovis Nunes propoz fosse o officio lido em sessão de Assembléa Geral, e os actos da Directoria julgados pelos associados, não tomando a mesa conhecimento da renuncia dos directores Oswald Guimarães, Juvenal Ramos e Gabino Vasconcellos.

O sr. Silva: – Porque provocarmos acto humilhante, quando nos é mais honroso declinarmos dos nossos cargos, dignamente!...

O sr. Pinto: – Continúa em discussão a proposta do sr. Nunes.

O sr. Silva: – A Directoria deve sim, submetter à Assembléa Geral os seus actos, renunciando em seguida. Se os nossos associados julgarem que merecemos ainda a confiança que nos depositaram, continuaremos. –

O sr. Pinto Araújo diz estar de accordo com a opinião do sr. Almir Silva.

O sr. Moacyr Soares vota com restricção a proposta do director Clovis Nunes, pedindo seja submettida a votação, excepto a parte constante da renuncia de alguns dos directores. –

Em seguida dá, em descoberto, o seu voto favoravel a todos os actos praticados pelos srs. directores. –

Estando de accordo o sr. Nunes, com a “restricção” feita pelo sr. Moacyr Barbosa, o sr. Presidente, submette a materia novamente à votação.

O sr. Almir Silva diz votar contra, porque somente os resignatarios poderão retirar o seu pedido declarado “irrevogavel”, pedindo licença para retirar-se, para não mais perturbar os trabalhos já bastante prolongados. A pedido geral permanece o sr. Silva na sala, adiantando a seguir, ter sido precipitado o pedido de renuncia dos três directores, somente justificavel se a directoria, após tomar conhecimento dos actos praticados lhes negasse apoio.

O sr. Guimarães: – Manteremos a nossa attitude, se houver pelo menos um voto discordante da nossa maneira de proceder. – Pode ser votada separadamente 

O sr. Pinto Araújo submette à approvação os actos da Directoria.

Votam com “restricção à parte politica” os directores Placido Barcellos e Almir Silva, justificando o “voto”.

O sr. Guimarães: – Nesse caso mantemos integralmente a nossa attitude.

O sr. Barcellos: – Estou coherente com o meu modo de pensar. Disso não me é possível afastar.

O sr. Guimarães: – Proponho que a mesa dê a sua opinião se os nossos actos são ou não politicos. – Diz os termos do compromisso assumido com o Governo Revolucionario e subscripto pelos directores Gabino Vasconcellos e Juvenal Ramos, o que foi feito com o intuito único de salvaguardar os interesses da familia e da propriedade capichaba, e, muito principalmente evitar derramamento de sangue no territorio espiritosantense. –

Submettida à votação a attitude dos srs. signatarios daquelle documento foi a mesma approvada por unanimedade de votos tendo os sr. directores mandado lançar nesta acta, tambem por unanimidade, um voto de louvor aos srs. Juvenal Ramos, Gabino Vasconcellos e Oswald Guimarães.

Por proposta do sr. Roberto Espindula, ficou deliberado que se transcrevesse os termos do documento assignado por aquelles directores, juntando-os ao officio existente sobre a mesa.

São mais ou menos estes os termos daquelle documento:

Nós abaixo assignados, declaramos que, guardaremos sob palavra de honra, absoluto sigillo das revelações que nos foram feitas pelo major Paes Brasil, e que acceitamos os principios de que nos deu conhecimento.

Victoria, 16 de Outubro de 1930(a)

Oswald Guimarães Juvenal Ramos e Gabino A. S. Vasconcellos, 1º Secretario, presidente e vice-presidente da Ass. Comercial de Victoria.

Senha: “Tudo pela Patria” – Contra Senha: “Da Patria Soldados somos – avante”.

(ass.) Major Paes Brasil. Scientes: Oswald Guimarães, Gabino Vasconcellos e Juvenal F. P. Ramos.

Nada mais havendo a tratar foi encerrada a sessão, da qual, para constar o sr. Presidente mandou que se lavrasse a presente acta.

 Victoria, 6 de Novembro de 1930. –

Juvenal F. P. Ramos

Moacyr Barbosa Soares

 

 

Autor: Fernando Achiamé
Título: Elites Políticas Espírito-Santenses e Reformismo Autoritário (1930-19378)
Fonte: Trabalho de Pós-Graduação em História - Mestrado em História Social das Relações Políticas, 2005 
Nota: Em 2010, foi lançado o livro “Espírito Santo na Era Vargas  1930-1937”. Em 2012, o  professor e historiador capixaba Fernando Achiamé foi o vencedor do Prêmio Pedro Calmon, concedido  pelo Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. O Instituto, fundado em 1838, é considerado a mais antiga instituição cultural do país.  


História do ES

História de Itaúnas

História de Itaúnas

Quem caminha sobre as dunas de Itaúnas, entre o mar e a região alagada pelo rio, está passeando sobre a história de uma vila que foi, aos poucos, sendo coberta pela areia fina até desaparecer

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Entradas: A exploração do interior - João Eurípedes Franklin Leal

As entradas organizadas para exploração do interior da capitania do Espírito Santo visavam, principalmente, as riquezas minerais, como a sonhada Serra das Esmeraldas, e a procura de ouro

Ver Artigo
O Espírito Santo no Romance Brasileiro

A obra de Graça Aranha, escrita no Espírito Santo, foi o primeiro impulso do atual movimento literário brasileiro

Ver Artigo
Anotações a respeito de Frei Pedro Palácios

Nasceu em Medina do Rio Seco, na Espanha, perto de outra cidade maior, Medina Del Campo. Ambas hoje são cidades turísticas e perto da famosa Salamanca

Ver Artigo
Victória – Cidade Presépio, 1937

A linda capital do Espírito Santo. A cidade de Vitória está situada numa ilha banhada por águas do oceano Atlântico

Ver Artigo
Os cônsules no Espírito Santo

São representantes junto ao Governo do Estado, com residência nesta capital

Ver Artigo