Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Bairro da Glória

Caravela Glória

Praia da Glória

Entre o morro Jaburuna e o contraforte do Penedo estão a praia da Glória e a embocadura do rio Aribiri.

Conta a tradição que a pequena praia da Glória ganhou esse nome porque ali ficou ancorada, por muitos anos, a nau Glória, de Vasco Fernandes Coutinho, depois de ter prestado inestimáveis serviços ao seu dono e de quem já não recebia os necessários reparos de manutenção. Ali, então, desmanchou-se pela ação do tempo. Em época remota, cercado de terras alagadiças, era aquele recanto uma região desabitada, e quem por ali passava, por caminho ou por mar, ia à Glória referindo-se à caravela. Na verdade, ela era o grande destaque da região desabitada, que ainda estava mais para manguezal. Depois do desaparecimento da heróica embarcação, a pequena praia absorveu o seu nome. Bem mais tarde surgiram as primeiras casas no sopé do morro Jaburuna, embrião do atual bairro da Glória.

Nos primeiros anos deste século, existia na praia da Glória, junto ao Jaburuna, a fábrica de cal de propriedade de João Freitas, filho do patriarca coronel Joaquim Rodrigues Pereira de Freitas. Essa fábrica de pequeno porte usava conchas de mariscos como matéria-prima, que abundavam no fundo e em vários pontos do canal, como por exemplo, nas praias da Glória e do Suá. Os apanhadores eram proprietários de canoas que faziam a cata peneirando o material bruto retirado do fundo, nas horas de maré baixa.

Posteriormente, o bairro, ainda timidamente povoado no início do século, ficou conhecido como Fábrica porque instalou-se nas proximidades uma grande fábrica de artefatos empregados nas construções e que utilizava os sílico-calcários como matéria-prima. Era de propriedade do estado e à sua volta foram construídas as casas dos operários que nela trabalhavam. Depois, já nos anos 20 e 30, foi desativada, dando lugar, mais tarde, à fábrica de balas Garoto, hoje Chocolates Garoto S.A.

A partir da metade deste século, o gosto popular fez renascer o nome primitivo, Glória, por ter sido o recanto que abrigou e tem guardado definitivamente no seu seio a nau que trouxe Vasco Fernandes Coutinho para a capitania do Espírito Santo.

 

Fonte: Onde começou o Estado do Espírito Santo, 1999
Autor: Jair Santos
Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2015 



GALERIA:

📷
📷


Bairros e Ruas

Parque Moscoso (ex-Campinho) - Por Elmo Elton

Parque Moscoso (ex-Campinho) - Por Elmo Elton

O aterro do Campinho, local primitivamente chamado Lapa do Mangal, área pantanosa, foi ativado, a partir de 3 de setembro de 1888, quando presidente da província o Dr. Henrique Ataíde Lobo Moscoso

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Rua Marcelino Duarte – Por Elmo Elton

Das casas comerciais de que dispunha esta artéria citam-se a Casa Madame Prado e também o Clube de Regatas Álvares Cabral, todos dando frente para a Praça Costa Pereira 

Ver Artigo
Rua Cosme Rolim – Por Elmo Elton

Começa ao lado da igreja de São Gonçalo e termina na Rua Francisco Araújo

Ver Artigo
Rua São João Gonçalo – Por Elmo Elton

Começa na Praça João Clímaco e termina no adro da igreja de São Gonçalo. Teve calçamento pé-de-moleque até princípios da década de 30 

Ver Artigo
Rua Luís Antônio – Por Elmo Elton

Luís Antônio da Silva foi, segundo Basílio Daemon, "o principal doador e fundador da Santa Casa de Misericórdia, que lhe conserva o retrato, pintado a óleo, em uma de suas salas"

Ver Artigo
Av. Marcos de Azevedo (ex-avenída José Carlos) – Por Elmo Elton

A partir do governo de Jerônimo Monteiro, essa artéria se enfeitou de belas residências, dentre as quais o palacete de Anísio Fernandes Coelho, construído em 1914

Ver Artigo