Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Bar Globo da Praça Oito

Capa do Livro de Hélio de Oliveira Santos, 1978

O Bar Globo era um bar típico da época, com suas mesas de madeira, cadeiras também de madeira, sem nada de especial. Tinha na entrada uma porta tipo vai-vem, uns 15 metros de comprimento, por uns 6 de largura. Nos fundos ficava a cozinha, à direita, ficava um balcão tipo prateleira onde acima tinha a caixa registradora onde o Zé Gordinho ficava olhando o ambiente, sempre de charuto na mão (assim como o Eurico Rezende) dando baforadas, e também sempre com seu copo de cerveja ao lado, pois ele era um tremendo bebedor da dita cuja. No meio do bar, havia uma coluna que ia desde o chão até o teto, coluna esta de madeira.

Logo que o Zé Gordinho comprou o Globo, pendurou nesta coluna mais ou menos a uns 3 metros de altura, um bacalhau, bacalhau mesmo, de carne e osso, próprio para bacalhoada. Esse bacalhau ficou lá, pendurado meses. Entrava dia, saía dia e o bicho estava lá pendurado, duro, já escuro de tanta poeira, pedindo a Deus que o colocassem logo numa panela. Até que um dia entrou no Bar Globo o Roberto Ribeiro de Souza. O Roberto era frequentador do Globo, porém não era de beber, ia só bater papo com os amigos. Ele entrou, sério, não olhando, nem cumprimentando ninguém, parou em frente ao bacalhau, olhou-o bem, foi até a um canto onde era guardado o material de limpeza do bar, e apanhou um espanador, daqueles de cabo de madeira e penas de peru. E o Zé Gordinho na registradora só de olho no que Roberto ia fazer. Ele, sério como entrou, pediu uma cadeira emprestada a um dos fregueses (a casa estava cheia), encostou-a na coluna, subiu na cadeira e com o espanador começou a espanar o bacalhau. Saía poeira para todos os lados. A turma que estava no bar caiu na gargalhada. O Zé Gordinho, que estava na registradora quase teve um colapso. Não sabia se tomava o charuto e fumava o copo de cerveja ou vice-versa.

E Zé Gordinho berrava pro Roberto que se retirava, sério, sem ter dito uma palavra:

- "Seu Roberto, se o Sr. vem aqui para desmoralizar meu restaurante não precisa vir mais!" E por aí afora. E a turma morrendo de rir. Foi uma luta para acalmar o Zé Gordinho. E até hoje ninguém sabe onde foram parar o charuto e a garrafa de cerveja que ele estava fumando e tomando... Nós achamos que ele tinha engolido os dois.

 

Fonte: "Estórias de Boemios e Outras Estórias". Vitória - 1978
Autor: Helio de Oliveira Santos
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2012 

Matérias Especiais

Em Terras Nossas - Elmo Elton

Em Terras Nossas - Elmo Elton

Sonetos escritos quando da beatificação do Padre José de Anchieta, em junho de 1980

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Edificações de Vitória

Preservando a memória do Centro, Vitória guarda também o Teatro Carlos Gomes, a sede do Palácio Anchieta, o Mercado da Capixaba, o Teatro Glória, o Arquivo Municipal, o Palácio Domingos Martins

Ver Artigo
Museu de Arte Moderna do Espírito Santo

Endereço por muitos anos do prédio da Secretaria de Administração, o museu foi o primeiro imóvel inaugurado na gestão de Florentino Avidos como presidente do estado do Espírito Santo

Ver Artigo
Posfácio do livro Parabéns Pra Você – Por Cariê Lindenberg

Por fim, o que mais me marca em Maria é a sua determinação, força de vontade e grande fibra

Ver Artigo
Páginas soltas – Por D. Maria Lindenberg

Noventa anos significam uma vida repleta de bons e de maus momentos. De triunfos e de derrotas

Ver Artigo
Depois de Carlos – Por D. Maria Lindenberg

O domingo de 19 de agosto de 1990 deveria ser igual a qualquer outro

Ver Artigo