Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O barco Juparanã

Vapor Juparanã abandonado às margens do Rio Doce

Apresento-vos um navio que não é do maiores do mundo: tem 26 metros de popa a proa, e 6 de largura. Está sendo todo pintado de branco; assim fica mais bonito. Estão sendo arrumados seus 8 camarotes, e também seu bar com uma boa geladeira. Foi lançado à água em 1926, mas agora está todo renovado e galante.

Quereis fretar esse navio e nele navegar a vossa tristeza e o sonho vosso? Arranjo por 3 dias; e pagareis 800 cruzeiros por dia. Isso inclui, senhor, a lenha para o motor de 80 cavalos, e o pagamento dos 13 tripulantes, inclusive o papo cordial e a cachacinha fornecidos em seu próprio camarote pelo comandante Pedro Pichim. Seu nome, tal como ficou registrado em Moscou, é Pedro Epichim, e assim ele assina; mas está acostumado a ser chamado de "seu" Pedro Pichim.

O cozinheiro é bom, e não ficareis espantado ao reparar, por exemplo, que o timoneiro às vezes usa um enorme facão de mato pendurado no cinto. Nosso barco é muito florestal. Nele podereis subir de Regência do Rio Doce a Colatina e entrar em muitas lagoas, inclusive na maior e mais bela de todas as lagoas de água doce deste imenso Brasil, de água muito clara e muito funda, cercada de floresta imponente, com a Ilha do Imperador no meio, tendo uns 32 quilômetros de comprimento e na maior largura uns 5 metros.

Nesse navio podereis levar, se tendes muitos amigos, até 300 pessoas, e se tendes muitos haveres até 25 toneladas de carga. Aconselho-vos a não levar tanto, pois se é verdade que o Juparanã cala, sem carga, apenas 55 centímetros, também é certo que seu casco se afunda na água mais 1 centímetro por 2 toneladas de carga; de maneira que, tendo muito peso, ele perde o que me parece ser seu encanto principal, que é a presteza e graça com que acode ao chamado que qualquer bandeira branca na margem, encostando os peitos no barranco, como pata maternal.

Assim essa viagem de 130 quilômetros desde a Barra até Colatina tem na verdade muito mais do dobro, não só pelo capricho do canal como pelo bom coração de nosso barco. Às vezes aparece uma bandeira branca à margem direita e outra à margem esquerda; e nem é bandeira mesmo, é um saco de algodão ou um simples lenço, qualquer farrapo branco chamando, mandando seu apelo da fímbria da floresta escura. E lá vamos costurando o rio, da margem norte à margem sul.

Quando anoitece basta ao caboclo ribeirinho agitar uma lanterna ou lamparina, um simples tição bem aceso para que o Juparanã mude de rumo e, com sua roda traseira batendo como um coração amigo, vá apanhá-lo na barranca humilde. E ele é amigo de suas irmãs menores, essas canoas do rio Doce, canoas de peroba, cobi, vinhático, cerejeira, oiticica, araribá, seja de 20 de metros de comprido e 4 palmos e chave de largura, seja canoinha boieira que um menino guia. O canoeiro, do meio do rio, faz um sinal, ele pára, delicado. O canoeiro vem vindo, e agita um papel na mão:

- Firmino, esta carta é para botar no correio de Colatina...

E se o canoeiro viaja, sua canoa também vai. Temos nesta viagem atadas a cada lado seis canoas compridas, e Pedro Pichim me diz que chega a levar trinta em suas ilhargas amigas.

Não é preciso comprar passagem, fica entendido que em cima é primeira classe e embaixo é segunda. Camarote e comida são pagos em separado. Pedro Pichim, o velho lobo-do-rio, leva na mão um caderno escolar onde toma nota do nome do passageiro e o preço da passagem: da fazenda Maria Bonita até a fazenda Boa Esperança, ele calcula, por exemplo, 10 cruzeiros. Há 26 anos, desde que esse navio, vindo da Alemanha, foi montado em Colatina e lançado às águas do rio, que Pedro Pichim o comanda para baixo e para cima - e ajuda a pôr a mesa, oferece manga às damas e ingá às criancinhas, tão cheio de autoridade e tão simplesmente cordial, já com dois filhos homens na tripulação. Antigamente, diz ele que muitas vezes tinha de cobrar passagem de revólver na cinta, às vezes mesmo na mão porque algum baiano de maus bofes resolvia fazer carinho no cabo de seu facão de mato e dizer que já tinha pago. "Então paga outra vez senão encosto o barco no barranco e você salta".

Quem sobe na Barra e vê logo acima de Povoação, no lado norte, uma pequena sede de fazenda fazendo um claro no debrum escuro da mata e pergunta seu nome, lhe respondem: é o Império da Boa Vontade. No dia azul em que esse império se estender pelo mundo, há de ter como nau capitânia de sua Marinha de Paz o barco Juparanã, amigo de todas as bandeiras brancas.

 Março,1949  

 

Fonte: Crônicas do Espírito Santo,1984
Autor: Rubem Braga
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2012
Obs.: Este livro foi doado à Casa da Memória de Vila Velha em abril de 1985 por Jonas Reis



GALERIA:

📷
📷


Variedades

O Frade e a Freira - Lenda: Por Doralice de Oliveira Neves

O Frade e a Freira - Lenda: Por Doralice de Oliveira Neves

Era uma linda tarde e toda a selva se iluminava com uma suave luz de deslumbrante policromia... os ventos tangiam uma doce melodia

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Lição, UFES 65 Anos - Antonio Rocha Neto

Saibamos aproveitar as melhores aulas que podemos ter no principal curso que podemos fazer em nossas vidas  

Ver Artigo
Polícia pede paciência para o verão 1999 na Rodosol

Volume de tráfego deve aumentar muito e policiamento estará atento na Rodovia do Sol para evitar acidentes

Ver Artigo
Uma mensagem de Natal

A Mamãe Noel de Vila Velha me traz de volta o sentido de Natal, ao colocar uma roupa vermelha e um gorro vermelho e se transformar em puro encantamento

Ver Artigo
Os filhos do ócio

Um dos frutos dessa movimentação foi a irreverente banda Lordose pra Leão. Um grupo de estudantes do curso de Comunicação Social, que era habitué das pedrinhas ao lado do RU 

Ver Artigo
Ano de 1588 e 1589 - Por Basílio Daemon

A viúva, D. Luíza Grinalda, continuou a residir em sua fazenda na então Vila Velha, a qual era junto ao monte Moreno

Ver Artigo