Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O caçador de Forno Grande – Por Maria Stella de Novaes

Forno Grande, localizado no Município de Castelo

Forno Grande é um Monte, no Município do Castelo.

Diziam, antigamente, que, em tempos remotos, antes de ser o lugar habitado pelas tribos indígenas, o dominavam gênios infernais que, ali, estabeleceram uma comunicação com as entranhas da Terra.

Posteriormente, vieram os puris firmar-se, na região; foram, porém, afastados, pelos bandeirantes mineiros, cobiçosos das famosas minas de ouro e pedras preciosas.

Segundo relatos diversos, na fase inicial do desbravamento, quando chegaram os primeiros povoadores brancos, havia ainda quem fizesse tratos com o demônio, com o saci, o curupira, etc., ou procurasse vencê-los. Por isso, um caçador, desejoso de penetrar nas matas de Forno Grande, e chegar até o lugar encantado, a fim de apoderar-se do ouro e das pedras preciosas, apostou com amigos: Havia de vencer o saci, representante do Príncipe das Trevas, naquele temido lugar. Em caso de vitória, seria eleito chefe do povoado.

Partiu, numa madrugada. Subiu. Venceu cipós e espinheiros. E, quanto mais andava, mais distante se lhe apresentava a cratera fantástica. Passou o dia, andando...

Aproximava-se a tarde e nem sinal de caça, — jacutingas, veados, pacas, etc.

Exausto, sentou-se, numa pedra, junto a uma extensa laje, coberta pela fronde de um mulembá. Repousou; mas, na hora da Ave-Maria, sentiu ligeiro estremecimento da terra. Aprestou a espingarda. — Seria o momento de vencer o mistério? Não. Jamais voltaria ao povoado, sem, ao menos, um saquinho de ouro, no bolso.

Súbito, em saltos característicos, sobre a laje, que se levantara, parcialmente, surge o saci, a fazer-lhe trejeitos. Presa do pavor, o homem larga a espingarda, para fazer um esconjuro e traçar o Sinal da Cruz; ágil, porém, o negrinho descarrega a arma e atira-a distante.

Em disparada, sai o homem, seguido pelo gênio das estradas desertas. Corre, corre... passa correndo, no povoado, onde as luzes já estavam apagadas e os moradores dormiam! Nem uma porta aberta, porque todos receavam o desfecho da aventura e não queriam envolver-se com o saci.

E o homem continua correndo, até hoje. Corre, corre, para que outros possam viver, em paz, salvos do perigo do lugar, ainda chamado Forno Grande, embora extinta a cratera do saci.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2016

Folclore e Lendas Capixabas

O Tesouro da Ilha do Francês – Por Adelpho Monjardim

O Tesouro da Ilha do Francês – Por Adelpho Monjardim

Junto ao mar, na encosta rochosa, abre-se uma gruta. A entrada é pouco alta e estreita, porém, ela se estende a profundezas desconhecidas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Pedra dos Ovos – Por Adelpho Monjardim

Consiste a interessante formação em compacto bloco de granito, sofrivelmente oval, superposto a outro menor, em perfeito equilibro

Ver Artigo
Horas de Lazer nos anos 40 em Vila Velha – Por Seu Dedê

As brincadeiras eram comuns a todas as crianças, sem distinção de classe social. Tínhamos muitas e muitas

Ver Artigo
Carta ao meu cumpade Almando Azevedo (Aribiri, Vila Velha)

Meu cumpade que sódade / que vontade de chora, quando me alembra das noiques / que ensaiemo no Celestiá, foi só pra toma amizadi / com o cumpade do Arraia

Ver Artigo
A Manteigueira Assombrada – Por Maria Stella de Novaes

Desse romance entre a mulher índia e o colono luso, resultou a lenda de uma "assombração", para a Casa da Manteigueira

Ver Artigo
As Timbebas - Edward Athayde D’Alcântara

A Prainha era um berçário de mariscos; ali, você colhia com fartura o burdigão

Ver Artigo