Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O caçador de Forno Grande – Por Maria Stella de Novaes

Forno Grande, localizado no Município de Castelo

Forno Grande é um Monte, no Município do Castelo.

Diziam, antigamente, que, em tempos remotos, antes de ser o lugar habitado pelas tribos indígenas, o dominavam gênios infernais que, ali, estabeleceram uma comunicação com as entranhas da Terra.

Posteriormente, vieram os puris firmar-se, na região; foram, porém, afastados, pelos bandeirantes mineiros, cobiçosos das famosas minas de ouro e pedras preciosas.

Segundo relatos diversos, na fase inicial do desbravamento, quando chegaram os primeiros povoadores brancos, havia ainda quem fizesse tratos com o demônio, com o saci, o curupira, etc., ou procurasse vencê-los. Por isso, um caçador, desejoso de penetrar nas matas de Forno Grande, e chegar até o lugar encantado, a fim de apoderar-se do ouro e das pedras preciosas, apostou com amigos: Havia de vencer o saci, representante do Príncipe das Trevas, naquele temido lugar. Em caso de vitória, seria eleito chefe do povoado.

Partiu, numa madrugada. Subiu. Venceu cipós e espinheiros. E, quanto mais andava, mais distante se lhe apresentava a cratera fantástica. Passou o dia, andando...

Aproximava-se a tarde e nem sinal de caça, — jacutingas, veados, pacas, etc.

Exausto, sentou-se, numa pedra, junto a uma extensa laje, coberta pela fronde de um mulembá. Repousou; mas, na hora da Ave-Maria, sentiu ligeiro estremecimento da terra. Aprestou a espingarda. — Seria o momento de vencer o mistério? Não. Jamais voltaria ao povoado, sem, ao menos, um saquinho de ouro, no bolso.

Súbito, em saltos característicos, sobre a laje, que se levantara, parcialmente, surge o saci, a fazer-lhe trejeitos. Presa do pavor, o homem larga a espingarda, para fazer um esconjuro e traçar o Sinal da Cruz; ágil, porém, o negrinho descarrega a arma e atira-a distante.

Em disparada, sai o homem, seguido pelo gênio das estradas desertas. Corre, corre... passa correndo, no povoado, onde as luzes já estavam apagadas e os moradores dormiam! Nem uma porta aberta, porque todos receavam o desfecho da aventura e não queriam envolver-se com o saci.

E o homem continua correndo, até hoje. Corre, corre, para que outros possam viver, em paz, salvos do perigo do lugar, ainda chamado Forno Grande, embora extinta a cratera do saci.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2016

Folclore e Lendas Capixabas

Conversa Barrense - Por Bernadette Lyra

Conversa Barrense - Por Bernadette Lyra

Quando esta crônica estiver publicada, já passou do tempo em que, numa camurcenta tarde cor de milho dourada, Hermógenes Fonseca voltou de uma vez para Conceição da Barra

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Chico DAnta, o Violeiro Escravo de São Benedito

O professor Elias perguntou de que família era ele. Chico respondeu: A prugunta num tá certa não. Voscimicê quer sabe de que família nóis era escravo, né?

Ver Artigo
Lendas, folclore, crendices de tropeiros – Por Ormando Moraes

Os tropeiros divulgavam também o caso da figueira mal assombrada da Fazenda do Bandeira, perto de Calçado, onde se ouviam gemidos e gargalhadas à noite

Ver Artigo
Carnaval em Muqui

Veja como participar do carnaval folclórico de Muqui!

Ver Artigo
Carnaval - Por Renato Pacheco

Segundo Paulo Vellozo, grande folião da década de 30, depois que se extingüiu o Pega a Nega, no Clube Vitória, surgiu o Solta a Nega, bloco de rapazes, que substituiu a velha guarda

Ver Artigo
Anchieta e seus milagres – Por Adelpho Monjardim

Muitos os milagres realizados por Anchieta; assim como os sucedidos com ele, reveladores do seu estado de Graças

Ver Artigo