Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Campanelli

Casa do Navio antes e depois, inclusive com o mesmo poste

Manhã nascendo. De pé sobre a pedreira, eu observava o voo dos urubus que agouravam a morte do bezerro atolado no asfalto. A estradinha à beira-mar estava sendo pavimentada. Por todo lado amontoavam-se tonéis do betume negro e visguento; alguns derramados. O gado desavisado que por ali perambulava, volta e meia via-se em apuros. Os maiores conseguiam safar-se, mas os pássaros e bezerrinhos que caíam no asfalto derretido, quando mais se debatiam, mais afundavam. O bezerro atolado berrava, em desespero, e todo o coro dos bois berrava em resposta. Eu esperava meu primo, Paíco, para juntos, tentarmos livrar o animalzinho. Ficaria com as unhas negras do asfalto, teria que esconder as mãos nos bolsos, e mamãe repetiria seu milésimo sermão de que já era tempo de me portar como uma mocinha. Essa cena viria a repetir-se algumas vezes.

Nicola Campanelli era o engenheiro italiano contratado para asfaltar a estradinha que ligava Vila Velha à Praia da Costa. De temperamento efusivo, logo cativou todos. Eu e Paíco nos tornamos sua sombra (Marinella e Paípa, como dizia). O seguíamos pra baixo e pra cima e, nesse vaivém, uma linda amizade nos uniu. Aquele homem/ ventania era, para mim, uma janela aberta por onde eu vislumbrava o desconhecido, o exótico, o inusitado. Tudo o que nos contava, me encantava e atraía. Eu tinha doze anos, e vivera, até então, a vidinha prosaica de Vitória: casa, escola, missa, praia, família, tudo "nos conformes". De repente, descobria como era grande o mundo. Bem maior que o "meu planeta" - o morro perto do péla-macaco onde eu ia de catraia para ver o pôr-do-sol.

Sua casa, em forma de navio, de cuja construção eu e meu primo participamos ativamente providenciando fundos de garrafas para decorar a parede fronteira, era realmente a grande nave de sonhos e promessas.

Campanelli casou-se com uma paulista - Yolanda, alta, tímida, de modos corteses e poucas falas. Nasceu Ana Maria e logo, outra menininha cujo nome não lembro. Sempre por perto, eu continuava a ocupar o lugar de amiguinha predileta, que tanto me envaidecia. Mas o grande mundo gira - e isso eu aprendi também. Meu amigo se foi com sua família; nunca mais o vi. Soube, aqui e ali, que alguém o vira casualmente na Via Ápia, Roma e me parece, que em Capri.

Quando, muitos anos mais tarde, já casada, estive na Itália, meu olhar esquadrinhava os passantes, a ver se em meio a tantos rostos surgia o rosto querido. Nunca! Meu amigo que tanto enriqueceu meus dias, esfumou-se na distância. Sua casa-navio foi derrubada, a estrada, ampliada. Frequentemente eu me perguntava por que certas pessoas surgem em nossas vidas, se a sina é que desapareçam depois, deixando um travo de solidão - um nome que, quando sussurrado, aquece o coração, mas também dá uma pontada de nostalgia.

Pela diferença de idades, meu amigo deve estar "al di lá delle stelle, al di lá della vita" - onde só a saudade alcança. E; para revê-lo, vou ter que esperar...

Por: Marilena Soneghet, publicado originalmente em A Gazeta (11/09/09)


LINKS RELACIONADOS:

>> A Casa do Navio



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

Hermógenes - Amor pela Barra

Hermógenes - Amor pela Barra

Aos 12 anos, Hermógenes embarcou com a mãe e o irmão Ivo no navio de cabotagem Lud e, após longa viagem, aportaram em Vitória. Foi morar em Paul, município de Vila Velha. A vida de menino livre do sertão seria bruscamente mudada com a nova realidade da capital 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Saudações - Fernando Antonio de Oliveira

Carta endereçada ao escritor Walter de Aguiar Filho, autor do livro "Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno", pelas lembranças que nos traz sobre Vila Velha de outrora e pelo alerta sobre a identidade e cultura do canela-verde. Confira!

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VIII (FINAL)

Cristóvão Jaques foi o único que fez reconhecimentos e assentou padrões, conforme estão de acordo todos os cronistas e historiadores, estando por isso provado ser ele o primeiro que reconheceu a costa da província do ES

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte VII

Com a chegada e desembarque, na província do Espírito Santo, do donatário Vasco Fernandes Coutinho, a 23 de maio de 1535, temos finalizado a notícia dos navegantes que tocaram ou não nas costas desta província

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte III

Conclui-se, afinal, que o navio em que viera Diogo Álvares (Caramuru) não ultrapassou a baía de Todos os Santos, onde naufragara

Ver Artigo
Estudos sobre a descoberta da Província - Parte I

Pedro Álvares Cabral saiu de Lisboa a 9 de março de 1500, com 10 caravelas e 3 navios, tendo por guarnição 1.200 homens

Ver Artigo