Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Campanelli

Casa do Navio antes e depois, inclusive com o mesmo poste

Manhã nascendo. De pé sobre a pedreira, eu observava o voo dos urubus que agouravam a morte do bezerro atolado no asfalto. A estradinha à beira-mar estava sendo pavimentada. Por todo lado amontoavam-se tonéis do betume negro e visguento; alguns derramados. O gado desavisado que por ali perambulava, volta e meia via-se em apuros. Os maiores conseguiam safar-se, mas os pássaros e bezerrinhos que caíam no asfalto derretido, quando mais se debatiam, mais afundavam. O bezerro atolado berrava, em desespero, e todo o coro dos bois berrava em resposta. Eu esperava meu primo, Paíco, para juntos, tentarmos livrar o animalzinho. Ficaria com as unhas negras do asfalto, teria que esconder as mãos nos bolsos, e mamãe repetiria seu milésimo sermão de que já era tempo de me portar como uma mocinha. Essa cena viria a repetir-se algumas vezes.

Nicola Campanelli era o engenheiro italiano contratado para asfaltar a estradinha que ligava Vila Velha à Praia da Costa. De temperamento efusivo, logo cativou todos. Eu e Paíco nos tornamos sua sombra (Marinella e Paípa, como dizia). O seguíamos pra baixo e pra cima e, nesse vaivém, uma linda amizade nos uniu. Aquele homem/ ventania era, para mim, uma janela aberta por onde eu vislumbrava o desconhecido, o exótico, o inusitado. Tudo o que nos contava, me encantava e atraía. Eu tinha doze anos, e vivera, até então, a vidinha prosaica de Vitória: casa, escola, missa, praia, família, tudo "nos conformes". De repente, descobria como era grande o mundo. Bem maior que o "meu planeta" - o morro perto do péla-macaco onde eu ia de catraia para ver o pôr-do-sol.

Sua casa, em forma de navio, de cuja construção eu e meu primo participamos ativamente providenciando fundos de garrafas para decorar a parede fronteira, era realmente a grande nave de sonhos e promessas.

Campanelli casou-se com uma paulista - Yolanda, alta, tímida, de modos corteses e poucas falas. Nasceu Ana Maria e logo, outra menininha cujo nome não lembro. Sempre por perto, eu continuava a ocupar o lugar de amiguinha predileta, que tanto me envaidecia. Mas o grande mundo gira - e isso eu aprendi também. Meu amigo se foi com sua família; nunca mais o vi. Soube, aqui e ali, que alguém o vira casualmente na Via Ápia, Roma e me parece, que em Capri.

Quando, muitos anos mais tarde, já casada, estive na Itália, meu olhar esquadrinhava os passantes, a ver se em meio a tantos rostos surgia o rosto querido. Nunca! Meu amigo que tanto enriqueceu meus dias, esfumou-se na distância. Sua casa-navio foi derrubada, a estrada, ampliada. Frequentemente eu me perguntava por que certas pessoas surgem em nossas vidas, se a sina é que desapareçam depois, deixando um travo de solidão - um nome que, quando sussurrado, aquece o coração, mas também dá uma pontada de nostalgia.

Pela diferença de idades, meu amigo deve estar "al di lá delle stelle, al di lá della vita" - onde só a saudade alcança. E; para revê-lo, vou ter que esperar...

Por: Marilena Soneghet, publicado originalmente em A Gazeta (11/09/09)


LINKS RELACIONADOS:

>> A Casa do Navio



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

A fonte de Inhoá

A fonte de Inhoá

Desde a época do Primeiro Donatário, Vasco Fernandes Coutinho, já se bebia água da fonte de Inhoá

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Deputados capixabas nas duas constituintes imperiais

Em 1823, tomou assento na Assembléia Constituinte brasileira, como representante capixaba, o Dr. Manuel Pinto Ribeiro Pereira de Sampaio, membro do Supremo Tribunal de Justiça, era nascido em Vitória

Ver Artigo
Zé Pretinho

Fica ali, exatamente na esquina da Aleixo Neto com a José Teixeira. Do lado de Santa Lúcia. Não tem placa que o identifique. Mas há quarenta anos toda a redondeza cohece o Zé Pretinho

Ver Artigo
E por falar em saudade

Tenho saudades do torrone, da Garoto, um tablete de docinho recoberto de chocolate e com recheio pastoso de castanha, amêndoa ou amendoim, já não me lembro mais. Só sei que era uma delícia e que guardava todas as minhas pequenas economias para comer um a casa quinze dias. Era a época do leite-mel, da pastilha forte, da groselha, do sorvete de coco verde do Michel, guloseimas,...

Ver Artigo
Origem do Carnaval no Brasil

Fomos influenciados inicialmente pelos portugueses da Ilha da Madeira, Açores e Cabo Verde, que trouxeram a brincadeira de loucas correrias. No Brasil, com a criação dos Trios Elétricos pelos baianos, uma nova caracteristica de carnaval se disseminou

Ver Artigo
A âncora da Prainha

A âncora da Praça Tamandaré que fica localizada em frente ao Fórum e a Casa da Memória na Prainha, em Vila Velha, foi presenteada pela Marinha ao município de Vila Velha

Ver Artigo