Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Campanelli

Casa do Navio antes e depois, inclusive com o mesmo poste

Manhã nascendo. De pé sobre a pedreira, eu observava o voo dos urubus que agouravam a morte do bezerro atolado no asfalto. A estradinha à beira-mar estava sendo pavimentada. Por todo lado amontoavam-se tonéis do betume negro e visguento; alguns derramados. O gado desavisado que por ali perambulava, volta e meia via-se em apuros. Os maiores conseguiam safar-se, mas os pássaros e bezerrinhos que caíam no asfalto derretido, quando mais se debatiam, mais afundavam. O bezerro atolado berrava, em desespero, e todo o coro dos bois berrava em resposta. Eu esperava meu primo, Paíco, para juntos, tentarmos livrar o animalzinho. Ficaria com as unhas negras do asfalto, teria que esconder as mãos nos bolsos, e mamãe repetiria seu milésimo sermão de que já era tempo de me portar como uma mocinha. Essa cena viria a repetir-se algumas vezes.

Nicola Campanelli era o engenheiro italiano contratado para asfaltar a estradinha que ligava Vila Velha à Praia da Costa. De temperamento efusivo, logo cativou todos. Eu e Paíco nos tornamos sua sombra (Marinella e Paípa, como dizia). O seguíamos pra baixo e pra cima e, nesse vaivém, uma linda amizade nos uniu. Aquele homem/ ventania era, para mim, uma janela aberta por onde eu vislumbrava o desconhecido, o exótico, o inusitado. Tudo o que nos contava, me encantava e atraía. Eu tinha doze anos, e vivera, até então, a vidinha prosaica de Vitória: casa, escola, missa, praia, família, tudo "nos conformes". De repente, descobria como era grande o mundo. Bem maior que o "meu planeta" - o morro perto do péla-macaco onde eu ia de catraia para ver o pôr-do-sol.

Sua casa, em forma de navio, de cuja construção eu e meu primo participamos ativamente providenciando fundos de garrafas para decorar a parede fronteira, era realmente a grande nave de sonhos e promessas.

Campanelli casou-se com uma paulista - Yolanda, alta, tímida, de modos corteses e poucas falas. Nasceu Ana Maria e logo, outra menininha cujo nome não lembro. Sempre por perto, eu continuava a ocupar o lugar de amiguinha predileta, que tanto me envaidecia. Mas o grande mundo gira - e isso eu aprendi também. Meu amigo se foi com sua família; nunca mais o vi. Soube, aqui e ali, que alguém o vira casualmente na Via Ápia, Roma e me parece, que em Capri.

Quando, muitos anos mais tarde, já casada, estive na Itália, meu olhar esquadrinhava os passantes, a ver se em meio a tantos rostos surgia o rosto querido. Nunca! Meu amigo que tanto enriqueceu meus dias, esfumou-se na distância. Sua casa-navio foi derrubada, a estrada, ampliada. Frequentemente eu me perguntava por que certas pessoas surgem em nossas vidas, se a sina é que desapareçam depois, deixando um travo de solidão - um nome que, quando sussurrado, aquece o coração, mas também dá uma pontada de nostalgia.

Pela diferença de idades, meu amigo deve estar "al di lá delle stelle, al di lá della vita" - onde só a saudade alcança. E; para revê-lo, vou ter que esperar...

Por: Marilena Soneghet, publicado originalmente em A Gazeta (11/09/09)


LINKS RELACIONADOS:

>> A Casa do Navio



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

Clubes Republicanos

Clubes Republicanos

Sob o governo de Pedro II o regime parlamentar brasileiro, se não primou por grandes arrancadas de progresso material, foi contudo uma verdadeira democracia

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Paisagens da Ilha do Mel - Por Maria Isabel Perini Muniz

A paisagem vista e interpretada através da arte nos mostra aspectos que se escondem do nosso olhar descuidado e muitas vezes indiferente

Ver Artigo
Guarapari de ontem

"Quem passasse pela ruazinha tranqüila, aquela ruazinha varrida pelo vento sul e cujo solo barrento todo se cobria de regatinhos formados pelas chuvaradas de verão, invariavelmente descobriria a velha rendeira curvada sobre a almofada, trocando os bilros, atenta ao trabalho e de toda alheia ao bulício e à agitação exteriores ..."

Ver Artigo
General das Artes

Conheci, na casa de Homero Massena, anos 60, um amigo dele muito especial. Pessoa sensível, de fino trato, grande admirador da boa pintura e da Arte do mestre. Algumas vezes servi de mensageiro entre os dois, levando ao escritório do amigo, textos do Massena (muitas vezes assinados com pseudônimos: J. Prates, J. Carlos...) para que ele (diretor do jornal) providenciasse a publicação.

Ver Artigo
Festejos de Natal: Reis

O Reis foi introduzido em Vila Velha pelo Padre Antunes de Sequeira. Filho de Vitória, onde nascera a 3 de fevereiro de 1832

Ver Artigo
Ceia Natalina

A ceia natalina do Brasil e de outros países guardam muitas tradições em comum. Elas tem origem em velhos hábitos da Roma antiga

Ver Artigo