Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O casamento do Adelpho Monjardim - Por Sérgio Figueira Sarkis

Foto de Ilustração: Equipe de remadores do Clube de Regatas Saldanha da Gama em abril de 1929. Identificados: Emilio Bumachar e Adelpho Poli Monjardim (3º e 4º da E/D). Foto de Jair Dessaune. Acervo de Adelpho Poli Monjardim.

Membro de uma das mais tradicionais famílias capixabas, Adelpho Monjardim foi, entre muitas coisas, escritor, geógrafo, historiador e, principalmente, por duas ocasiões, prefeito de Vitória. Era filho do Barão de Monjardim.

Foi criado, inicialmente, na sede da fazenda da família, localizada em Jucutuquara, hoje transformada no Museu Solar Monjardim, sob o controle da Universidade Federal do Espirito Santo. Durante sua juventude, desenvolveu hábitos sadios, praticando esportes no Clube Saldanha da Gama, principalmente o halterofilismo, que lhe proporcionou, sempre, físico bem definido, mantido até o envelhecimento.

Membro da Academia Espírito-Santense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, Adelpho foi autor de inúmeros livros. Alguns, a respeito da geografia da Ilha de Vitória. Outros, sobre lendas que povoavam o burburinho do povo capixaba.

Exerceu o comando da Capital, a primeira vez, por nomeação. Na segunda, por mandato outorgado pelo povo, sendo o primeiro prefeito eleito da cidade, para o período de 1° de fevereiro de 1959 a 31 de janeiro de 1963.

Sempre de terno e gravata, Adelpho, não tendo automóvel, caminhava a pé, de sua residência, na Rua Barão de Monjardim, até seu local de trabalho, como tesoureiro da Prefeitura, localizada na Rua 7 de Setembro, no Centro.

Usava chapéu de feltro, por hábito nunca colocado na cabeça, sempre segurando-o com a mão direita. Isto lhe proporcionou o apelido de Hino Nacional. Solteiro convicto, tinha uma namorada de nome Yolanda Paoliello. O namoro dos dois durou pelo menos uns 30 anos de absoluta seriedade e respeito mútuo.

Após todo esse tempo de convivência de inspiração amorosa, resolveu se casar na Catedral Metropolitana de Vitória. O evento mereceu a atenção de toda a sociedade local e também da imprensa escrita, falada e televisada. Esta se deslocou em peso até o templo católico, para testemunhar o que parecia, até então, impossível de acontecer.

Ao término da solenidade, os repórteres cercaram o casal e, dentre muitos questionamentos, foi perguntado a Adelpho por que havia demorado tanto tempo para se casar. Enfático, respondeu:

— A situação financeira não permitia.

Sem comentários.

 

Fonte do Livro: No tempo do Hidrolitrol – 2014
Autor: Sérgio Figueira Sarkis
Fonte da Foto: Fotos Antigas do Espírito Santo - Por José Luiz Pizzol
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2019

Literatura e Crônicas

Exemplo de Jardineiro - Por Mário Gurgel

Exemplo de Jardineiro - Por Mário Gurgel

Está ali, curvado sobre a grama verde e rala, o homem de sessenta e cinco anos que, de quinze em quinze dias, vem tratar o projeto de jardim

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Hoje em dia - Por Carlos Tourinho

Assim como poderíamos imaginar que o Centro da cidade, hoje em processo de esvaziamento e em campanha de revitalização, poderá voltar a ser um lugar bom de se morar

Ver Artigo
Os Acqua Loucos e a inauguração do Clube Cauê

Na Praia de Santa Helena, ao lado da atual Praça Cristóvão Jacques, que tanta controvérsia vem causando, sobre o Morro Itapebuçu, localizavam-se as instalações da Western Telegraph Company

Ver Artigo
Encerramento do livro: No tempo do Hidrolitrol

Trata-se do texto cujo título é "Encontro Desastroso", do livro "Coquetel de Saudades", de Dario Derenzi

Ver Artigo
Praia Tênis Clube - Por Sérgio Figueira Sarkis

Lembro de alguns com a presença de Affonso Queiroz do Valle, Evanildo Silva, Luiz Paulo Dessaune, Reynaldo Broto e Vânia Sarlo

Ver Artigo
As cinzas de Luiz Flores Alves - Por Sérgio Figueira Sarkis

Filósofo, professor, escritor, economista, inventor e caçador. Dentre todas estas indicações, era, antes de tudo, excelente proseador

Ver Artigo