Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Coronelismo

Marechal Deodoro da Fonseca

Além do nome oficial, o que mais mudou com o advento da República?

Para as chamadas populares, pouca coisa – ou nada. Era hora de esquecer o discurso agressivo dos panfletos e folhetins da campanha republicana que falavam em “defender os interesses do povo” ou em “ideais democráticos”. “O povo”, como resumiu o articulista Aristides Lobo do jornal O Paiz do Rio de Janeiro, “assistiu bestificado à Proclamação da República, não entendeu nada”. Obviamente não entendeu porque não participou.

No entanto, para a elite política e econômica capixaba, mudanças significativas aconteceram. Com a consolidação do novo regime político, a antiga província do Espírito Santo, agora chamada Estado, passou a ser governada pelos membros da própria elite local.

Pela primeira vez, em toda a sua história, o Espírito Santo seria governado por espírito-santenses, escolhidos por eleições diretas. De acordo com o princípio republicano, os estados federados têm certa independência administrativa em relação ao governo central.

Todavia é preciso que fique claro que a Constituição Federal de 1891 estabeleceu que somente os homens alfabetizados com mais de 21 anos teriam, direito de votar. O voto, por sua vez, não era secreto, dando margem para que as lideranças políticas locais – os chamados coronéis – manipulassem a escolha dos eleitores: era o “voto de cabresto”.

Cada vila ou cidade passou a ter seus coronéis. Cada coronel, que na maioria dos casos era um grande fazendeiro ou um comerciante influente, tinha o seu “curral eleitoral” sob controle. Em razão de compromissos assumidos ou em troca de favores pessoais concedidos pelo coronel, o eleitor só votava no candidato indicado por ele.

Teremos, portanto, literalmente, uma República dos Coronéis.

 

Fonte: Livro História do Espírito Santo - uma abordagem didática e atualizada 1535 - 2002
Autor: José P. Schayder
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2014

Matérias Especiais

Congo não é música

Congo não é música

Quem disser que o congo é a música capixaba, errou em cheio. É bom não pagar mico, pois congo não é música

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Cachoeiro de Itapemirim e a República

O amor à terra, como o indestrutível apego a suas tradições, é característico do cachoeirense

Ver Artigo
O regime das terras devolutas na República

O advento da República alterou, profundamente, o regime da propriedade, na parte concernente às terras devolutas

Ver Artigo
Proclamação da República

Embora as idéias republicanas já fossem agitadas no Brasil desde o período colonial sua propaganda ganhou força com a fundação do Partido Republicano, após a Convenção Republicana de Itu, 1870

Ver Artigo
QUARTEL DE MARUÍPE: 80 ANOS DE HISTÓRIA

O QCG foi inaugurado oficialmente por Bley, em 25 de agosto de 1938, no “Dia do Soldado”, com o descerramento do marco de inauguração

Ver Artigo
Canudos e a consolidação da República - Por Hélio Athayde

Os brasileiros ainda questionam a sua forma e o seu sistema de governo, vergados sob o imenso peso de um “complexo de culpa coletivo”, que parece continuar rondando os seus espíritos

Ver Artigo