Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Coronelismo

Marechal Deodoro da Fonseca

Além do nome oficial, o que mais mudou com o advento da República?

Para as chamadas populares, pouca coisa – ou nada. Era hora de esquecer o discurso agressivo dos panfletos e folhetins da campanha republicana que falavam em “defender os interesses do povo” ou em “ideais democráticos”. “O povo”, como resumiu o articulista Aristides Lobo do jornal O Paiz do Rio de Janeiro, “assistiu bestificado à Proclamação da República, não entendeu nada”. Obviamente não entendeu porque não participou.

No entanto, para a elite política e econômica capixaba, mudanças significativas aconteceram. Com a consolidação do novo regime político, a antiga província do Espírito Santo, agora chamada Estado, passou a ser governada pelos membros da própria elite local.

Pela primeira vez, em toda a sua história, o Espírito Santo seria governado por espírito-santenses, escolhidos por eleições diretas. De acordo com o princípio republicano, os estados federados têm certa independência administrativa em relação ao governo central.

Todavia é preciso que fique claro que a Constituição Federal de 1891 estabeleceu que somente os homens alfabetizados com mais de 21 anos teriam, direito de votar. O voto, por sua vez, não era secreto, dando margem para que as lideranças políticas locais – os chamados coronéis – manipulassem a escolha dos eleitores: era o “voto de cabresto”.

Cada vila ou cidade passou a ter seus coronéis. Cada coronel, que na maioria dos casos era um grande fazendeiro ou um comerciante influente, tinha o seu “curral eleitoral” sob controle. Em razão de compromissos assumidos ou em troca de favores pessoais concedidos pelo coronel, o eleitor só votava no candidato indicado por ele.

Teremos, portanto, literalmente, uma República dos Coronéis.

 

Fonte: Livro História do Espírito Santo - uma abordagem didática e atualizada 1535 - 2002
Autor: José P. Schayder
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2014

Matérias Especiais

Por que o nome Burro? - Por Ormando Moraes

Por que o nome Burro? - Por Ormando Moraes

Seja burro, mula ou besta, os muares sempre foram e ainda são de extrema utilidade ao homem, para o transporte da carga em larga escala, agrupados nas tropas, para puxar carroças nas áreas urbanas mais modestas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Paisagens da Ilha do Mel - Por Maria Isabel Perini Muniz

A paisagem vista e interpretada através da arte nos mostra aspectos que se escondem do nosso olhar descuidado e muitas vezes indiferente

Ver Artigo
Guarapari de ontem

"Quem passasse pela ruazinha tranqüila, aquela ruazinha varrida pelo vento sul e cujo solo barrento todo se cobria de regatinhos formados pelas chuvaradas de verão, invariavelmente descobriria a velha rendeira curvada sobre a almofada, trocando os bilros, atenta ao trabalho e de toda alheia ao bulício e à agitação exteriores ..."

Ver Artigo
General das Artes

Conheci, na casa de Homero Massena, anos 60, um amigo dele muito especial. Pessoa sensível, de fino trato, grande admirador da boa pintura e da Arte do mestre. Algumas vezes servi de mensageiro entre os dois, levando ao escritório do amigo, textos do Massena (muitas vezes assinados com pseudônimos: J. Prates, J. Carlos...) para que ele (diretor do jornal) providenciasse a publicação.

Ver Artigo
Festejos de Natal: Reis

O Reis foi introduzido em Vila Velha pelo Padre Antunes de Sequeira. Filho de Vitória, onde nascera a 3 de fevereiro de 1832

Ver Artigo
Ceia Natalina

A ceia natalina do Brasil e de outros países guardam muitas tradições em comum. Elas tem origem em velhos hábitos da Roma antiga

Ver Artigo