Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Coronelismo

Marechal Deodoro da Fonseca

Além do nome oficial, o que mais mudou com o advento da República?

Para as chamadas populares, pouca coisa – ou nada. Era hora de esquecer o discurso agressivo dos panfletos e folhetins da campanha republicana que falavam em “defender os interesses do povo” ou em “ideais democráticos”. “O povo”, como resumiu o articulista Aristides Lobo do jornal O Paiz do Rio de Janeiro, “assistiu bestificado à Proclamação da República, não entendeu nada”. Obviamente não entendeu porque não participou.

No entanto, para a elite política e econômica capixaba, mudanças significativas aconteceram. Com a consolidação do novo regime político, a antiga província do Espírito Santo, agora chamada Estado, passou a ser governada pelos membros da própria elite local.

Pela primeira vez, em toda a sua história, o Espírito Santo seria governado por espírito-santenses, escolhidos por eleições diretas. De acordo com o princípio republicano, os estados federados têm certa independência administrativa em relação ao governo central.

Todavia é preciso que fique claro que a Constituição Federal de 1891 estabeleceu que somente os homens alfabetizados com mais de 21 anos teriam, direito de votar. O voto, por sua vez, não era secreto, dando margem para que as lideranças políticas locais – os chamados coronéis – manipulassem a escolha dos eleitores: era o “voto de cabresto”.

Cada vila ou cidade passou a ter seus coronéis. Cada coronel, que na maioria dos casos era um grande fazendeiro ou um comerciante influente, tinha o seu “curral eleitoral” sob controle. Em razão de compromissos assumidos ou em troca de favores pessoais concedidos pelo coronel, o eleitor só votava no candidato indicado por ele.

Teremos, portanto, literalmente, uma República dos Coronéis.

 

Fonte: Livro História do Espírito Santo - uma abordagem didática e atualizada 1535 - 2002
Autor: José P. Schayder
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2014

Matérias Especiais

Lendas da Serra

Lendas da Serra

As Negas: A tradição é serem sujas as pessoas que gritam NEGA, que é a senha, informando que a pessoa quer participar e aceita a brincadeira, segundo informações da Srª Angela Maria de Jesus Ribeiro, moradora da Serra Sede desde 1980

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Abastecimento de água em Vitória – Por Areobaldo Lellis Horta

Além desse chafariz, existiam ainda os do Largo de Santa Luzia, em frente ao atual Ginásio São Vicente

Ver Artigo
A Limpeza Pública e a Domiciliar – Por Areobaldo Lellis Horta

Os quibungos (“tigres”), eram lançados ao mar, nos vários cais, às caladas da noite, quando adormecida a cidade

Ver Artigo
Britz - Por Milson Henriques

De qualquer modo vamos ao agradável labor de rememorar os que eu freqüentava, lembrando que havia também as boates Buteko, Cave, Aux Chandelles, Porão 214,...

Ver Artigo
Morro Inhoá

No pé do morro Inhoá, havia a edificação onde originalmente funcionou a primeira fábrica de sabão

Ver Artigo
A fonte de Inhoá

Desde a época do Primeiro Donatário, Vasco Fernandes Coutinho, já se bebia água da fonte de Inhoá

Ver Artigo