Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O despertar de um sonho – Por Adelpho Monjardim

Convento de São Francisco, início do século XX

Mesmo o mais pacato cidadão sonha com tesouros ocultos. Morava aqui morigerado e pacífico cidadão italiano, mui piedoso e temente a Deus. Modesto negociante, vivia para a família e demonstrava não alimentar ilusões quanto à fortuna. Se até então não enriquecera, não esperava alcançá-la nos poucos anos que lhe restavam.

O trêfego deus dos sonhos também se diverte pregando peças aos mortais. Ao fim de uma noite de verão, após lauta macarronada, pizzas e cappellettis, tudo fartamente regado com o generoso chiante, o bom homem rendeu-se a Morfeu.

Ao mergulhar no fantástico e estranho mundo dos sonhos, entre roncos de modulações várias, sonhou que um frade, de burel e longas barbas pretas, lhe aparecia. Do rosto, quase oculto, só os olhos eram visíveis. Com voz pausada e mansa falou-lhe de um tesouro enterrado no Convento de São Francisco. Com tantas minúcias descreveu o local que errar seria impossível. Cumpria, entretanto, observar que para o sucesso deveria ir só e à meia-noite.

Construção antiqüíssima, como tal o Convento estava arrolado entre os guardiões de tesouros.

O crédulo e pacato “paisano” acordou irrequieto, doido que se fizesse noite. Mal sorveu o café matinal, contra os hábitos saiu às pressas. Correu a uma loja de ferragens e comprou enxada, pá e picareta; material que ocultou ao chegar em casa. O segredo é a alma do negócio, filosofou.

Como o dia custou a passar! Parecia ter quarenta e oito horas. Finalmente, silenciosa, desceu a noite. Para maior requinte esplendida e enluarada. Morando vizinho ao Convento, fácil lhe foi sair, nas caladas da noite, sem despertar suspeitas.

Já nos terrenos da aventura buscou o sítio vislumbrado em sonho. Lá estava ele, quase no limite extremo do sagrado monumento de quatro séculos. Pouco afastado da caracachenta parede uma pedra o assinalava, possivelmente um marco. Ajeitou as ferramentas, cuspiu nas mãos e começou a cavar. A cada enxadada o barro voava em todas as direções. Meia hora depois já se aprofundara na terra até à cintura. Tornando-se mais duro o solo usou a picareta.

Rompia a madrugada quando a picareta acertou num terreno onde se afundou totalmente. O coração do velho quase deixou de pulsar. Finalmente o tesouro! Pouco durou a ilusão. O instrumento atingira a panela de monstruoso formigueiro das conhecidas saúvas. Em segundos a escavação transbordou dos terríveis insetos, que ligeiros e enraivecidos tomaram conta do infeliz, fustigando-o com as terríveis mandíbulas. Frenético, aos saltos, safou-se a custo do tenebroso fosso. Os instrumentos lá ficaram, testemunhando mais um tesouro fracassado.

Com o rosto inchado, pés e mãos feridos, o herói da empresa noturna passou dias de cama, em vinhas d'alho, além do vexame perante a família, alheia aos seus áureos projetos.

Hoje os tesouros estão enterrados em caixas-fortes, nos bancos, onde só não podem ser procurados à meia-noite.

Dias depois da dolorosa aventura, ainda pálido e ressentido, o protagonista contava, a um grupo de amigos, a expedição noturna e o seu melancólico desfecho.

Com a verbosidade e a gesticulação peculiares à raça, o caçador de tesouros narrou a odisséia, tal qual o Gama, contando ao Rei de Melinde as epopéias da ilustre gente lusitana. Ouvidos atentos, os do grupo não ousavam respirar. Não queriam perder uma só palavra do comovente relato. Imaginaram o amigo chegando à colina e à luz da lua cavando a mina. Minudente conta os detalhes, os sucessos e a progressão, no estranho fojo, até ao “clou” da história. Preparando o suspense, pausa e diz: — Quando eu estava quase a dois metros de profundidade, a picareta sumiu na terra mole... Fez nova pausa e fixou o grupo com uma interrogação no olhar, os ouvintes já não se continham nas calças. Curiosos, suspensos, aguardavam a surpreendente revelação. O narrador repetiu a frase — quando a picareta afundou na terra mole, imaginem o que “engondré!” O tesouro! Uníssonos exclamaram os ouvintes:

— “Fremiga! Fremiga gomo um gorno!”

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2016

Folclore e Lendas Capixabas

O nosso folclore

O nosso folclore

Fazem parte do nosso folclore uma série de rezas e benzimentos curiosos.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo