Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Fantasma do Solar dos Monjardim - Por Adelpho Monjardim

Barão de Monjardim

A Casa Grande, como familiarmente designávamos o vetusto casarão da Fazenda de Jucutuquara, nos viera dos Capitães-Mores do Espírito Santo, remotos ancestrais. Como todo casarão antigo desfrutava a fama de mal-assombrado e as lendas corriam mundo. Era prazer ouvir dos velhos criados as histórias de fantasmas, lobisomens e mulas-sem-cabeça, que surgiam às horas mortas das sextas-feiras. Ouvíamos apavorados, mas não arredávamos pé. Na hora de dormir a boa mamãe que nos suportasse.

Só quem conhece a velha mansão pode avaliar o quanto se presta para cenário dessa natureza.

A nordeste da Ilha de Vitória, Jucutuquara é uma planície, em anfiteatro, espremida entre montanhas que lhe emprestam a um tempo aspecto imponente e sombrio. Em uma dessas montanhas, mais ao norte, assenta-se a Casa Grande. Caminhando para o interior um monte de aparência severa parece barrar o passo ao viandante — é o Pico de Jucutuquara, cabeço granítico que emerge da terra e lembra um tubarão tentando abocanhar as nuvens. É igualmente impressionante por duas cavidades circulares e profundas, rasgadas na sua face principal, como duas órbitas sem luz, procurando devassar o vazio do espaço.

Em meio ao grandioso e íntimo cenário ergue-se a Casa Grande. Fora testigo e marco do domínio lusitano. Vira sob aquele teto o desfilar de várias gerações e as suas paredes foram confidentes de íntimos segredos. A imensa varanda, que tantas vezes sentira e vibrara aos passos do grande Saint-Hilaire e do austero Feijó, parece sonhar, indiferente e de crepita, alheia a tudo. Hoje a Casa Grande é morta. Mergulhada na atonia de um quase abandono, ela que viveu dias felizes de solar de fazenda, cheios de ruídos e alegria, cercada de escravos e de engenhos, morre lentamente, sem ter quem lhe assista a dolorosa agonia. Destino de todas as antigas herdades. Aos seus incontáveis janeiros acrescentaram o predicado de mal-assombrada.

Contavam os serviçais, alguns nascidos no solar, que às noites, quando recolhidos os de casa, um vulto de branco, arrastando os chinelos, percorria os corredores como alma penada.

Certa noite, contava a sexagenária Claudina, ao passar o vulto branco, frente à porta do seu quarto, quando ele já estava um pouco adiante, perguntou: — O Sr. Barão deseja alguma coisa? Antes não o fizesse. Ao virar-se a estranha criatura um rosto desumanamente lívido fitou-a. Não eram olhos, mas duas órbitas vazias, profundas e escuras como a noite. A boca, rasgando-se num rictus perverso, ia dizer algo quando, aterrorizada, ela trancou a porta e se pôs a rezar.

Daquela noite em diante ela passou a recolher-se mais cedo, mas as mesmas horas o arrastar de chinelos se fazia ouvir. Agora o estranho arranhava a porta com unhas que pareciam garras. O fervor das orações afastava o monstro. Não definitivamente, porque o fato se repetia todas as noites. Parecia uma maldição.

Uma semana se passou sem a aterradora assombração, com o que se alegrou a velha Claudina, feliz e desafrontada. Entretanto fora apenas uma trégua. O diabólico ser engendrara novo tormento. Às sextas-feiras, à misteriosa hora da meia-noite, o sino da capela, montado no portal da entrada, dobrava finados! O repicar lúgubre e plangente sacudia o silêncio da noite, levando à redondeza os lamentos de além-túmulo.

Através da soturna voz do bronze a assombração estendeu-se à vizinhança. Ante a ansiedade e ao pânico que se apoderou de todos, almas piedosas sugeriram a presença de um padre a fim de conjurar a funesta manifestação das trevas.

Na sexta-feira, na hora exata, o padre se reuniu aos de casa e mais vizinhos para o exorcismo. Mal soaram as primeiras badaladas o padre deu início à cerimônia. Estridentes e pavorosos gritos se ouviram, partindo do telhado, por cima do portal suporte do sino. O badalar cessou de súbito e ao baque de algo pesado contra as lajes sucedeu o argênteo ruído de bronze estilhaçado. O horrendo clamor se foi diluindo no espaço até tornar-se inaudível.

Encorajado o grupo correu para a porta principal. Ao escancará-la, à luz do lampião, viram espalhados na calçada os destroços do sino.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

O Jacaré Encantado - Por Adelpho Monjardim

O Jacaré Encantado - Por Adelpho Monjardim

Na Avenida Nossa Senhora da Penha, até princípios dos anos 60, existia uma maravilhosa obra-prima da natureza: um jacaré de granito

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Itaúnas - Por Adelpho Monjardim

Situada na embocadura de importante rio, na orla marítima, possuidora de magnífico e extenso litoral, cedo desenvolveu-se, tornando-se próspera povoação, com intenso comércio com a Bahia

Ver Artigo
O Tesouro da Ilha do Francês – Por Adelpho Monjardim

Junto ao mar, na encosta rochosa, abre-se uma gruta. A entrada é pouco alta e estreita, porém, ela se estende a profundezas desconhecidas

Ver Artigo
A Baixa Grande - Por Adelpho Monjardim

As baixas Grande, Pequena e Cavalo, formam um triângulo irregular, com o vértice virado para terra e não muito afastado da Ponta de Santa Luzia

Ver Artigo
A Pedra dos Ovos – Por Adelpho Monjardim

Consiste a interessante formação em compacto bloco de granito, sofrivelmente oval, superposto a outro menor, em perfeito equilibro

Ver Artigo
As botas do espanhol – Por Adelpho Monjardim

Raciocinando chega-se à conclusão que a escolha do espanhol tivera justo motivo. Pois da propriedade do mesmo não se avista a torre da igreja?

Ver Artigo
O Penedo - Por Adelpho Monjardim

Defrontando o antigo Forte de São João, sede atual do “Clube de Regatas Saldanha da Gama”, ergue-se o Penedo

Ver Artigo
A Ronda Noturna – Por Adelpho Monjardim

Quando vivia era hábito seu percorrer, à noite, os dormitórios para providenciar algo se preciso. Assim procedeu até aos últimos dias

Ver Artigo
As Ilhas Flutuantes - Por Adelpho Monjardim

No município de Viana, a poucos quilômetros da capital, situa-se a lagoa de Jabaeté

Ver Artigo
A Pata - Por Adelpho Monjardim

Entretanto o Destino costuma ser caprichoso. Por uma noite de lua cheia, um forasteiro, vindo não se sabe de onde, passava pelas imediações do Forte

Ver Artigo
O Lobisomem - Por Adelpho Monjardim

Então como pode ser lobisomem o filho do Coronel Pitombo? Não é filho único?

Ver Artigo
O Tesouro dos Jesuítas – Por Adelpho Monjardim

Rezam as crônicas que fugiram por uma passagem subterrânea, que ia sair no antigo Porto dos Padres

Ver Artigo
O Tesouro da Pedra dos Olhos – Por Adelpho Monjardim

As cavidades motivaram o nome popular de Pedra dos Olhos, embora o geográfico seja Frei Leopardi

Ver Artigo
A Pedra do Diabo - Por Adelpho Monjardim

Nesse bucólico recanto, caprichosa a fantasia criou sombria história capaz de apavorar aos mais valentes. A ela prende-se o nome da região

Ver Artigo
A bola de fogo e o couro que se arrastava - Por Adelpho Monjardim

Uma enorme bola de fogo, partindo Pedra da Vigia, ia sumir-se na crista do Penedo

Ver Artigo
Lendas - Por Adelpho Monjardim (Introdução do livro)

Sobre as lendas e crendices do Espírito Santo, pouco se tem escrito, embora, vastíssimo, o campo se encontre aberto à curiosidade dos pesquisadores do fenômeno

Ver Artigo
Um grito na noite – Por Adelpho Monjardim

Corria como certo que, todos os dias, a alma de um frade sentava-se numa grande laje assinalada por uma cruz, talhada não se sabe por quem

Ver Artigo