Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O início da imprensa no ES

Jornal O Correio da Victoria - Fotocópia: Arquivo Público do ES

Com o Alferes Aires Vieira de Albuquerque Tovar nasce a imprensa espíritosantense, embora “O ESTAFETA”, editado em 1840, tenha tido um só número. Foi a semente donde surgiria, nove anos depois, o “CORREIO DE VITÓRIA”, cuja circulação marca de fato, o aparecimento do jornalismo capixaba. Foi seu proprietário o redator Pedro Antônio de Azevedo, que adquirira as máquinas à viúva de Aires Tovar, falecido em 1841. A Imprensa capixaba lutará sempre pela própria sobrevivência e pela causa pública.

 

Fonte: Biografia de uma Ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilaçâo: Walter de Aguiar Filho, outubro/2012

História do ES

Ano de 1554 e 1555 – Por Basílio Daemon

Ano de 1554 e 1555 – Por Basílio Daemon

Partiu para Portugal o donatário Vasco Fernandes Coutinho, deixando em seu lugar, para administrar a capitania, D. Jorge de Menezes 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo