Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Marrocos

Rua Duque de Caxias e o Bar Marrocos mais a frente

O MARROCOS

 

Os bares nascem, vivem, parecem eternos a um

determinado momento, e morrem.

Paulo Mendes Campos

 

 

 

Acabo de saber - mas que castigo!

que acaba de fechar meu velho bar.

Fechou tranqüilamente sem pesar.

num último e sentido adeus amigo.

Daquela velha rua só restava

o Marrocos, já por demais cansado,

vivendo tão-somente do passado,

fingindo que ele apenas não mudava.

Velhos pileques pelas madrugadas,

conversas, mesas fartas de bebidas,

dores de cotovelo mal curtidas,

agora são lembranças alojadas

     amarga e tristemente na memória

     da cidade moderna que é Vitória.

 

 

Fonte: Escritores de Vitória, 1995
Autor: Miguel Depes Tallon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro de 2014

Literatura e Crônicas

Propaganda ou Reclame? - Por Kleber Galvêas

Propaganda ou Reclame? - Por Kleber Galvêas

Carangola, cidade mineira da região do Caparaó, teve seu apogeu comercial na década de 40

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os points da Praia da Costa

Sua origem em nossas praias se deu com veemência na Praia de Copacabana. Os postos viraram “points”. Logo, essa tendência se espalhou pelas praias brasileiras

Ver Artigo
D. Josefa - Por Beatriz Abaurre

D. Josefa imperava em toda a sua imponência no casarão misterioso que permanecia quieto e silencioso sem chamar a atenção e não ser da garotada curiosa e das fofoqueiras que, através das persianas das casas fronteiriças, vigiavam sorrateiras o entra-e-sai de “pessoas ilustres” e cheias de dignidade

Ver Artigo
Sobre Paulo Torre, uma semana depois de sua morte

Nosso último encontro foi na quarta-feira, dia 11 de outubro de 1995, seis dias antes de sua morte, um dia depois da de Amylton de Almeida, que o abalou muito

Ver Artigo
Identidade Capixaba, o efeito mosaico – Por Gilbert Chaudanne

Essa identidade consiste em juntar as pastilhas do mosaico capixaba e fundi-las num espelho que vai refletir um rosto único e imensamente rico e diverso

Ver Artigo
Nós os capixabas – Por Francisco Aurélio Ribeiro

Se temos um linguajar próprio? Ditongamos muito, daí os "bandeija, carangueijo" do nosso dialeto; já ouvi até menino gritar "A Gazeita!!"

Ver Artigo