Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O milagre da seca

Viagem de Nossa Senhora da Penha a Vitória, em 1769 - Fonte: Livro - O Relicário de um povo, de Maria Stella de Novaes - 1958

Maria Santíssima é a auxiliadora dos cristãos em todas as necessidades. Os numerosos ex-votos, as ofertas em ouro, prata, pérolas e pedras preciosas e, enfim, outras doações feitas ao Santuário e ao seu Convento atestam exuberantemente quantos se confessam agradecidos.

Não admira tenha ela sido invocada também nas calamidades públicas e é justamente um caso dessa natureza que vamos contar, conforme se guarda na memória dos espírito-santenses.

Uma grande seca assolava toda a Capitania no ano de 1769. Nem nos rios havia mais água. Morria o gado de sede e outra conseqüência foi uma extraordinária carestia de víveres. Fizeram-se preces públicas, mas as nuvens não derramaram o desejado líquido.

Fato curioso. Enquanto as matas em redor da vila perdiam o frescor, só pouca diferença se notava na vegetação do morro da Penha. Avisados por este fenômeno, lembraram-se os moradores de recorrer à intercessão de Nossa Senhora. Resolveram organizar uma procissão, trazendo a imagem da Penha à Igreja de São Francisco de Vitória. A este fim tomaram uma lancha, pintaram-na de novo e enfeitaram-na com colchas de seda, ricamente bordadas, e com flores em profusão. As autoridades militares e civis, as Ordens religiosas, as Irmandades, toda a população, enfim, foram ao cais e quando viam afastar-se da montanha a lancha de Nossa Senhora, acompanhada por muitas outras de Vila Velha, prorromperam em manifestações de júbilo à excelsa Mãe de Deus e de fervorosas súplicas, pedindo que fizesse cessar o terrível flagelo por sua poderosa intercessão. Ouviam-se as salvas da fortaleza e os sinos a bimbalhar festivamente.

Ao chegar a Imagem ao cais de Vitória, foi recebida com todas as demonstrações de piedade e devoção e colocada debaixo de um rico pálio adrede preparado. As ruas por onde passava a procissão estavam juncadas de folhagens aromáticas, pelas janelas pendiam colchas de fino lavor e a multidão ia rezando, rezando, pedindo chuva. Mas os raios do sol pareciam ainda mais abrasadores e o céu sem misericórdia.

Não tardou, porém, o milagre; Maria mostrou-se também desta vez a poderosa intercessora. Apenas a procissão entrou na igreja de São Francisco, o céu anuviou-se e mais e mais escurecia. Desfizeram-se as nuvens em água e caiu chuva em abundância. Os rios encheram-se, brotaram de novo as fontes e a natureza ia cobrir-se de gala, rejuvenescida.

 

Chega a Senhora a terra, e recebida

Em rico pálio de ouro traspassado,

Da turba acompanhada é conduzida

A santa casa de Francisco amado.

 

Inda não bem no templo é recolhida,

Já todo o céu de nuvens carregado,

Encobrindo do sol a formosura,

Transforma o claro dia em noite escura.

 

Apenas entra a Virgem, quando os ares

As nuvens vomitando sobre a terra,

Parece com dilúvio, que nos mares

Quer a água vingar do fogo a guerra.

Não deixaram os habitantes das duas vilas e dos arredores de dar solenes graças a Nossa Senhora com devota novena, e acabada esta foi a Imagem reconduzida ao seu trono no Santuário.

 

Fonte: O Convento de N. Senhora da Penha do Espírito Santo, ano 1965
Autor 1: Frei Basílio Rower
Autor 2: Frei Alfredo W. Setaro
Compilação: Walter der Aguiar Filho, abril/2015

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As Terras do Convento – Por Nobertino Bahiense

O documento de doação feita pela Governadora da Capitania do Espírito Santo, Da. Luísa Grinalda, desde a longínqua data de 6 de dezembro de 1591

Ver Artigo
A Arquitetura do Convento da Penha, pela voz de um técnico americano

O Alpendre, que, avançando, projeta ao espaço, por assim dizer, a sobriedade das linhas retas e formas sólidas das paredes da fachada

Ver Artigo
O Roubo de 1925 ao Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

O Convento foi assaltado e roubado por mãos criminosas que levaram o manto, a coroa e as jóias da imagem de Nossa Senhora da Penha

Ver Artigo
Pedro Palácios – Por Solimar de Oliveira

Ave, condor da fé, que aos píncaros supremos elevastes, a arder na religiosa unção

Ver Artigo
O Saque Holandês – Por Norbertino Bahiense

Conta ainda Frei Basílio, citando Jaboatão, que "um dos holandeses tentou tirar o anel precioso do dedo de Nossa Senhora

Ver Artigo