Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O milagre do sino

Convento da Penha, 2012

Velho e trêmulo e cansado,

Frei Pedro Palácios,

O humilde franciscano

Que, ao serviço de Deus, viveu sempre a lidar

Naquele dia, fatigado,

Saiu a passear...

Doente embora,

Quis, uma vez ainda,

Na magia daquela hora,

Naquela tarde linda,

Ver a paisagem conhecida.

Pela última vez olhou...

E era aquele um olhar de despedida,

Olhar o último adeus.

Olhou o mar... Olhou a terra... Olhou os céus...

Olhou a floresta, sempre viridente...

Olhou a Vila-Velha, tão querida,

Lá na planície, em baixo, se espalhando...

E adivinhou que, no futuro,

Vitória que, atrás da linha

Azul e cinza escuro

Do horizonte se escondia,

Vitória cresceria,

Sob a proteção da Virgem

E das bênçãos de Deus...

Terra do Amor,

Terra da Poesia,

Vitória grande seria!...

Frei Pedro Palácios,

Que foi bondade e foi Amor,

Pôs-se naquele instante a cismar...

Lembrou o passado labor,

Em que, feliz, a predicar,

As canseiras de doze anos,

Esquecendo o revés e os desenganos,

Trouxe à proteção da Igreja

A alma do gentio...

E lembrou os Milagres da Virgem:

A água que manou da ressequida pedra,

A água – fonte da graça e da vida

Da pobre, humilde Ermida...

E lembrou as Palmeirinhas,

Tão sozinhas,

Lá no cimo do rochedo,

Os flabelos ao vento, a farfalhar...

E a Imagem da Virgem Santa

Que teimava em lá ficar...

Depois de olhar aquela tarde linda,

Sentindo-se mais fraco ainda,

Dirigiu-se Frei Pedro à Capelinha

Que inda hoje em ruína lá está,

Capela,

Outrora tão bela,

Construída em louvor de São Francisco.

Tinha as mãos trêmulas...

Estavam trêmulas, cansadas,

Aquelas santas mãos

Que, no santo labor, ajudaram a carrear

As pedras para erguer a Ermida das Palmeiras...

Estavam quase frias

As mãos

Divinas

Que, em gestos que iluminam,

A todos mostravam o Caminho da Fé,

Piedosas mãos que se ergueram em oração

Ou que se alçaram aos Céus,

Pedindo proteção, agradecendo a Deus...

Caindo ante o altar, ajoelhado,

Sentiu chegar o último alento...

Reclinou-se sobre a ara, beijando-a...

Chamou pela Santa, sua Protetora;

Pôs a mãos

Direita sobre o Coração...

Com lábios trementes,

Balbuciou uma prece, e sozinho morreu.

Blem! Blem! Blem!

Naquele mesmo momento,

O sino da Ermida

Começou a badalar!...

Blem! Blem! Blem!

Não! Não eram lufadas do vento

Que assim faziam o sino badalar...

Invisíveis mãos certo o tangiam...

Blem! Blem! Blem!

Mais um milagre da Virgem

A anunciar a morte do Santo.

Blem! Blem! Blem!

Era um toque tão dolorido,

Tão pungente,

Como se o bronze tivesse alma como a gente.

De perto, então, todos acorreram, o susto

No olhar, trânsidos pelo medo...

Todos olhavam a pobre Ermida,

Indagando o segredo.

Blem! Blem! Blem!

Continuava o sino a badalar...

Frei Pedro estava morto ante o altar.

Blem! Blem! Blem!

Naquele instante, lá embaixo,

Bramia

O mar, de encapeladas ondas.

Bramia

O mar, cuja fúria, um dia,

Ele aplacara com seu manto.

Bramia

E batia contra as pedras,

Revolvendo-se na areia...

Rugia o mar com as paixões humanas;

Rugia como a Vida enganadora...

Mas, para Ele, o Santo,

Era chegada a Paz,

Era chegada a Recompensa:

Como visão de Glória,

Entre siderações, brilhava o Céu!

 

Fonte: Torta Capixaba (Ensaios, crônicas, poesias...), 1962
Autor: Geraldo Costa Alves
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2012 

Convento da Penha

Um Santo e um Santuário – Por Serafim Derenzi

Um Santo e um Santuário – Por Serafim Derenzi

A capelinha de São Francisco tornou-se pequena demais para obrigar os devotos da santa milagrosa de Frei Palácios.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os Ataques dos Franceses, Ingleses e Holandeses

O corsário, como todos os outros que ousaram transpor a barra sobre a qual se estende a sombra do Convento da Penha, não foi feliz

Ver Artigo
Pedro Palácios – Por Norbertino Bahiense

Em 1864, Frei Teotônio de Santa Humiliana, o último guardião do Convento, mandou colocar na gruta a seguinte lápide

Ver Artigo
Da Carta de Anchieta de 1584 – Por Norbertino Bahiense

As CARTAS JESUÍTICAS constituem fontes preciosas da história do Brasil nascente. Entre elas, vamos buscar uma de Anchieta, do ano de 1584

Ver Artigo
Escritura do Convento da Penha - Por Norbertino Bahiense

Carta de doação da Governadora Luisa Grinalda e seu adjunto o Capitão Miguel de Azeredo, desta Capitania do Espírito Santo, em 1591

Ver Artigo
Pedro Palácios, o São Francisco de Assis do Brasil

Fundador do santuário de Nossa Senhora da Penha, seu nome recorda as doces figuras dos ermitões de outrora

Ver Artigo