Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Palácio do Barão de Itapemirim

Ruínas do Palácio - Foto: Site Caminhadas e Trilhas

Até há pouco tempo a localização das ruínas do imenso casarão do barão de Itapemirim era mistério, mas recentemente historiadores localizaram o amontoado de pedras que sobrou da magnífica estrutura.

Esquecidas em meio a canaviais, na área da usina Paineiras, em Itapemirim, as ruínas em nada lembram a arquitetura luxuosa que no passado chegou a ser comparada a palacetes medievais.

O arquiteto e historiador Genildo Hautequest Filho esteve no local no final de 2007 e disse que, apesar de não ter restado nada do luxo da época, ele conseguiu ter uma noção do domínio que o barão exercia na região.

Das ruínas é possível avistar toda a Vila de Itapemirim. Para Genildo, das janelas de seu palacete, construído estrategicamente na colina da fazenda Santo Antônio de Muqui, o barão conseguia acompanhar o movimento no porto e vigiava quem entrava e saía do prédio da Câmara Municipal, que centralizava o poder municipal naquela época.

o luxo começava pela escadaria em mármore e dois leões em tamanho real. No interior, biblioteca, sala de armas, dezenas de quartos, salões adornados de quadros e grandes retratos de antepassados. A edificação, assim como nos castelos feudais, escondia galerias subterrâneas. Ao lado do casarão, o barão construiu uma capela cujo interior era totalmente coberto em ouro. O barão de Tschudi, que se hospedou nesta residência em 1860, escreveu: "Raras vezes vi no Brasil casas de fazenda em estilo tão soberbo e de tão bom gosto".

Alguns historiadores acreditam que o Barão de Itapemirim morreu de desgosto porque o Imperador Dom Pedro II, em viagem realizada a Itapemirim, não lhe deu a honra de ser recebido em seu palacete, apesar de todos os preparativos que havia feito.

O barão mandou seus 120 escravos largarem os canaviais para preparar a fazenda, capinaram a alameda de bambus, cobriram o caminho com folhas aromáticas e enfeitaram com flores. As escadarias e os leões foram lustrados. O barão comprou finas iguarias e bebidas importadas da Europa.

Enquanto os trabalhadores preparavam a fazenda, de binóculo em punho o barão observava a estrada. Mas Dom Pedro não veio. Preferiu se hospedar numa outra residência para minimizar conflitos entre o grupo do barão e dos moços da Areia.

 

 

Fonte: Jornal A Tribuna de 06/04/2008
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2012




GALERIA:

📷
📷


História do ES

Estação Ferroviária de Muqui

Estação Ferroviária de Muqui

O que mais tarde foi chamada "linha do litoral" foi construída por diversas companhias, em épocas diferentes, empresas que acabaram sendo incorporadas pela Leopoldina até a primeira década do século XX.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1550 – Por Basílio Daemon

A Alfândega, pelas investigações que fizemos, e como adiante se verá, no século XVII parece-nos ter sido estabelecida no local em que existe a casa de propriedade do Sr. Firmino de Almeida Silva 

Ver Artigo
Ano de 1539, 1540, 1547 e 1549 – Por Basílio Daemon

A escritura de doação foi firmada ainda em 1540, no entanto apenas em 1549 o monarca assinaria a carta de confirmação dela a pedido de Duarte de Lemos   

Ver Artigo
Doação da Ilha de Vitória a Duarte de Lemos

Mais uma vez a história do Espírito Santo traz “novos” fatos que favorecem o fim da cobrança da taxa de marinha na Ilha de Vitória

Ver Artigo
A antiga localização de Santa Catarina das Mós

No mapa do Império Brasileiro, de 1868 e elaborado por Cândido Mendes, a localidade de Santa Catarina das Mós situava-se ao sul da foz do rio Itabapoana

Ver Artigo
Ano de 1536 e 1537 – Por Basílio Daemon

Faz Vasco Fernandes Coutinho doação da ilha de Santo Antônio a Duarte de Lemos, que em sua vinda o acompanhara da Bahia 

Ver Artigo