Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Palácio do Barão de Itapemirim

Ruínas do Palácio - Foto: Site Caminhadas e Trilhas

Até há pouco tempo a localização das ruínas do imenso casarão do barão de Itapemirim era mistério, mas recentemente historiadores localizaram o amontoado de pedras que sobrou da magnífica estrutura.

Esquecidas em meio a canaviais, na área da usina Paineiras, em Itapemirim, as ruínas em nada lembram a arquitetura luxuosa que no passado chegou a ser comparada a palacetes medievais.

O arquiteto e historiador Genildo Hautequest Filho esteve no local no final de 2007 e disse que, apesar de não ter restado nada do luxo da época, ele conseguiu ter uma noção do domínio que o barão exercia na região.

Das ruínas é possível avistar toda a Vila de Itapemirim. Para Genildo, das janelas de seu palacete, construído estrategicamente na colina da fazenda Santo Antônio de Muqui, o barão conseguia acompanhar o movimento no porto e vigiava quem entrava e saía do prédio da Câmara Municipal, que centralizava o poder municipal naquela época.

o luxo começava pela escadaria em mármore e dois leões em tamanho real. No interior, biblioteca, sala de armas, dezenas de quartos, salões adornados de quadros e grandes retratos de antepassados. A edificação, assim como nos castelos feudais, escondia galerias subterrâneas. Ao lado do casarão, o barão construiu uma capela cujo interior era totalmente coberto em ouro. O barão de Tschudi, que se hospedou nesta residência em 1860, escreveu: "Raras vezes vi no Brasil casas de fazenda em estilo tão soberbo e de tão bom gosto".

Alguns historiadores acreditam que o Barão de Itapemirim morreu de desgosto porque o Imperador Dom Pedro II, em viagem realizada a Itapemirim, não lhe deu a honra de ser recebido em seu palacete, apesar de todos os preparativos que havia feito.

O barão mandou seus 120 escravos largarem os canaviais para preparar a fazenda, capinaram a alameda de bambus, cobriram o caminho com folhas aromáticas e enfeitaram com flores. As escadarias e os leões foram lustrados. O barão comprou finas iguarias e bebidas importadas da Europa.

Enquanto os trabalhadores preparavam a fazenda, de binóculo em punho o barão observava a estrada. Mas Dom Pedro não veio. Preferiu se hospedar numa outra residência para minimizar conflitos entre o grupo do barão e dos moços da Areia.

 

 

Fonte: Jornal A Tribuna de 06/04/2008
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2012




GALERIA:

📷
📷


História do ES

Morrinho da Penha

Morrinho da Penha

O Morrinho é uma extensão baixa do morro do convento, ou seja, a parte que se estende paralela à Rua Luiza Grinalda fazendo divisa com os quintais das ruas Luiza Grinalda e parte da Rua Dom Jorge Menezes

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O território do ES entre 1700 e 1800

Entre 1700 e 1800 o Espírito Santo perdeu a porção de território compreendida entre os rios Mucuri e Doce

Ver Artigo
Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Reunimos, pois, sob a forma de uma sinopse, aquilo que pode demonstrar à evidência a província do Espírito Santo, baseando assim em documentos e em trabalhos de própria lavra e que aqui descrevemos

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576

Ver Artigo
Dia do Capixabismo – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O dia de hoje deveria ser feriado estadual e não apenas municipal. O capixaba tem baixa auto-estima e pouco sabe de sua história e de sua cultura

Ver Artigo