Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Pássaro de Fogo – Por Maria Stella de Novaes

Paisagem do Espírito Santo - Ao longe o Mestre Álvaro

Conta-se que, em tempos que se foram, nos limites da Mitologia com a História, uma princesa indígena, belíssima, filha de valoroso soberano, e um jovem de tribo guerreira contrária, apaixonaram-se irredutivelmente.

Aumentou, por isso, a rivalidade, entre os silvícolas e, de modo notório, atiçou feroz oposição dos caciques. Jamais o primeiro daria consentimento ao enlace de sua querida filha, com um inimigo do seu povo, embora fossem valiosos os presentes do noivo e, conforme os oráculos, sinceras suas afirmações de amor. Estabeleceu-se, em conseqüência, intransponível divisa, entre as terras ocupadas pelas duas tribos, terras dos atuais municípios de Cariacica e da Serra.

Acontece, porém, que não há trincheiras, para o amor. Conseguiram os apaixonados o concurso de uma ave misteriosa que, em horas determinadas, os conduzia a dois cômoros fronteiros, dos quais se podiam avistar. Então, a índia cantava e a delícia da sua voz chegava ao eleito do seu coração. O íncola retribuía aquela saudação afetuosa, com a improvisação de um estribilho.

Continuaram, assim, naquele idílio incomparável, até que chegou ao conhecimento do cacique a fuga romântica de sua filha. Foi o bastante, para que reunisse os oráculos e conseguisse, de um feiticeiro, a intervenção de uma fada, que transformou os apaixonados, em pedra, nos referidos cômoros. Estes se elevaram e constituíram dois montes lendários e belos, importantes, no litoral capixaba: — o Muxoara, a princesa, em Cariacica, e o Mestre Álvaro, o príncipe, na Serra.

Compadecida, porém, de um destino tão cruel, a fada concedeu aos enamorados uma trégua, na rigidez de suas posições. Anualmente, na passagem de São João, recuperam, de modo invisível, a forma humana primitiva; juram fidelidade e presenteiam-se, com valiosas jóias e outros mimos.

Além disso, transformada em bola-de-fogo, a ave amiga é a mensageira, entre aqueles noivos eternos. Transporta-lhes as juras de amor e os presentes, que atestam sinceridade infinita.

É o motivo por que, — afirmam os entendidos, — à noite de São João, uma bola-de-fogo passa, no céu, e vai do Muxoara à Serra, e vice-versa. É a viagem do jogo, a descrever, no espaço, a eternidade do Amor!

 

Nota:

— Em “Cariacica”, o Sr. Omir Leal Bezerra insere A VIAGEM DO FOGO, pelo Natal, sob a forma de um facho, que vai do Muxoara para o Mestre Álvaro, para regressar, na passagem do Natal seguinte.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2016

Folclore e Lendas Capixabas

A Pedra da Ema – Por Maria Stella de Novaes

A Pedra da Ema – Por Maria Stella de Novaes

A Pedra da Ema é assim chamada porque, na sua crosta, existe uma parte, ou mancha, esbranquiçada que parece retratar uma ave pernalta

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Juparanã – Por Maria Stella de Novaes

A Lagoa Juparanã está saturada de fantasia, criada pela imaginação do povo, e que se tem perpetuado, através das gerações

Ver Artigo
A Pedra da Ema – Por Adelpho Monjardim

Em Burarama, Município de Cachoeiro de Itapemirim, situa-se a Pedra da Ema, notável pelo fenômeno que ali se processa

Ver Artigo
As minas do Castelo- Por Adelpho Monjardim

Atribui-se aos jesuítas, ainda no Século XVII, o desbravamento do território do Município de Castelo

Ver Artigo
Chico DAnta, o Violeiro Escravo de São Benedito

O professor Elias perguntou de que família era ele. Chico respondeu: A prugunta num tá certa não. Voscimicê quer sabe de que família nóis era escravo, né?

Ver Artigo
Lendas, folclore, crendices de tropeiros – Por Ormando Moraes

Os tropeiros divulgavam também o caso da figueira mal assombrada da Fazenda do Bandeira, perto de Calçado, onde se ouviam gemidos e gargalhadas à noite

Ver Artigo