Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Penedo – Por Maria Stella de Novaes

Penedo

Na entrada do Porto de Vitória, depara-se ao viajante a imponência de um rochedo, fronteiro ao antigo Forte de São João. Lembra-nos o Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro. Tem a superfície pontuada de gravatás e outras plantas rupícolas.

É o Penedo.

Encerra uma coletânea de lendas, quase todas relacionadas com a era da colonização, no Espírito Santo. Representa, igualmente, defesa providencial da Cidade, conforme o evidenciou, na investida de Cavendish e noutras passagens tormentosas da História. No seu pico, estão os postes das linhas de eletricidades, para Vila Velha, ou Cidade do Espírito Santo.

Conta-nos uma lenda que o Penedo é mágico, por isso, na passagem de um navio pela sua frente, os viajantes devem atirar-lhe moedas e outros objetos, como oferendas, por que se o alcançarem, o rochedo retribuirá tudo, em felicidade.

Sentinela de Vitória, o Penedo encerra, no ministério do seu interior, um palácio de fadas e príncipes encantados!...

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Hermógenes - 11 anos de perseguição

Hermógenes - 11 anos de perseguição

Ele dizia pra mim e pra nós,  que ele ali, na prisão, descobriu a importância de um raio de sol. Porque a gente aqui fora tem um sol inteiro, mas quando se está preso dentro de um espaço daquele, um único raio que entra dentro do cubículo é preciosíssimo”

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Enfermeiro das contas brancas - Por Maria Stella de Novaes

Era assim chamado um irmão leigo franciscano, que viveu alguns anos, em Vitória, e passou, depois, a residir na Ermida das Palmeiras, onde preparou a construção do Convento

Ver Artigo
A Fonte da Capixaba – Por Maria Stella de Novaes

No trabalho intenso de defesa da Ilha, certo dia, o guerreiro procurou dessedentar-se, na fonte misteriosamente originada

Ver Artigo
O Poço de Anchieta – Por Maria Stella de Novaes

Sofria a população de Iriritiba, ou Reritiba, e suas vizinhanças as conseqüências de forte e prolongada estiagem

Ver Artigo
A Pedra do Diabo – Por Maria Stella de Novaes

Na Pedra do Diabo, existem sinais, — relevos e incisuras, semelhantes a marcas de pés e cruzes

Ver Artigo
O Tesouro de Caçaroca – Por Maria Stella de Novaes

A foz do Marinho, onde entrou e foi subindo... subindo, até que, no lugar chamado Caçaroca, submergiu toda a imensa riqueza

Ver Artigo
A Cruz de Muribeca - Por Maria Stella de Novaes

Lembra-nos o lugar chamado Muribeca, no Município de Itapemirim, um dos mais antigos redutos, ou fazendas, fundados pelos jesuítas, no Espírito Santo

Ver Artigo
A Árvore Negra do Queimado – Por Maria Stella de Novaes

A Insurreição do Queimado representa, de certo, no Espírito Santo, a passagem mais dolorosa do século XIX

Ver Artigo
O Fantasma da Penha - Por Maria Stella de Novaes

No caminho da Penha, (hoje Ladeira do Convento), ainda sem a calçada de lajes e divisão, nos Sete Passos murados, havia uma pavorosa assombração! 

Ver Artigo
A morte do Asceta - Por Maria Stella de Novaes

E, lá, na ermida em que se deu o desenlace, ajoelhado ainda e mãos postas no altar, Frei Palácios parece, enlevado, a rezar!

Ver Artigo
Capixaba - Por Maria Stella de Novaes

Uma lenda relacionada com a chegada rumorosa dos lusitanos à Capitania do Espírito Santo conta-nos que, entre os ádvenas, havia um jovem de cabelos dourados

Ver Artigo