Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O primeiro jornal de Cachoeiro – Por Levy Rocha

Capa do Livro: Crônicas de Cachoeiro (1966) de Levy Rocha

Havia um volume encadernado na Biblioteca Nacional, coleção incompleta, do primeiro jornal impresso em Cachoeiro de Itapemirim e também no interior da província capixaba: “O Itabira". Laventavelmente, esse jornal não é mais achado naquela Biblioteca, e ninguém pode informar seu destino.

O volume que as traças haviam começado a destruir, reunia 24 números, inclusive o precioso primeiro, editado em 4 de julho de 1866, por João Paulo Ferreira Rios e não três dias antes, como registraram alguns dos nossos historiadores. Creio que o engano foi acusado pela data do artigo de fundo, o qual destaca: "Cachoeiras, 1° de julho de 1866". Todavia, o frontispício do jornal não deixa dúvidas.

Antes de outros preâmbulos, merece que se lembre quem foi esse editor, mineiro emigrado aos 17 anos para Cachoeiro, onde exerceu, com inteligência, diferentes profissões: seleiro, comerciante, advogado provisionado e se realçou na oratória, lutando na campanha da Abolição da Escravatura.

O jornal era redatoriado por Basílio Carvalho Daemon, classificado como o primeiro jornalista de Cachoeiro. Ele ocupou toda a metade da página de rosto da folha, iniciando a publicação do seu romance "Arcanos", onze anos depois reunido em livro, em Vitória, nas oficinas "d' "O Espírito-San-tense".

"Literário, agrícola, comercial e noticioso": três colunas, em formato modesto e quatro páginas, do tamanho de um palmo de largura por palmo e meio de altura. Circulou, a princípio , aos sábados e, depois, aos domingos.

O dito primeiro número apresentava matéria de recreação e interesse. Pela sua leitura, fiquei sabendo que o Dr. Manoel Batista Fluminense, tendo sido nomeado médico da Colônia do Rio Novo, agradecia aos habitantes das Cachoeiras a amizade e atenções e renunciava à presidência da S. P. Ensaios Dramáticos, agremiação que realizara sua 5ª récita no dia 23 de junho p.p., levando à cena o drama de grande aparato, em 5 atos: "A Cruz" e a comédia em 1 ato: "Os Primeiros Amôres", sendo a orquestra regida por Antônio Quintão. Outras sociais: o 3º baile, no dia de São João, promovido pela Sociedade Minerva e o casamento da filha de Camilo José da Silva Reis, na fazenda Pedra Branca. Na 4ª página, o anúncio que a tipografia (pertencera ao jornal "Monarquista", Vitória, 1863) estava aparelhada para obras. E outro: a venda de uma canoa de peroba, com algum uso, bem calafetada, por quarenta mil réis. Mais outro: novos sortimentos de fazenda das lojas; chitas francesas e inglesas, algodão americano e de Santa Catarina, baeta, morim, durandina, brins mineiros para calças, riscados, etc., em jardas e côvados.

A Freguesia de S. Pedro do Cachoeiro, já promovida a Vila, esforçava-se para a criação dos foros civil, criminal e policial, ao que se depreende desta notícia, que transcrevo pela sua importância:

"Tendo a Assembléia Provincial, por decreto n.° 474 do ano de 1864 elevado esta Freguezia à categoria de Vila, principiando a gozar deste privilégio depois de haver casa da câmara e cadeia, construídas a expensas de seus habitantes, resolveram alguns deles nomearem uma comissão que ficou composta dos seguintes Srs.: major Misael Ferreira Rios; capitão Francisco Herculano Monteiro Nogueira da Gama; o fazendeiro Antônio Francisco Moreira; tenente Luiz Bernardino da Costa e alferes Diogo Carlos Tertuliano de Vasconcelos, para agenciarem as assinaturas em uma subscrição que promoverão para a compra de um prédio que oferecesse necessárias proporções; a comissão compreendendo bem a honrosa tarefa de que foi encarregada, envidou todos os esforços a seu alcance e conseguiu obter a quantia suficiente para a compra do prédio pertencente a Gabriel Ferreira Pena, pela quantia de (?) — a traça comeu a importância — e fazer-se nela as convenientes obras, as quais estão quase concluídas e breve esperamos que tenha lugar a instalação desta importante Vila".

Efetivamente, a 25 de março do ano seguinte (1897)  - ver nota do site abaixo - instalada a primeira Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim, em prédio situado ao lado norte. O terreno fazia divisa com a propriedade de Joaquim Jorge da Silva Quintais e face para a rua Senhor dos Passos. Em 1881, esse prédio se encontrava em ruínas e, antes que desabasse, foi demolido e os seus materiais vendidos em hasta pública, por quinhentos e sete mil, novecentos e sessenta réis. Em outubro de 1885, Antônio Bernardino Pereira Rios se apossou do terreno vago, nele erguendo uma casa.

O hebdomadário "O Itabira", quando apareceu, tinha pretensões de pugnar pelas idéias do liberalismo e progresso e fugir dos artigos anônimos, das críticas às vidas privadas, da política e de vinganças. Mas, pugnando pelo partido Conservador, tornou-se virulento, sendo obrigado a suspender a circulação. Manteve vivas polêmicas e debates com a "Sentinela do Sul", primeiro jornal lançado na Vila de Itapemirim, em 24 de agosto de 1867.

Numa tentativa de reviver "O Itabira", Basilio Daemon; acumulando as funções de redator e proprietário, procurou ressuscitá-lo, com outro nome, em 1868. Assim, lançou  5 de abril daquele ano, o "Estandarte". Não o manteve por muito tempo, pois resolveu transferir-se para Vitória, onde se destacou nas lides jornalísticas.

Nota do Site: Efetivamente, a 25 de março do ano seguinte (1867) e não em (1897) como no texto original.

 

Fonte: Crônicas de Cachoeiro, 1966
Autor: Levy Rocha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2016

Curiosidades

A cana-de-açúcar foi a primeira cultura

A cana-de-açúcar foi a primeira cultura

Dez anos depois do desembarque do primeiro donatário, já estavam instalados, em 1545, na Capitania do Espírito Santo, quatro engenhos de açúcar 

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O povoamento de Cachoeiro

A ocupação da Bacia do Rio Itapemirim é repleta de fatos históricos de importância, com destaque para o embate entre os índios e os portugueses

Ver Artigo
O Muqui de antigamente – Por Levy Rocha

Podia até fazer uma referência à casa onde a cegonha lhe deixou o presente de um menino, no ano de 1916, mas a modéstia me aconselha... 

Ver Artigo
A Estrada de Ferro Caravelas – Por Levy Rocha

O privilégio para a primeira via férrea projetada, no Espírito Santo, foi requerido em agosto de 1872

Ver Artigo
O Quartel da Barca – Por Levy Rocha

O povoamento das margens do rio Itapemirim, trecho navegável, sem embargo, para as canoas, até os Caxoeiros (como se dizia, antigamente), deve retroceder aos tempos de Vasco Coutinho

Ver Artigo
O nome da cidade – Por Levy Rocha

Sabe-se que não existe, no rio Itapemirim, no local onde se situa a "Princesa do Sul", nenhuma cachoeira

Ver Artigo
Imprensa quebra-peito - Por Levy Rocha

Como me enchia de admiração o trabalho quotidiano de Hélio Ramos, ajuntando e espalhando letra por letra, imprimindo sozinho, duas vezes por semana, o "Correio do Sul"

Ver Artigo
Festa das Canoas – Por Levy Rocha

Antigamente, o burburinho de gente chegava no trem de Cachoeiro. Hoje, são os ônibus, caminhões e automóveis que enchem a praia de visitantes

Ver Artigo
A primeira crônica de Rubem Braga – Por Levy Rocha

Caiu-me às mãos o número doze do jornalzinho "O Itapemirim", do Colégio Pedro Palácios, dezembro de 1926 

Ver Artigo
Duas cartas de Newton Braga – Por Levy Rocha

A segunda carta que guardo de Newton Braga, mais extensa, enchendo duas laudas, ele a datou de 30 de setembro de 56 

Ver Artigo
Newton Braga e Ribeiro Couto - Por Levy Rocha

O passamento de Ribeiro Couto, em Paris, três anos atrás, avivou-me a lembrança de outro poeta, da mesma escola penumbrista, o nosso Newton Braga

Ver Artigo
Os Barões de Itapemirim – Por Levy Rocha

Quem viajasse pela Estrada de Ferro Itapemirim poderia observar um palacete "construído no feitio dos castelos medievais", que servira de residência ao Barão de Itapemirim

Ver Artigo
Um antigo morador do Caxoeiro - Por Levy Rocha

Se pudéssemos encontrar outros documentos da fazenda desse imigrante suíço, quantas luzes viriam aclarar a história do Caxoeiro

Ver Artigo
A luz elétrica em Cachoeiro

Cachoeiro, a primeira cidade capixaba iluminada a luz elétrica, teve o importante melhoramento inaugurado, oficialmente, em 1º de novembro de 1903

Ver Artigo
O Bondinho de Cachoeiro

Nas ruas apertadas, calçadas de paralelepípedos, o bondinho (que até nem era grande), atravancava o trânsito, rangendo, gingando, provocando barulhenta estática nos rádios receptores das residências, entrando em disputa com as carroças, caminhões, alguns poucos fordecos e chevrolets, de passeio, na primazia da passagem

Ver Artigo