Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O primeiro jornal do ES

Foto Ilustrativa

O primeiro jornal – Justamente trinta e dois anos depois de iniciar-se  a publicação da Gazeta do Rio de Janeiro,[30] o Espírito Santo viu circular O Estafeta – primeiro jornal impresso na terra (1840). Nasceu tão mofino que não passou do número inaugural. Saiu da tipografia do alferes Aires Vieira de Albuquerque Tovar – que também foi a primeira aqui instalada. [31]

 Nove anos após – a dezessete de janeiro de 1849 – da mesma oficina [32] saiu o Correio da Vitória, fadado a uma vida longa e exornada de relevantes serviços à província. Com ele começa a história do jornalismo capixaba. [33]

 

NOTAS

(30) - Primeiro jornal impresso no Brasil. Começou a circular a dez de setembro de 1808. Embora saísse das oficinas da Impressão Régia, não era órgão oficial do governo. Seu primeiro redator foi frei Tibúrcio José da Rocha.

(31) - Em 1835, o presidente Joaquim José de Oliveira referia-se à falta de tipografia na província e, portanto, à “indispensável necessidade de imprimir-se em outra os atos legislativos da respectiva Assembléia” (Ofício dirigido ao titular da pasta do Império, a primeiro de junho de 1835 – Pres ES, VII).

 – Informa DAEMON que a oficina chegou a Vitória em 1840 (Prov. ES, 13).

 – A propósito d’O Estafeta, no seu admirável trabalho A Imprensa no Espírito Santo,

HERÁCLITO AMÂNCIO PEREIRA escreveu: “Fundado pelo alferes Aires Vieira de Albuquerque Tovar que, aos quinze de setembro de 1840, firmou contrato com o governo provincial para a publicação dos atos oficiais. Comprometia-se, por esse contrato, Aires, a quem era garantido o privilégio estabelecido pela lei provincial número seis, de vinte e três de março de 1835, a publicar um jornal duas vezes por semana, ficando o governo com direito a cento e vinte exemplares de cada número que se editasse, pelos quais pagaria 10$000” (RIHGES, III, 29).

– Cabe aqui referência especial ao trabalho de Heráclito Amâncio Pereira, obra benemérita de pesquisador paciente, a quem a história do jornalismo fica devendo um inventário conscienciosamente feito dos periódicos capixabas e valiosas retificações de cochilos imperdoáveis, inclusive dos organizadores do Catálogo da Exposição de História do Brasil (1881).

(32) - Tovar faleceu em 1841 e sua viúva encostou as máquinas, vendendo-as, em 1848, a Pedro Antônio de Azeredo, a quem coube lançar, como proprietário e redator, o Correio da Vitória (HERÁCLITO PEREIRA, Imprensa, III, 29; DAEMON, Prov. ES, 315).

(33) - Resumindo a primeira fase da história do jornalismo espírito-santense, AFONSO CLÁUDIO escreveu: “A imprensa verdadeiramente independente, sem ligações com o governo ou com agremiações partidárias, foi inaugurada em dezessete de dezembro de 1853, com o periódico A Regeneração, redigido pelo distinto latinista, o professor Manuel Ferreira das Neves.

Era um jornal imparcial e de caráter literário; por isso mesmo pouco durou, extinguindo-se em 1855.

 Ferreira Neves, depois de terríveis lutas políticas, retirou-se para o Rio de Janeiro, onde fundou dois colégios, entregando-se de todo ao magistério, vindo a falecer a vinte e oito de julho de 1884.

A imprensa política fez a sua estréia na Província, a dezessete de julho de 1856, com a publicação d’O Capichaba; a literária prossegue com o Semanário, fundado por Pereira de Vasconcelos, em dois de janeiro de 1857, com a Aurora, fundada e redigida em dezenove de agosto do mesmo ano, pelo dr. Joaquim dos Santos Neves.

A partir de 1860, a imprensa torna-se quase exclusivamente política; é nessa quadra que surgem A Liga, em oito de abril; o Indagador, em treze de junho; o Maribondo, em onze de agosto; o Provinciano, em sete de setembro e o Pica-Pau, em vinte e seis de setembro, todos em 1860.

Foi a época das polêmicas insidiosas e das retaliações partidárias extremadas, apenas suavizadas pelas sátiras espirituosas de Batista Pires e pelas crônicas humorísticas de Ferreira das Neves. É a explicação do aparecimento dos periódicos Maribondo e Pica-Pau, que tão pouco tempo viveram.

Mas, se nessa época existia a imprensa política, convém dizer que ela na Província refletia as idéias de 1831. Alguns desses jornais ou eram pela Regência (moderados), ou advogavam a causa de D. Pedro I (restauradores), ou propendiam para o franco restabelecimento da ditadura militar, estimulados pelos sucessos da abdicação (exaltados)” (Hist. Literatura, 531-2).

– O primeiro jornal capixaba editado fora da Capital foi O Itabira, de Cachoeiro de Itapemirim. Começou a circular a primeiro de julho de 1866. Era redigido por Basílio Carvalho Daemon.

– O primeiro diário foi o Diário Vitoriense, dirigido por Emílio Francisco Guizan. Começou a circular aos vinte e três de julho de 1866. Não saía aos domingos e dias santos. Matutino, a princípio, a partir de doze de novembro tornou-se vespertino (HERÁCLITO PEREIRA, Imprensa, III, 35-6).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, novembro/2017

História do ES

Barrinha - A foz do Rio da Costa

Barrinha - A foz do Rio da Costa

Nas fotos vê-se o Rio da Costa já retificado, que deu origem ao Canal da Costa (valão) e a Barrinha

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Victória – Cidade Presépio, 1937

A linda capital do Espírito Santo. A cidade de Vitória está situada numa ilha banhada por águas do oceano Atlântico

Ver Artigo
Os cônsules no Espírito Santo

São representantes junto ao Governo do Estado, com residência nesta capital

Ver Artigo
Corpo de Bombeiros e Polícia Militar do ES

A Polícia Militar do Espírito Santo é uma das mais eficientes do Brasil. Também o é assim o Corpo de Bombeiros de Vitória

Ver Artigo
Movimento Natural da População do Espírito Santo em 1937

Empenhados em que sejam conhecidos, com a maior rapidez, os resultados do movimento natural da população do Estado (movimento do registro civil), durante o ano de 1937, organizamos as tabelas que se seguem

Ver Artigo
A Penitenciária do ES – Governo Punaro Bley

Turmas de convictos passaram a trabalhar no cultivo das terras adjacentes nos limites da Penitenciária, ou nas suas pedreiras, 

Ver Artigo