Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O primeiro mapa do Espírito Santo

Carta de Albernaz de 1640 - Litoral norte do Rio de janeiro e Litoral do Espírito Santo

Logo no primeiro lustro do século XVII, foi extinto o cargo de provedor de defuntos e ausentes da capitania, “atendendo a que os moradores eram pobres (I) e poucos”. As atribuições do ofício passaram às justiças ordinárias locais.(1)

Além da presença de D. Francisco de Sousa na terra – sempre voltado para as gemas e pedrarias, tendo mesmo conseguido sua nomeação para capitão-general e governador do Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Vicente, com administração das minas descobertas e que se viessem a descobrir nas três capitanias – é de justiça assinalar o levantamento, em 1612, da primeira carta geográfica do território capixaba, por Marcos de Azeredo.(2)

 

NOTAS

(1) - RUBIM, Memórias, 227. A carta régia é de sete de dezembro de 1604 (apud JOSÉ MARCELINO, Ensaio, 75).

(2) - Basílio Daemon, de quem colhemos a valiosa notícia, grafa “Azevedo”. São, ainda, daquele mesmo autor as seguintes informações: “Nesta carta são demonstrados: todos os lugares povoados, havendo no entanto faltas, pois que só dá como povoações a Vitória e Reis Magos, quando já existia a Vila do Espírito Santo, havendo povoações em Guarapari, Benevente e S. Mateus, não falando em Santa Cruz, Serra e Piúma* então Orobó” (Prov. ES, 106).

* “Py-uma – a epiderme ou casca anegrada, escura. É uma mirtácea de fruto preto, redondo” (SAMPAIO, O Tupi, 294).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, junho/2017

História do ES

Golpe de Estado de 3-11-1891

Golpe de Estado de 3-11-1891

Era o fim. A oposição bem o compreendeu e cuidou de organizar a Junta Governativa, constituída por Graciano dos Santos Neves e outros

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Divisão administrativa do ES - Derradeiros tempos coloniais

Eram cinco as vilas até então criadas: Vitória, Espírito Santo, Guarapari, Nova Almeida e Benevente

Ver Artigo
Tempos derradeiros do período colonial

A vida multiforme da capitania ao final do período colonial

Ver Artigo
A antiga localização de Santa Catarina das Mós

No mapa do Império Brasileiro, de 1868 e elaborado por Cândido Mendes, a localidade de Santa Catarina das Mós situava-se ao sul da foz do rio Itabapoana

Ver Artigo
O território do ES entre 1700 e 1800

Entre 1700 e 1800 o Espírito Santo perdeu a porção de território compreendida entre os rios Mucuri e Doce

Ver Artigo
Limites do Espírito Santo no período colonial

O instrumento para qualificar o ES é Carta de Doação de Vasco Fernandes Coutinho, assinada a 1° de junho de 1534

Ver Artigo