Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O quilômetro 2 – Por Adelpho Monjardim

Jaqueira

Não faz muito tempo, São Mateus ligava-se a Nova Venécia por estrada de ferro. Pequena e deficitária, silenciosamente desapareceu como surgira.

Entre a gente da ferrovia grande era a animação, contrastando com a realidade das coisas. Um pouco afastada da cidade, a companhia montara as oficinas, as casas para os empregados e o campo de futebol. Ali a rapaziada se divertia, mesmo porque ia à cidade só aos domingos e feriados. Não porque a cidade fosse longe. Havia, porém, um motivo. Nos dias comuns a saída só depois do serviço, quando a volta só poderia ser feita tarde da noite. E quem ousaria, depois das vinte e três horas, passar pela Volta da Jaqueira, no Km 2? Há tempos tombara ali uma composição da estrada, quando muitos pereceram. Desde então a Volta ficou mal-assombrada. As almas das vítimas costumavam ali se reunir num autêntico sabá.

Um dia chegou a São Mateus um jovem pernambucano, da terra de gente valente. Dizia-se bom de bola, centroavante que fora do Náutico. Mal a notícia se espalhou e a rapaziada do clube chamou-o para o seu time.

Homem benévolo e cordial, o superintendente ordenou que o alojassem em uma das casas da companhia, junto ao rio, onde o craque poderia também se exercitar no salutar esporte náutico.

Bom jogador e melhor farrista, o arrojado pernambucano certa tarde, após os treinos, foi à cidade. O que foi fazer não se sabe, mas é certo que esqueceu a hora de voltar. Quando deu fé passava das fatídicas vinte e três horas. Terrível para quem precisava passar pela Volta da Jaqueira. Frio mortal percorreu pela espinha do bravo. Ficar na cidade, impossível. Precisava estar na companhia e o trabalho começava cedo. Depois ficar era dar prova de medo, o que estragaria o seu cartaz, ele que dizia não acreditar em fantasmas e outras frioleiras. De modo algum deslustraria a sua fama de valente.

José, como era conhecido, lembrou-se que para prevenir assombrações era bom atravessar uma arma branca na boca, pois as avantesmas tinham horror ao aço. Por felicidade ele portava a “peixeira” longa de dois palmos, da qual não se desligava nunca.

Embora estrelada, aquela era uma noite escura. O céu parecia mais profundo para as bandas do sul e o vento soprava forte e frio. Ao deixar para trás as últimas casas da Cidade, face a face com o deserto, com a longa e escura estrada que parecia não ter fim, o bravo sentiu o coração desfalecer. Ele cortava extenso trato de cerrada mata. Sacudidas pelo vento as ramas sussurravam lugubremente. Tudo capaz de quebrar o ânimo mais forte. Persignando-se, levantou a gola do paletó, desceu o chapéu sobre os olhos e estugou o passo. Antenas sensíveis, os ouvidos captavam os mínimos ruídos. De quando em quando o pio agoureiro da coruja.

O Km 2 se aproximava e com ele a funesta lembrança da jaqueira. Alagado em suor, sentia que nele se afogava a sua coragem. Finalmente a Volta da Jaqueira, o Km 2! De longe avistava a robusta e copada representante das moráceas, cuja fronde escura parecia absorver todo o negror da noite. Era ali, sob aquelas ramadas, que as almas se reuniam para tentar os vivos. As vítimas do Km 2!

Pegando-se com São Jorge, peixeira atravessada na boca, o pernambucano José, centroavante do Ferro-Carril, estugou o passo e exigiu das gâmbias o máximo, como exigiam as circunstâncias.

Já nas proximidades da jaqueira, cujo tronco não cedia em pujança ao baobá, a coruja soltou brusca e estridente gargalhada. De susto o coração quase que se lhe escapou pela boca. Os dentes apertaram o aço da “peixeira” e o gosto de sangue lhe aflorou à boca. Maldizendo a estúpida e imprudente aventura, ia avançando, quando pavoroso estrondo o imobilizou. Estrondo como se duas composições se tivessem chocado. Logo após gritos de terror e de morte. Ante as dilatadas e assombradas pupilas do bravo, sob a ramagem da jaqueira surgiu branca farândula de espectros, como se ali fora uma assembléia de bruxas. Embuçados em níveas roupagens, frenéticos, agitados, soltavam gritos e gemidos aterrorizantes aos ouvidos humanos.

Ante a súbita revelação que evidenciava o sobrenatural, o centroavante do Ferro-Carril não se pejou da fraqueza natural da matéria contingente, e abalou-se em correria louca como Heitor ao dar as três voltas em torno de Tróia. Varando a noite, conduzido nas asas do medo, mentalmente dizia: Enquanto corro minha mãe tem filho! Espavorido, de tal modo correu que ultrapassou a própria residência. Extenuado fora cair muito além, onde foram encontrá-lo ardendo em febre.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Um grito na noite – Por Adelpho Monjardim

Um grito na noite – Por Adelpho Monjardim

Corria como certo que, todos os dias, a alma de um frade sentava-se numa grande laje assinalada por uma cruz, talhada não se sabe por quem

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo
Os Santos Populares – Por Aerobaldo Lellis Horta

Santo Antônio, São João e São Pedro foram sempre considerados santos populares

Ver Artigo