Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O reflexo do espelho e a Copa do Mundo de 2014

Ilustração de Denilson Coelho do livro: Krikati Tio Clê e o Morro do Moreno, 2006

CAPÍTULO XVIII - Uma Grande Amizade (Do livro - Krikati Tio Clê e o Morro do Moreno)

        Tio Clê deu uma saída inusitada e reapareceu uniformizado com a insígnia do posto semafórico do Morro do Moreno, seu posto, presenteando Krikati com o mesmo traje. Em seguida, deu um giro de 180 graus na luneta sobre o seu tripé, deixando-a apontada para o alto-mar. Avistou um navio no horizonte. De repente, olhando para o céu, exclamou em tom de oração:

        – Clê! Clê! Você sempre foi persistente! Você sempre conseguiu tudo o que almejou! Deus! Deus! Muito obrigado!

        Tio Clê, muito emocionado, abaixou seu olhar e percebeu ao seu lado que Krikati estava em prantos. As lágrimas lhe corriam pelas faces. Aproximou-se e, chorando também, deu um beijo em sua testa. Abraçou Krikati fortemente, levantando-o do chão, disse:

        – Você foi o meu braço direito nessa jornada! Quando puder, venha sempre me visitar.

        – Claro que virei, Tio Clê.

        – Venha cá, meu garotinho. Eu gosto de você como se fosse meu filho e quero lhe deixar uma mensagem de vida que sirva para a sua formação intelectual amorosa.

        - O que é isso, Tio Clê?

        - É saber conduzir seu coração sempre para o bem. Essa é a maior herança que posso lhe presentear.

        – Me fale então, Tio Clê, como é?

        – Lembre-se que você é mais novo do que eu em vida. Mas é mais velho a aparecer no mundo. Aos seus cinco sentidos poderão ser acrescidos a experiência das idades passadas, basta você querer. Há ainda um outro sentido que eu considero o mais importante de todos.

        – E qual é, Tio Clê?

        – É o sexto sentido. Os outros Deus lhe dá, esse você forma. Ele conecta seu cérebro aos outros cérebros que você quiser. Você é quem liga e desliga. É seu referencial. Sua bússola. Você é o seu comandante. A sua rota é você quem traça. Seus familiares e amigos sempre o ajudarão, mas o timão está nas suas mãos.

        – Puxa, Tio Clê, como o senhor é inteligente! Por isso é que Tio Miguel o chama de “Mestre Clê”. Eu gostaria de aprender muito mais com o Mestre.

        – Krikati, você já é um garoto prodígio.

        – Tio Clê, eu queria saber algo que me orientasse para quando eu ficar mais velho. Tenho a sensação de que com os seus ensinamentos posso acelerar coisas que levariam anos para aprender.

        – Meu garoto, não há receita de vida. A vida não é uma ciência exata, não é como a tabuada. Da mesma forma que a receita da moqueca capixaba não pode garantir uma deliciosa moqueca, não existe fórmula que possa garantir uma receita de vida. Mas há um processo de renovação que nos é ensinado pela Mãe Natureza e que não deve passar despercebido.

        – Como é que é Tio?

        – Preste atenção, meu garoto. Observe o mar. Seu colorido já não é o mesmo de quando chegamos. O vento já é mais forte. O sol está mais alto. A maré está mais baixa. O filhote de passarinho acabou de nascer. Muitas nuvens se passaram. O barquinho de pescador desapareceu no horizonte. Algumas aves iniciaram a sua imigração. Os seus cabelos estão maiores. O fruto caiu do pé. O peixe criou. A plantinha nasceu. A terra girou e o seu coração, quantas vezes bateu?

        – Puxa, Tio Clê! Até então, quando eu observava a natureza, prestava mais atenção no silêncio e nos sons. Não havia percebido a infinidade de atividades que ocorrem quando pensamos que está tudo parado.

        – Meu garoto, isso também ocorre com a gente. Tenha seu cérebro sempre aguçado, ligado a coisas boas. Peneire todos os dias sua mente refinando seu intelecto amoroso. Tire proveito das que são julgadas sem importância. Crie esse simples hábito que o potencializará. Abasteça-se todos os dias com um novo detalhe na natureza que ainda não havia percebido antes, e faça uma ponte entre ele, o homem e o infinito. Isso empurrará seus limites, cada vez mais. Perceba também que há coisas que não têm como mudar, portanto, você deve aceitá-las. O rio sempre corre para o mar. Trace seu roteiro certo. A escolha é reflexo. Você é o comandante desse navio.

        – Tio Clê, a paz e o amor reinam no seu coração. O senhor para mim é uma pessoa perfeita!

        – Claro que não, meu garoto! ‘Se não tivéssemos defeitos não teríamos a enorme satisfação de contemplar os amigos’.

        – Tio, qual é a maior realização de um homem?

        – Cada um tem a sua. A minha é poder saber que sou querido pelas pessoas com quem convivo. Isso me faz muito bem. É a minha mais alta prioridade. O meu código genético é estreitar relacionamentos e ser amigo para sempre.

        – Tio  Clê, o senhor é um homem puro e tem me ensinado a vida!

             Tio Clê, então, continuou:

        – Krikati, há pessoas que conhecemos...

             Há pessoas que amamos e nos damos muito bem...

             Há pessoas que amamos e descobrimos ter tantas coisas afins...

        É como se eu olhasse no espelho e fizesse uma viagem nos trilhos do tempo: volta e meia me via no olhar dos meus olhos, volta e meia me via no olhar dos teus olhos...

        – E o que isso significa, Tio Clê?

       – Não sei. É um sentimento inexplicável... É o ciclo da vida!

 

Autor: Walter de Aguiar Filho
Fonte: Krikati Tio Clê e o Morro do Moreno,2006
Ilustração: Denilson Coelho
Patrocionador do Livro: Chocolates Garoto S/A

Literatura e Crônicas

Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno

Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno

As histórias do Morro do Moreno são contadas no livro KrikatiTio Clê e o Morro do Moreno”, de autoria de Walter de Aguiar Filho. O livro tem como público-alvo crianças e adolescentes, e conta em forma de diálogo as aventuras vividas por um menino e um homem sábio.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Jogos de botões pelas calçadas... Por Marien Calixte

"Jogos de botões pelas calçadas, eu era feliz e não sabia..."

Ver Artigo
Vitória, cidade bendita pelo sol de cada dia!

O Cruzeiro se podia subir mais fácil pelo nosso imenso quintal, e, eu estudava muitas vezes, lá em cima, pois tinha maior concentração

Ver Artigo
Juiz de Fora - João Bonino Moreira

Estávamos em 1947 e eu, deslumbrando-me com férias cariocas, fui assistir a um jogo de futebol no Estádio do Vasco

Ver Artigo
O Grande Jogo - Hércules Dutra de Campos Filho

Aos dez minutos, 1 a 1, aos quatorze, 2 a 1, aos vinte e cinco, 3 a 1, aos quarenta já ganhávamos por 6 a 2

Ver Artigo
Do campus, minhas lembranças em formol - Poe Anne Mahin

Fiquei para assistir à dissecação do cachorro, que, depois de ter os órgãos retirados e analisados, acabou com a carcaça numa caçamba de lixo

Ver Artigo