Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Oferecido pelo sócio Basílio Daemon Carvalho,1800

Basílio Daemon Carvalho, quinto historiador capixaba, na ordem cronológica

Aos 23 dias de novembro de 1800, nesta vila de Nossa Senhora da Vitória, no Colégio de São Tiago, pelos santos óleos ao senhor Rodrigo, nascido na cidade da Bahia e nela batizado in extremis pelo reverendo Fr. Miguel, missionário barbadinho, filho legítimo do ilustríssimo senhor Antônio Pinto da Silva Pontes Leme, governador desta nova capitania e da ilustríssima senhora D. Caetana Herculana Malheiro, neto dos ilustríssimos senhores José da Silva Pontes de Carvalho, cavaleiro da Ordem de Cristo, capitão-mor da cidade de Mariana e D. Mariana Dias Pais Leme, e pela materna dos ilustríssimos senhores Alexandre José de Souza Menezes, cavaleiro da Ordem de Cristo, moço da Câmara de Sua Majestade, e D. Ana Antônia Pereira Malheiro de Souto Maior, morgada de Fernandeira e Cartemil em Ponte de Lima, nascido, digo, aos 27 de outubro de 1799; assistiram a esta solenidade por procurações que tiveram da cidade de Lisboa o senhor doutor ouvidor geral desta capitania, do ilustríssimo e excelentíssimo senhor Dom Rodrigo de Souza Coutinho, do Conselho de Estado, padrinho que era no batismo solene, cujo teor é o seguinte: “Dom Rodrigo de Souza Coutinho, do Conselho de Estado, ministro e secretário de Estado dos Negócios da Marinha e Domínios Ultramarinos, etc., constituo meu bastante procurador ao senhor doutor ouvidor geral da capitania, para que em meu nome possa extrair da fonte batismal a um filho do ilustríssimo senhor Antônio Pires da Silva Pontes Leme, governador da capitania do Espírito Santo, a este fim lhe concedo todos os poderes em direito necessários. — Lisboa, 9 de dezembro de 1799. — Dom Rodrigo de Souza Coutinho.”

O senhor capitão-mor das Ordenanças José Ribeiro Pinto, da ilustríssima e excelentíssima Senhora D. Maria Balbina de Souza Coutinho, senhora de Pancas, cujo teor é o seguinte: “Dona Maria Balbina de Souza Coutinho, senhora de Pancas, etc. Pela presente procuração, por mim assinada, dou poder ao senhor capitão-mor de Ordenanças da vila da Vitória, para que em meu nome possa elevar de sacra fonte um filho ou filha do ilustríssimo senhor Antônio Pires da Silva Pontes Leme, governador da capitania do Espírito Santo, e da ilustríssima senhora Dona Caetana, que para tudo lhe concedo todos os poderes que me são permitidos pelo sagrado Concílio de Trento. — Lisboa, 9 de dezembro de 1799. Dona Maria Balbina de Souza Coutinho.”

E não se continha mais coisa alguma nas referidas procurações, que fielmente aqui as copiei e de tudo para constar fiz este termo em que me assino. — Vigário José Pinto dos Santos.

* * *

Extraído do livro de batismos com visto dos dois bispos: D. José Joaquim Justiniano Mascarenhas Castelo Branco e D. José Caetano da Silva Coutinho.

Oferecido pelo sócio Basílio Carvalho Daemon.

 

 

Nota: 1ª edição do livro foi publicada em 1879
Fonte: Província do Espírito Santo - 2ª edição, SECULT/2010
Autor: Basílio Carvalho Daemon
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2018

Especiais

Ou Francês ou Capixaba

Ou Francês ou Capixaba

"Para viver bem, tem que ser em Paris ou em Vila Velha". Essa afirmação mostra bem o espírito vilavelhense do pintor filho de capixabas, Massena nasceu no dia 4 de março de 1886 em Barbacena, Minas Gerais, na época do Brasil Império...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Oferecido pelo sócio Basílio Daemon Carvalho,1800

Termo de batismo de Rodrigo, filho legítimo do governador da capitania do Espírito Santo, Antônio Pires da Silva Pontes Leme

Ver Artigo
A volta do presidencialismo

A relativa calmaria política trazida com o parlamentarismo logo cedeu lugar ao clima de golpe

Ver Artigo
A dobradinha Jan-Jan – Por Vitor Amorim de Angelo

Durante todo seu governo, Juscelino Kubitschek tentou equilibrar-se entre os dois projetos em jogo

Ver Artigo
Campanha da Legalidade – Por Vitor Amorim de Angelo

João Goulart estava em Cingapura quando recebeu a notícia de que Jânio havia renunciado 

Ver Artigo
Democracia e golpe

Henrique Teixeira Lott deixou o ministério da Guerra no início de 1960 para disputar as eleições presidenciais de novembro

Ver Artigo