Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Oratório à Nossa Senhora da Penha - Por Walter de Aguiar Filho

Jaqueira no Morro do Moreno (2014), onde foi construído o Oratório à Nossa Senhora da Penha em 1914

Segundo me contou Francisco Mascarenhas de Barcellos, na época em que seu pai Clementino era o chefe do posto semafórico localizado no Morro do Moreno (nomeado pelo Governo Federal em 14 de novembro de 1914, aos 23 anos), o posto contava com uma luneta de longo alcance para identificação dos navios e também com bandeiras que eram hasteadas sinalizando a entrada de navios na baía de Vitória.

Mestre Clê, como também era conhecido Clementino, construiu no local uma cabana de apoio para descansar e guardar as bandeiras coloridas. A escritora Maria da Glória de Freitas Duarte, sobrinha de Mestre Clê, no livro Vila Velha de Outrora, conta que em noites de luar todos subiam o Morro para passar a noite com Clementino e que em noites frias o agasalho era as bandeiras coloridas.

Clementino era católico fervoroso, por isso logo depois que construiu sua cabana, ergueu um oratório à Nossa Senhora da Penha de frente para o Convento da Penha.

Francisco me contou que ao lado desse oratório, seu pai plantou algumas árvores frutíferas e dentre elas uma jaqueira que cresceu e se tornou uma frondosa árvore. Os anos se passaram e na década de 70, quando estive no topo do morro havia no local um enorme tronco rasteiro ao chão, já quase todo podre, com apenas um broto. Fiz questão de regar e cuidar para que essa árvore voltasse a desenvolver. Verifiquei que se tratava de uma jaqueira, que começava a crescer. Mais tarde, no ano 2000, quando já estava escrevendo o livro Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno, consultei Francisquinho e tive a informação do oratório e da jaqueira, e desde então, tais fatos fazem parte do meu livro, que por sinal, ainda precisa de patrocinadores para a impressão.

 

Autor: Walter de Aguiar Filho
Data: 05 de agosto de 2005
Nota do Site:  O livro foi patrocinado pela GAROTO em 2006 e a foto da jaqueira é de 2014 (Ano do centenário do Oratório à Nossa Senhara da Penha)



GALERIA:

📷
📷


Literatura e Crônicas

O galo matou a onça – Por Hermógenes Lima Fonseca

O galo matou a onça – Por Hermógenes Lima Fonseca

No quarto crescente, dando para a lua cheia, é noite de ouvir estórias de véio Isidoro

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Buick - Tipos Populares, por Elmo Elton

Bloco carnavalesco "Só quero enxovar" (Casar nem penso nisso,/ eu só quero é enxovar,/ enxovar sem compromisso),

Ver Artigo
Na Rua da Lama - Por Mário Gurgel

Fomos procurar lá para os lados da Engenharia, no último domingo pela tarde, uma velha conhecida nossa da Ilha do Príncipe

Ver Artigo
Biscuit – Por Elmo Elton

Era solteiro, residindo, com a mãe viúva, em casa, já demolida, de dois andares, exatamente no local onde foi construído o Centro de Saúde

Ver Artigo
Mestre Pedro – Por Elmo Elton

Houve tempo, em Vitória, que muito se comentava sobre a figura do curandeiro Mestre Pedro

Ver Artigo
Exemplo de Jardineiro - Por Mário Gurgel

Está ali, curvado sobre a grama verde e rala, o homem de sessenta e cinco anos que, de quinze em quinze dias, vem tratar o projeto de jardim

Ver Artigo