Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Oratório à Nossa Senhora da Penha - Por Walter de Aguiar Filho

Jaqueira no Morro do Moreno (2014), onde foi construído o Oratório à Nossa Senhora da Penha em 1914

Segundo me contou Francisco Mascarenhas de Barcellos, na época em que seu pai Clementino era o chefe do posto semafórico localizado no Morro do Moreno (nomeado pelo Governo Federal em 14 de novembro de 1914, aos 23 anos), o posto contava com uma luneta de longo alcance para identificação dos navios e também com bandeiras que eram hasteadas sinalizando a entrada de navios na baía de Vitória.

Mestre Clê, como também era conhecido Clementino, construiu no local uma cabana de apoio para descansar e guardar as bandeiras coloridas. A escritora Maria da Glória de Freitas Duarte, sobrinha de Mestre Clê, no livro Vila Velha de Outrora, conta que em noites de luar todos subiam o Morro para passar a noite com Clementino e que em noites frias o agasalho era as bandeiras coloridas.

Clementino era católico fervoroso, por isso logo depois que construiu sua cabana, ergueu um oratório à Nossa Senhora da Penha de frente para o Convento da Penha.

Francisco me contou que ao lado desse oratório, seu pai plantou algumas árvores frutíferas e dentre elas uma jaqueira que cresceu e se tornou uma frondosa árvore. Os anos se passaram e na década de 70, quando estive no topo do morro havia no local um enorme tronco rasteiro ao chão, já quase todo podre, com apenas um broto. Fiz questão de regar e cuidar para que essa árvore voltasse a desenvolver. Verifiquei que se tratava de uma jaqueira, que começava a crescer. Mais tarde, no ano 2000, quando já estava escrevendo o livro Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno, consultei Francisquinho e tive a informação do oratório e da jaqueira, e desde então, tais fatos fazem parte do meu livro, que por sinal, ainda precisa de patrocinadores para a impressão.

 

Autor: Walter de Aguiar Filho
Data: 05 de agosto de 2005
Nota do Site:  O livro foi patrocinado pela GAROTO em 2006 e a foto da jaqueira é de 2014 (Ano do centenário do Oratório à Nossa Senhara da Penha)



GALERIA:

📷
📷


Literatura e Crônicas

Cachoeiro na obra do cronista Rubem Braga

Cachoeiro na obra do cronista Rubem Braga

O tão caudaloso Rio Itapemirim; o cachorro que tinha até o sobrenome Braga; os pios produzidos na Fábrica Maurílio Coelho; o quintal da casa da Rua 25 de Março, o velho pé de fruta-pão.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As Ilhas de Vitória - Por Délio Grijó

A Ilha das "Cobras", seus proprietários são os herdeiros do Sr. Alfredo Alcure, industrial de muito conceito em Vitória

Ver Artigo
Hoje em dia - Por Carlos Tourinho

Assim como poderíamos imaginar que o Centro da cidade, hoje em processo de esvaziamento e em campanha de revitalização, poderá voltar a ser um lugar bom de se morar

Ver Artigo
Os Acqua Loucos e a inauguração do Clube Cauê

Na Praia de Santa Helena, ao lado da atual Praça Cristóvão Jacques, que tanta controvérsia vem causando, sobre o Morro Itapebuçu, localizavam-se as instalações da Western Telegraph Company

Ver Artigo
Encerramento do livro: No tempo do Hidrolitrol

Trata-se do texto cujo título é "Encontro Desastroso", do livro "Coquetel de Saudades", de Dario Derenzi

Ver Artigo
Praia Tênis Clube - Por Sérgio Figueira Sarkis

Lembro de alguns com a presença de Affonso Queiroz do Valle, Evanildo Silva, Luiz Paulo Dessaune, Reynaldo Broto e Vânia Sarlo

Ver Artigo