Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Os ianques do Rio Doce

Capa do Livro: Nossa Vida no Brasil (IMIGRAÇÃO NORTE-AMERICANA NO ESPÍRITO SANTO 1867-1870) - Autor: Julia Louisa Keyes - Tradutor: Célio Antônio Alcântara Silva

Os ianques do Rio Doce

O conhecimento da história é indispensável à compreensão das nossas raízes culturais, ao entendimento do presente e à construção do futuro. Sob essa perspectiva, cada livro que descreve a organização social e o cotidiano das pessoas que ocuparam, no passado, determinada área do nosso território, é essencial para conhecermos as origens, tradições e hábitos que contribuíram para a nossa formação. Enriquecendo nosso conhecimento a respeito do passado, os melhores livros também nos permitem compreender melhor os desafios do presente e o potencial de que dispomos para a construção de um futuro melhor. Afinal, embora tratem de outro tempo, eles falam de seres humanos como nós e de coletividades empenhadas em construir um mundo do qual somos todos herdeiros. E o manuscrito original deste livro, datado de 1874 e organizado por Julia Louisa Keyes, constitui um documento bastante revelador de fatos ainda pouco conhecidos da história do Espírito Santo.

Creio que todos os capixabas sabem que, ao longo do século XIX, nosso Estado foi o destino de um forte movimento migratório de italianos, alemães, portugueses e espanhóis, que vieram se estabelecer em território capixaba e deixaram marcas em nossos costumes. Entretanto, só a minoria de estudiosos tem informações sobre os imigrantes norte americanos, que vieram desembarcaram no Espírito Santo em busca de terras onde pudessem retomar suas atividades agrícolas, ainda sob o impacto da abolição da escravatura, iniciativa do presidente Abraham Lincoln. Ao final da Guerra da Secessão, que durou entre 1861 a 1865, essas famílias de agricultores trocaram suas enormes fazendas no sul dos Estados Unidos da América pelas terras às margens do Rio Doce, porque no Brasil Imperial ainda predominava o regime da escravidão.

Calcula-se que cerca de quatro mil imigrantes sulistas vieram para o Brasil, e um dos personagens centrais dessa saga foi o americano Charles Grandison Gunter, fazendeiro e financista que assinou um contrato com o governo imperial de Dom Pedro II para a obtenção de terras públicas na então Província do Espírito Santo. O número de migrantes foi mínimo, se comparado ao de europeus, mas há outro aspecto importante para diferenciá-los: enquanto os naturais da Europa escolheram o Brasil com a esperança de encontrar aqui terra, trabalho e prosperidade, os norte-americanos sentiam-se em uma espécie de exílio. Os primeiros barracões que abrigaram os imigrantes ianques foram construídos em Linhares e Regência, enquanto Charles Grandison Gunter se tornava Inspetor Geral de terras da região e intermediário nas negociações entre o Império e os seus compatriotas recém-chegados.

O livro relata desde a derrota e autoexílio dos confederados sulistas até o processo de ocupação do Norte do Espírito Santo, nas últimas décadas do século XIX, e o leitor encontra nele a recuperação de mais uma faceta da formação multicultural do Espírito Santo, assim como as dificuldades naturais de adaptação dos migrantes a uma realidade radicalmente diferente daquela que deixaram em seu país de origem. Além do estranhamento dos norte-americanos com a língua e os costumes da terra, passando pelo contato com animais e insetos que desconheciam, o livro relata as formas de cozinhar e lavar a roupa, o modo de trabalho em terras capixabas e as grandes cheias do Rio Doce, recuperando para o leitor a visão do cotidiano desses homens, mulheres e crianças que deixaram sua pátria para fazer parte da nossa história.

E só por conter esse relato minucioso de uma etapa tão pouco estudada da nossa formação, como Estado e como sociedade, a obra já justifica esta edição e a leitura por parte de todos os capixabas.

O texto introdutório do livro é de autoria de Renato Casagrande – Governador do Espírito Santo

Fonte: Nossa vida no Brasil – Imigração Norte-Americana no Espírito Santo 1867-1870
Autora: Julia Louisa Keyes
Tradução e notas: Célio Antônio Alcântara Silva
Publicação: Arquivo Público do Espírito Santo, 2003

Rios do ES

Rio Piraqueaçu tem estudo inédito

Rio Piraqueaçu tem estudo inédito

Uma pesquisa, que inclui o Jacaraípe, vai mostrar como é a relação de interferência entre o rio e o mar

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As bacias dos rios Jucu e Santa Maria da Vitória

O aumento do consumo de água na Grande Vitória junto com a redução da demanda tem levado a uma conta amarga: o perigo real de racionamento

Ver Artigo
Rio da Costa – Por Seu Dedê

Rio genuinamente canela-verde, nasce e deságua dentro do município de Vila Velha. Conhecido pelos antigos como simplesmente maré

Ver Artigo
Rios Iconha e Novo: união faz a diferença

Da junção dos dois rios surge o Piúma, que desempenha papel fundamental na sobrevivência dos pescadores da região

Ver Artigo
Visitantes chegam e ficam - Itaúnas

A vila de Itaúnas é um festival de sotaques diferentes, marcando a diversidade de pessoas que fizeram a opção de viver ali

Ver Artigo
Rio Jucu

Sabe-se que o rio Jucu foi responsável pela penetração no interior dos municípios de Vila Velha, Cariacica e Viana, no final do século XIX

Ver Artigo