Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Os partidos políticos no ES

Jones dos Santos Neves e Getúlio Vargas na inauguração da Ponte Getúlio Vargas em Linhares, ES

No Espírito Santo, o movimento de redemocratização coincidiu com o observado em nível nacional. Em janeiro de 1943, o interventor João Punaro Bley foi demitido do posto e substituído por Jones Santos Neves. Este era um político espírito-santense ligado aos grandes cafeicultores e com profundos laços de lealdade a Vargas.

O interventor Jones Neves foi o articulador político, no Estado, do processo de transição para a democracia. Durante o seu governo, as legendas partidárias começaram a ser formadas.

Como era de se esperar, o pluripartidarismo instalado no país por Getúlio Vargas reproduziu-se no Espírito Santo. Cinco grandes forças partidárias aglutinaram os diversos segmentos sociais, representando seus respectivos interesses:

O PSD – Partido Social Democrático – era dominado pelos “coronéis” das grandes famílias proprietárias de terras, especialmente os cafeicultores.

O PTB – Partido Trabalhista Brasileiro – reuniu os líderes sindicais da nascente classe operária urbana de Vitória, os pequenos empresários e os comerciantes.

A UDN – União Democrática Nacional – era controlada por profissionais liberais: médicos, advogados e jornalistas. Agregou alguns grandes proprietários rurais não-getulistas.

O PRP – Partido da Representação Popular – agrupou os pequenos e médios proprietários de terras, especialmente das terras da colonização italiana e alemã onde foram fortes os remanescentes do integralismo.

O PSP – Partido Social Progressista – incorporou os dissidentes do PSD e da UDN.

Outros partidos de menor expressão política, também foram criados. É o caso do Partido Democrático Cristão (PDC), apoiado pela Igreja Católica, do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e do Partido Republicano (PR). Vale mencionar, por último, a Esquerda Democrática (ED) que, com o tempo converteu sua sigla para PSB – Partido Socialista Brasileiro.

Com a queda de Getúlio Vargas do poder, caiu também o interventor Jones Neves.

No nível federal, foi mantida a data das eleições para preenchimento dos cargos políticos. No nível estadual, todavia, o calendário foi alterado: as eleições para governador e deputados foram adiadas para 1947, quando estaria elaborada a Constituição Federal e, portanto, definido o cenário político nacional.

Isso posto, entende-se por que de 1945 a 1947 houve uma instabilidade política no governo capixaba. De uma data à outra, quatro interventores administraram o Estado. Tratando-se de administrações transitórias, não fizeram grandes realizações ou mudanças.

Em março de 1947, eleito por voto direto, Carlos Fernando Monteiro Lindemberg, do PSD, foi empossado como governador do Espírito Santo. Abria-se um novo período da história republicana no Estado, marcada pela continuidade do predomínio de forças econômicas e políticas ligadas à agricultura. O “monteirismo”, ou seja, o “coronelismo” renascia das cinzas com todo força.

 

Fonte: HISTÓRIA DO ESPÍRITO SANTO – UMA ABORDAGEM DIDÁTICA E ATUALIZADA 1535 – 2002
Autor: José P. Schayder
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2012 



GALERIA:

📷
📷


História do ES

A Província no Império

A Província no Império

Percorreu o Espírito Santo e, consequentemente, sua Capital, anos obscuros até o início da República

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Discórdias na Capitania - Início Século XVIII – Ainda o caminho das minas

À Bahia chegaram delações contra o capitão-mor Francisco de Albuquerque Teles, obrigando o governador geral a dirigir-se ao provedor da Fazenda Manuel Correia de Lemos

Ver Artigo
Franceses no Rio de Janeiro no Início do Século XVIII

O grande acontecimento que abalou a colônia, em 1710, foi o assalto comandado por Duclerc contra o Rio de Janeiro

Ver Artigo
O Construtor do Relógio da Praça Oito

Quem passa pela Praça Oito, em Vitória, vê, ali, um relógio de grande porte, mas lhe não sabe a história nem, sequer, o nome daquele que o construiu

Ver Artigo
Um bacharel morando em Vitória em 1700

Ainda no princípio do século XVIII, Vitória já contava com um bacharel formado pela Universidade de Coimbra

Ver Artigo
Esmeraldas! Esmeraldas! – Governo de Antônio Luis Gonçalves da Câmara Coutinho

O acontecimento culminante do seu período governamental foi a descoberta de minas pelo capitão Antônio Luís de Espinha

Ver Artigo