Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Os pioneiros: Degredados

Os degredados na colonização do Brasil

Portugal era um reino pequeno e pouco povoado. Esse dado pode nos ajudar a compreender por que apenas 60 pessoas embarcaram na caravela Glória a fim de iniciar o processo de conquista e ocupação da Capitania do Espírito Santo. Aliás, exceto dois funcionários públicos – um escrivão e um almoxarife -, todos eram degredados, até mesmo aqueles que, por nascimento, pertenciam à nobreza. Ou seja, nossos “pioneiros” eram criminosos que foram banidos, desterrados de Portugal para cumprir suas penas de prisão perpétua na colônia. A capitania havia se convertido, na prática, em uma “colônia penal”, refúgio de condenados pela justiça metropolitana.

Pelas informações disponíveis, Vasco F. Coutinho foi o primeiro donatário responsável pela arriscada tarefa de dar abrigo – homizio – a malfeitores. As instruções ditadas pelo rei colonizador D. João III, tornaram-se públicas por intermédio de alvará de 1534 e são esclarecedoras:

“ (...) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (...) e indo-se para morar e povoar a capitania do dito donatário, não possam lá ser presos, acusados nem demandados por nenhuma via nem modo que seja pelos crimes que cá (em Portugal) tiverem cometido (...)”


Tudo parecia conspirar contra Vasco Fernandes Coutinho. Na “faxina” que deveria ser feita nos presídios e masmorras de Lisboa só não poderiam ser retirados os bandidos acusados de heresia, sodomia, traição real e os falsificadores de moedas. No entanto, os assaltantes, os homicidas, os ladrões, os vagabundos e outros fora-da-lei de estirpe semelhante estavam entre os componentes da tripulação arregimentada. Esses párias da sociedade portuguesa iriam se transformar em aliados turbulentos, perigosos e imprevisíveis, chegando ao ponto de a Capitania do Espírito Santo, ainda no séc. XVI, ficar conhecida como “esconderijo de insubordinados, malfeitores e contrabandistas”.

 

Fonte: Livro História do Espírito Santo - uma abordagem didática e atualizada 1535 - 2002
Autor: José P. Schayder
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2013

História do ES

Revista Vida Capichaba

Revista Vida Capichaba

Vida Capichaba, existente desde 1923, já era um periódico com extensa folha de serviços prestados à cultura e à comunicação no estado

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1874 – Por Basílio Daemon

Foi mandado concluir a capela católica da Imperial Colônia do Rio Novo, sob as vistas e direção do engenheiro Joaquim Adolfo Pinto Paca

Ver Artigo
Ano de 1872 – Por Basílio Daemon

A instalação da Loja União e Progresso se deu em 1872 no pavimento térreo do sobrado à rua São Diogo - 29, localizada atrás da Catedral

Ver Artigo
Ano de 1873 – Por Basílio Daemon

Chega neste ano a galera Adolph, capitão Hupfer, procedente de Hamburgo, conduzindo a seu bordo 413 colonos pomeranos, sendo 218 homens e 195 mulheres

Ver Artigo
Ano de 1870 – Por Basílio Daemon

Em 1870 o governo geral, por aviso de 23 de abril deste ano, mandado construir um farol na barra desta capital a bem de servir aos navegantes

Ver Artigo
Ano de 1871 – Por Basílio Daemon

Falece no Convento do Carmo, frei Antônio de Nossa Senhora das Neves, prior do mesmo convento, cargo que ocupava desde 1853

Ver Artigo