Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Os remadores noturnos – Por Maria Stella de Novaes

Plano do carregamento de um navio destinado ao transporte de escravos na África

Um dos afluentes do rio Doce, o "São José", tem o seu curso envolto em névoa lendária, que nos recorda os tempos idos da escravidão, quando exploradores de minas auríferas e madeireiros audazes, que levavam negros acorrentados, visavam a descobri-las, naquelas paragens.

Dizem que existe um encantamento, em suas margens, ou no seu próprio leito. Começa a manifestar-se, ao anoitecer, quando as juritis e outras aves demandam seus ninhos, reluzem os pirilampos e a jiquitiranabóia acende seus mágicos faróis. Atinge o máximo, à meia-noite: aumenta o rumor, na confusão de fortes remadas, gritos, súplicas, reprimendas..., como se houvesse, nalgum barco, o mistério de castigos e degredados, ou vingança, entre escravos e senhores. E tal é o poder da imaginação, nos que se deixam empolgar pelas narrativas locais sobre os chamados REMADORES NOTURNOS, que os novatos, no lugar, ou passageiros, em suas margens, se sentem presas de alucinação ou desvario, como se ouvissem a respiração ofegante dos oprimidos, num barco, o percutir forte das remadas, etc. Açoites! Gemidos! ... e o narrador informa, então, que, numa das entradas históricas dos exploradores do solo espírito-santense, poderoso senhor conservava alguns escravos algemados, ao relento, no tombadilho do seu barco. Aos clamores e às súplicas dos africanos cativos, respondia, com reprimendas e chicotadas, até que, na fúria do castigo, na revolta do branco, perante a reação do oprimido, a distração do comando levou o barco a chocar-se com uma rocha submersa.

Afundou-se, para sempre. Deixou, naquelas águas, apenas a perene gravação de vozes elevadas pelo sofrimento, que a bênção do Céu vem amenizar, com a réstia do luar e o beijo luminoso das estrelas.

À medida, por isso, que a noite avança, os astros cintilam e a Lua espraia o seu clarão, na tranqüilidade imponente do rio, vão-se acalmando os lamentos, dissipa-se o encanto, quietam-se as aves, repousam os animais, em suas tocas! ... Pode, então, o homem, apreciar o firmamento espelhado, na torrente misteriosa do "Rio São José", porque toda a Natureza é Paz, na magnificência do Belo.

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2015

Folclore e Lendas Capixabas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As minas do Castelo- Por Adelpho Monjardim

Atribui-se aos jesuítas, ainda no Século XVII, o desbravamento do território do Município de Castelo

Ver Artigo
Chico DAnta, o Violeiro Escravo de São Benedito

O professor Elias perguntou de que família era ele. Chico respondeu: A prugunta num tá certa não. Voscimicê quer sabe de que família nóis era escravo, né?

Ver Artigo
Lendas, folclore, crendices de tropeiros – Por Ormando Moraes

Os tropeiros divulgavam também o caso da figueira mal assombrada da Fazenda do Bandeira, perto de Calçado, onde se ouviam gemidos e gargalhadas à noite

Ver Artigo
Carnaval em Muqui

Veja como participar do carnaval folclórico de Muqui!

Ver Artigo
Carnaval - Por Renato Pacheco

Segundo Paulo Vellozo, grande folião da década de 30, depois que se extingüiu o Pega a Nega, no Clube Vitória, surgiu o Solta a Nega, bloco de rapazes, que substituiu a velha guarda

Ver Artigo