Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Paneleiras

Paneleira

Goiabeiras e paneleiras não é apenas uma rima, é muito mais. As duas se moldam e se fundem. Sem Goiabeiras não há paneleira e vice-versa. São essas mulheres humildes, que se encarregam de preservar essa tradição secular, herdada dos indígenas, e que hoje é, sem dúvida, o mais importante manifestação cultural capixaba.

É também a fonte de renda de mais uma centena de pessoas, que diariamente se concentram no galpão de Associação das Paneleiras de Goiabeiras, criada em 15 de março de 1987, e nos quintais de muitas moradias; dali tiram seu sustento e o sustento dos filhos. Não é muito, mas em épocas boas o faturamento mensal pode chegar a R$ 500,00.

A panela de barro pode ser feita com diversas técnicas de cerâmica. No Espírito Santo a cerâmica de Goiabeiras se destaca em função da persistência de sua técnica de confecção, por ser utilitária e pelo uso de matérias-primas naturais.

A produção artesanal da cerâmica popular de Goiabeiras foi contínua porque sempre foi utilitária. Algumas modificações de aspecto funcional, como a colocação de alças nas laterais das panelas, detalhe raramente encontrado na cerâmica indígena, deve ter isso a solução encontrada pelas paneleiras para o uso das panelas de barro em fogões e posteriormente para o uso em mesas.

As panelas de barro de Goiabeiras são feitas utilizando diversos elementos naturais e artificiais e procedimentos técnicos específicos. A argila é extraída de um barreiro do Vale do Mulembá, no bairro Joana D’Arc, em Vitória. Essa argila foi formada pela decomposição de rochas gnáissicas misturadas, com argilitos, micas e outros elementos.

 

Fonte: Goiabeiras – Coleção Elmo Elton, 2000
Autor: Nilo de Mingo Jr.
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2012 

Folclore e Lendas Capixabas

Superstições

Superstições

Para cada momento, criou a imaginação popular, na sua eterna ingenuidade um punhado de superstições, transmitidas de geração a geração, séculos afora

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo
Os Santos Populares – Por Aerobaldo Lellis Horta

Santo Antônio, São João e São Pedro foram sempre considerados santos populares

Ver Artigo