Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Paneleiras

Paneleira

Goiabeiras e paneleiras não é apenas uma rima, é muito mais. As duas se moldam e se fundem. Sem Goiabeiras não há paneleira e vice-versa. São essas mulheres humildes, que se encarregam de preservar essa tradição secular, herdada dos indígenas, e que hoje é, sem dúvida, o mais importante manifestação cultural capixaba.

É também a fonte de renda de mais uma centena de pessoas, que diariamente se concentram no galpão de Associação das Paneleiras de Goiabeiras, criada em 15 de março de 1987, e nos quintais de muitas moradias; dali tiram seu sustento e o sustento dos filhos. Não é muito, mas em épocas boas o faturamento mensal pode chegar a R$ 500,00.

A panela de barro pode ser feita com diversas técnicas de cerâmica. No Espírito Santo a cerâmica de Goiabeiras se destaca em função da persistência de sua técnica de confecção, por ser utilitária e pelo uso de matérias-primas naturais.

A produção artesanal da cerâmica popular de Goiabeiras foi contínua porque sempre foi utilitária. Algumas modificações de aspecto funcional, como a colocação de alças nas laterais das panelas, detalhe raramente encontrado na cerâmica indígena, deve ter isso a solução encontrada pelas paneleiras para o uso das panelas de barro em fogões e posteriormente para o uso em mesas.

As panelas de barro de Goiabeiras são feitas utilizando diversos elementos naturais e artificiais e procedimentos técnicos específicos. A argila é extraída de um barreiro do Vale do Mulembá, no bairro Joana D’Arc, em Vitória. Essa argila foi formada pela decomposição de rochas gnáissicas misturadas, com argilitos, micas e outros elementos.

 

Fonte: Goiabeiras – Coleção Elmo Elton, 2000
Autor: Nilo de Mingo Jr.
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2012 

Folclore e Lendas Capixabas

Nossa Senhora da Prainha – Por Maria Stella de Novaes

Nossa Senhora da Prainha – Por Maria Stella de Novaes

Repentinamente desabou uma carga d'água tão violenta que, em cinco minutos, as ruas ficaram alagadas. Dispersaram-se os fiéis como por encanto

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Judeu Pescador ou Lenda de Brás Gomes - Por Maria Stella de Novaes

Brás Gomes, o pescador, desejoso de preparar-lhe um oratório, ou lugar adequado, conservava-o numa caixa de madeira, que lhe servia de banco, em sua casa

Ver Artigo
O Penedo - Por Adelpho Monjardim

Defrontando o antigo Forte de São João, sede atual do “Clube de Regatas Saldanha da Gama”, ergue-se o Penedo

Ver Artigo
Crendices, Orações e Benzimentos

As orações, rezas, benzimentos, e responsos eram muito usados pelos nossos antepassados. E nesse gênero também, o nosso folclore é rico

Ver Artigo
Simpatias de São João

Um santo muito comemorado no mês de junho é São João. Esse santo é o responsável pelo título de "santo festeiro"

Ver Artigo
Contos e Estórias - Por Maria da Glória de Freitas Duarte

Da Vila Velha do passado muito se tem o que contar. Dentre os inúmeros contos e estórias conhecidos das gerações passadas e quase sempre de fundo religioso, selecionamos os seguintes:

Ver Artigo