Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Paulo Amorim - Recordista Mundial

Paulo Amorim - Recordista Mundial

O marlin azul foi mais do que uma aventura na vida do capixaba Paulo Roberto Amorim. O rei dos mares mudou a vida do empresário desde que ele fisgou o recorde mundial da espécie, homologado pelo International Game Fish Association (IGFA): 636 kg, em 29 de fevereiro de 1992, no litoral de Vitória, Espírito Santo, a bordo da lancha Duda Mares. 

O recorde trouxe a fama e, com ela, o assédio. Pescadores de todas as partes queriam pescar com ele. Paulo Amorim acertava as datas no fim de semana, conforme a disponibilidade. Depois fez uma parceria com o dono de uma lancha para poder atender mais pedidos até que, em 1997, ergueu a própria pousada em Guarapari, litoral capixaba. Por muito tempo, o empresário se dividiu entre os negócios com granito em Rondônia e a pousada exclusiva para pescadores de marlin, onde contava com a ajuda da esposa Carmen. 

O recordista lembra que nem estava preparado para brigar com um peixe tão grande. A pancada foi forte, mas ele não conseguia avaliar o tamanho. "A briga demorou uma hora e meia, ele me machucou tanto que teve uma hora que eu pensei: rapaz, tomara que a linha estoure para o peixe ir embora". 

A quem interessar, Paulo Amorim passa a receita para fisgar o marlin. São só 3 ingredientes: 
primeiro, o peixe; segundo, o material adequado e por último, a técnica. Esta é a parte mais difícil. Antes que alguém consiga, ele mesmo tentou bater o próprio recorde. Mas achava difícil que alguém iguale a façanha tão cedo, ou seja, nas próximas décadas.

Falecimento

No Natal de 2006, a pesca esportiva brasileira sofreu uma grande perda.

Amorim estava internado no Hospital Santa Rita desde outubro, em decorrência de um acidente automobilístico. Amorim morava em Guarapari e na noite do acidente se dirigia ao Iate Clube do Espírito Santo, onde receberia uma premiação de pesca. Porém, o pescador perdeu o controle de sua caminhonete e chocou-se frontalmente com um poste de aço.

Quando da entrada no hospital, Amorim apresentava ferimentos leves e estava lúcido, mas sofreu uma recaída e permaneceu internado, alternando seu estado de saúde até o dia 25 de dezembro, quando não resistiu e faleceu.

Nos 67 dias em que esteve internado, o quadro de saúde dele se alternou várias vezes entre melhoras e recaídas. Cinco anos antes, Paulo Amorim perdeu um filho, Paulo Eduardo, o Duda, de 19 anos, em um acidente de carro em Minas Gerais

O corpo de Paulo Amorim foi sepultado no Cemitério Parque da Paz, em Ponta da Fruta, Vila Velha.

LINKS RELACIONADOS:

>> A pesca do Marlim Azul
>> Paulo Amorim



GALERIA:

📷
📷


Personalidades Capixabas

Maurício de Oliveira

Maurício de Oliveira

Quem nunca viu um violão rir, cantar, chorar, lamentar-se, dançar ou meramente conversar, não viu o músico Maurício de Oliveira acariciar as cordas de seu Takamine, o violão utilizado por ele em suas apresentações. Nas mãos do mestre, este objeto inanimado de madeira com seis cordas se transforma. Cria vida e é capaz de arrancar suspiros involuntários da platéia, seja ela composta por duas ou duas mil pessoas. Como amante atencioso, Maurício de Oliveira conhece bem cada som de seu instrumento, e vê-lo tocar é um ato de profundo amor".

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Tribunal de Contas – Por Eurico Rezende

Cogitada desde o início do Império, a criação de um órgão de controle orçamentário e financeiro só se verificou em 1890, mercê do gênio de Ruy Barbosa

Ver Artigo
Liberalismo e Solidarismo – Por Eurico Rezende

Estão registrados, quer em passado remoto, quer em época recente, antes de encerrar minha carreira eleitoral

Ver Artigo
Sobre armas e milk shake – Por Antônio Carlos Neves

As doze horas e quarenta minutos do dia primeiro de abril de 1964, neste momento a Fafi foi invadida

Ver Artigo
O brilho da metade do céu – Movimento Feminista

As feministas iniciaram sua organização no estado, mais precisamente em Vitória, nos anos 80

Ver Artigo
Prestando Contas – Por Eurico Rezende

Hoje, neste mês vestibular de 1988 coloco-me na longa esteira de recordações do trabalho inovador que desenvolvi no preparo da Constituição em vigor

Ver Artigo