Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Pedra DÁgua

Pedra DÁgua - Hospedaria

Segundo o historiador Levy Rocha, o Sítio Pedra D'Água (onde está a penitenciária Estadual), pertence ao Município de Vila Velha ficando a cerca de meia légua do centro urbano. Deste sítio o visitante descortina todo o prolongamento mais estreito da baia de Vitória. O nome Pedra D'Água originou-se da grande pedra isolada que aflora na margem da baía. Desde o tempo das Capitanias a região ficou sendo parada obrigatória dos viajantes que aqui passavam com destino ao norte e ao sul do país. Só em 1848 o Vice-Presidente da Província lamentou o desconforto dos viajantes que perdiam tempo aguardando por uma embarcação que os ajudasse na travessia, razão pela qual sugeriu a criação de um sistema de barcaça apropriada, tipo daquela usada no rio Paraíba.

Só em 1848 o Vice-Presidente da Província lamentou o desconforto dos viajantes que perdiam tempo aguardando por uma embarcação que os ajudasse na travessia, razão pela qual sugeriu a criação de um sistema de barcaça apropriada, tipo daquela usada no rio Paraíba.

Dentre os viajantes que por ela passaram destacamos o renomado naturalista e zoólogo, o príncipe alemão Maximiliano de Wied Newied, no dia 19 de dezembro de 1815 que pernoitou na cabana de um antigo morador enquanto esperava por transporte para a margem oposta.

Em 10 de outubro de 1818, o naturalista francês August de Saint Hilaire, por ali passando registrou observações sobre a extensão da baía e suas ilhas internas, o Morro do Moreno, o Monte do Convento da Penha, o Morro Jaburuna com o Sítio de Santinho, a pujante elevação do Mestre Álvaro, as inúmeras choupanas na margem oposta e a bela residência do Capitão-Mor em Jucutuquara e a Pedra dos Olhos, para onde deveria seguir. Divisou o Rio Aribiri e deteve-se nos detalhes da sua embocadura. O Capitão-Mor Francisco Pinto o recebeu com alegria e prometeu alojá-lo em sua casa, porém, sugeriu que retornasse para o Sítio de Santinho e que, no dia seguinte mandaria buscá-lo com toda sua gente e bagagem. Nesta oportunidade o proprietário do sítio revelou grande ódio aos Botocudos dizendo: "são como os franceses, só gostam de guerra". Até então não conhecia a identidade do ilustre visitante.

 

HOSPEDARIA DOS IMIGRANTES

A imigração no Espírito Santo teve início com a chegada dos açorianos que foram estabelecidos em Viana no ano de 1813. Depois vieram os alemães, os italianos, os poloneses, os americanos do norte, etc. Para recebê-los era indispensável a construção de uma hospedaria para os alojar durante o período de quarentena. Mais tarde essa edificação foi adaptada para servir à Guarda Nacional e, por último, foi transformada em Presídio Estadual. Em 1910, foi ela considerada pelo Diretor de Agricultura, Terras e Obras, Dr. Antônio Francisco de Athayde, como uma das mais importantes obras que André Carloni projetou para o governo estadual, passando a aquartelar a Sétima Companhia de Caçadores Isolados e, após receber instalações elétricas, recebeu o contingente da Força Federal. Depois de reformada no governo Nestor Gomes (1920-1924) e administrada pelo Diretor de Obras, Dr. Florentino Avidos, o edifício ressurgiu definitivamente como Penitenciária Estadual, tal como está hoje.

 

Autor: Edward Alcântara

 

LINK RELACIONADO:

 Visita de D. Pedro II ao ES



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Festa da Polenta

Festa da Polenta

A Festa da Polenta surgiu por iniciativa do Padre Cleto Caliman, em 1978, quando foi convidado para ir a uma Festa da Polenta em Sagrada Família, no município de Alfredo Chaves, no Espírito Santo. Ele achou a idéia ótima e resolveu criar a festa em Venda Nova, onde o prato principal era a polenta.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo
Daemon dedicou seu livro ao imperador, D. Pedro II

É, Senhor, o fruto de um trabalho aturado, feito e publicado sob nossas únicas expensas, e que, com dificuldade e sacrifício o concluímos

Ver Artigo
As expedições e as suas conclusões - Por Estilaque Ferreira dos Santos

Não se pode deduzir que antes desta doação a capitania já teria sido “descoberta” e explorada pelos navegantes portugueses

Ver Artigo