Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Penúria dos cofres públicos no ES, nos anos 20 do Século XIX

Dom Pedro I - Principe Regente do Brasil

As agitações políticas empolgavam todos os espíritos. Houve quase um hiato nas demais atividades. As rendas públicas caíram a ponto de se tornarem insuficientes para cobrir as despesas com o funcionalismo, o que levou o governador a pedir ao Príncipe Regente licença para dispensar alguns serventuários.(19) Sobre tal penúria, a ameaça de ser recolhida diretamente pela Tesouraria-mor do Real Erário a arrecadação dos impostos do distrito de Campos, o que viria privar a Capitania de seu maior contribuinte.(20)

Não existindo, ao tempo, prelos na terra, em lugar do jornal impresso lia-se o pasquim manuscrito. Repetidamente, em sua correspondência para os ministros de D. Pedro, o governador se queixa da linguagem e das ameaças à sua pessoa, veiculadas naqueles papeluchos.(21)

 

NOTAS

(19) - Ofício de três de agosto de 1821 (Gov. ES, II).

(20) - Dizia o governador constar que “alguns indivíduos da Vila dos Campos Goitacazes” solicitavam que as rendas daquele distrito entrassem diretamente na Tesouraria-mor do Real Erário. Combatendo a sugestão, Sousa Botelho escreveu “que as Rendas Reais do Distrito de Campos são as únicas, pode-se assim dizer, que a Junta da Real Fazenda desta Província tem para suas despesas indispensáveis, e para as quais nem chegam, e que conseguindo os pretendentes o deferimento como solicitam, tornar-se-á esta mesma Província uma habitação de mendigos.” Anteriormente, em 1810, fora, pela Coroa, atendida idêntica petição dos habitantes de Campos. Melhor instruído, o governo revogou o despacho (Gov. ES, II).

(21) - Gov ES, II.

– RUBIM afirma ter visto um, escrito com tinta vermelha, que dizia: “Se nesta vires trinta do corrente / Morrerás, corcunda, infalivelmente” (Memória, 351).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, dezembro/2017

História do ES

Fortificações da Praça de Vitória

Fortificações da Praça de Vitória

1726 – É mandado levantar neste ano pelo Vice-rei do Estado Conde de Sabugosa, cinco fortalezas na baía desta capital, de que fora incumbido o Engenheiro Nicolau de Abreu

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1554 e 1555 – Por Basílio Daemon

Partiu para Portugal o donatário Vasco Fernandes Coutinho, deixando em seu lugar, para administrar a capitania, D. Jorge de Menezes 

Ver Artigo
Ano de 1550 – Por Basílio Daemon

A Alfândega, pelas investigações que fizemos, e como adiante se verá, no século XVII parece-nos ter sido estabelecida no local em que existe a casa de propriedade do Sr. Firmino de Almeida Silva 

Ver Artigo
Ano de 1539, 1540, 1547 e 1549 – Por Basílio Daemon

A escritura de doação foi firmada ainda em 1540, no entanto apenas em 1549 o monarca assinaria a carta de confirmação dela a pedido de Duarte de Lemos   

Ver Artigo
Doação da Ilha de Vitória a Duarte de Lemos

Mais uma vez a história do Espírito Santo traz “novos” fatos que favorecem o fim da cobrança da taxa de marinha na Ilha de Vitória

Ver Artigo
A antiga localização de Santa Catarina das Mós

No mapa do Império Brasileiro, de 1868 e elaborado por Cândido Mendes, a localidade de Santa Catarina das Mós situava-se ao sul da foz do rio Itabapoana

Ver Artigo