Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Penúria dos cofres públicos no ES, nos anos 20 do Século XIX

Dom Pedro I - Principe Regente do Brasil

As agitações políticas empolgavam todos os espíritos. Houve quase um hiato nas demais atividades. As rendas públicas caíram a ponto de se tornarem insuficientes para cobrir as despesas com o funcionalismo, o que levou o governador a pedir ao Príncipe Regente licença para dispensar alguns serventuários.(19) Sobre tal penúria, a ameaça de ser recolhida diretamente pela Tesouraria-mor do Real Erário a arrecadação dos impostos do distrito de Campos, o que viria privar a Capitania de seu maior contribuinte.(20)

Não existindo, ao tempo, prelos na terra, em lugar do jornal impresso lia-se o pasquim manuscrito. Repetidamente, em sua correspondência para os ministros de D. Pedro, o governador se queixa da linguagem e das ameaças à sua pessoa, veiculadas naqueles papeluchos.(21)

 

NOTAS

(19) - Ofício de três de agosto de 1821 (Gov. ES, II).

(20) - Dizia o governador constar que “alguns indivíduos da Vila dos Campos Goitacazes” solicitavam que as rendas daquele distrito entrassem diretamente na Tesouraria-mor do Real Erário. Combatendo a sugestão, Sousa Botelho escreveu “que as Rendas Reais do Distrito de Campos são as únicas, pode-se assim dizer, que a Junta da Real Fazenda desta Província tem para suas despesas indispensáveis, e para as quais nem chegam, e que conseguindo os pretendentes o deferimento como solicitam, tornar-se-á esta mesma Província uma habitação de mendigos.” Anteriormente, em 1810, fora, pela Coroa, atendida idêntica petição dos habitantes de Campos. Melhor instruído, o governo revogou o despacho (Gov. ES, II).

(21) - Gov ES, II.

– RUBIM afirma ter visto um, escrito com tinta vermelha, que dizia: “Se nesta vires trinta do corrente / Morrerás, corcunda, infalivelmente” (Memória, 351).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, dezembro/2017

História do ES

Folia de Reis

Folia de Reis

Os bonecões, o Boi Pintadinho, o Bicho Jaraguá "de corpo de gente e cabeça de animá", as danças de quadrilha

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Victória – Cidade Presépio, 1937

A linda capital do Espírito Santo. A cidade de Vitória está situada numa ilha banhada por águas do oceano Atlântico

Ver Artigo
Os cônsules no Espírito Santo

São representantes junto ao Governo do Estado, com residência nesta capital

Ver Artigo
Corpo de Bombeiros e Polícia Militar do ES

A Polícia Militar do Espírito Santo é uma das mais eficientes do Brasil. Também o é assim o Corpo de Bombeiros de Vitória

Ver Artigo
Movimento Natural da População do Espírito Santo em 1937

Empenhados em que sejam conhecidos, com a maior rapidez, os resultados do movimento natural da população do Estado (movimento do registro civil), durante o ano de 1937, organizamos as tabelas que se seguem

Ver Artigo
A Penitenciária do ES – Governo Punaro Bley

Turmas de convictos passaram a trabalhar no cultivo das terras adjacentes nos limites da Penitenciária, ou nas suas pedreiras, 

Ver Artigo