Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Perfil: Vadinho Vieira

Seu Vadinho dono do Restaurante Recanto Baiano

Valdomiro Vieira, ou, Vadinho Vieira para os mais conhecidos, nasceu na cidade de Jânio Quadros, interior da Bahia e ainda jovem mudou-se para Itapetinga com a família. Filho de Olimpio Vieira e Lídia Vieira, Vadinho passou a trabalhar no comércio daquela cidade do interior da Bahia, rica na pecuária de gado e corte.

Seu pai sempre foi a referência da personalidade de Vadinho. Olimpio foi delegado de Itapetinga e tinha muitos amigos na região. Hoje, a cidade tem até uma avenida com seu nome. Vadinho casou com Divanir Coelho Vieira e tinha, em Itapetinga, comércio de carros, mas passou a trabalhar com bar e foi responsável pela inauguração do principal bar e lanchonete da cidade, o Maringá.

Em 1970 resolveu, a convite do irmão Lindauro Vieira, conhecer Vila Velha, onde o irmão tinha um pequeno bar na Praia da Costa. Ele simplesmente se apaixonou pelo lugar e deixou a Bahia. No dia oito de setembro de 1970, chegou ao Espírito Santo, onde naquele dia se comemorava a festa da cidade de Vitória e ele já dizia que era festa para recebê-lo.

Antes de buscar a família na Bahia arrendou um local para instalar o seu bar, dando início a todo um trabalho que, brilhantemente, vem levando até hoje na Praia da Costa, o Restaurante Recando Baiano.

Inicialmente o restaurante funcionou na parte térrea do Edifício Sereia e no ano de 1972 passou para o terreno em frente e está neste local até hoje. O Recanto Baiano sempre teve uma freguesia muito assídua e muitas histórias que só o Vadinho pode contar: casais que namoravam no Recanto Baiano e que hoje levam filhos e até netos para almoçar por lá.

Sempre atento à qualidade da comida do restaurante e ao atendimento, Vadinho recebe turistas e fregueses que por ali passam, com a mesma simpatia e atenção ao longo desses 35 anos. Nestes anos sempre foi servida com a mesma qualidade desde a deliciosa feijoada, saboreada todos os sábados, à tradicional culinária baiana e capixaba.

No dia 22 de março Vadinho completou 80 anos de idade e recebeu amigos, parentes, filhos, netos e funcionários do Recanto Baiano para comemorar seu aniversário. O que podemos mais falar desse baiano que adotou o Espírito Santo como o estado ideal para se viver e criar os filhos? Acho na verdade o Espírito Santo é que adotou Vadinho e fez dele referência de vida e de amizade para todos os capixabas que passam por seu Restaurante diariamente.

Se você quiser saber mais da história de Vadinho visite o site na internet www.recantobaiano.com.br ou visite o próprio Vadinho no Recanto Baiano. Ele, aos 80 anos de idade, está lá, todos os dias e noites com a mesma vitalidade de um garoto de vinte anos. Parabéns Vadinho! Esse presente de vida é de todos nós.

E uma novidade é que o Recanto Baiano agora também é legitimamente capixaba. Isso porque Valdomiro recebeu o título de Cidadão Espírito Santense, por meio do projeto de lei nº 102/2007, do deputado Marcelo Santos.

 

Fonte: Revista Abrav – nº 2/ 2006 e A Tribuna de 30/07/2007
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2012

Personalidades Capixabas

Basílio Daemon

Basílio Daemon

Classificado como o quinto historiador capixaba, na ordem cronológica, por Afonso Cláudio, Basílio Carvalho Daemon merece maior destaque pela sua atuação no jornalismo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Tribunal de Contas – Por Eurico Rezende

Cogitada desde o início do Império, a criação de um órgão de controle orçamentário e financeiro só se verificou em 1890, mercê do gênio de Ruy Barbosa

Ver Artigo
Liberalismo e Solidarismo – Por Eurico Rezende

Estão registrados, quer em passado remoto, quer em época recente, antes de encerrar minha carreira eleitoral

Ver Artigo
Sobre armas e milk shake – Por Antônio Carlos Neves

As doze horas e quarenta minutos do dia primeiro de abril de 1964, neste momento a Fafi foi invadida

Ver Artigo
O brilho da metade do céu – Movimento Feminista

As feministas iniciaram sua organização no estado, mais precisamente em Vitória, nos anos 80

Ver Artigo
Prestando Contas – Por Eurico Rezende

Hoje, neste mês vestibular de 1988 coloco-me na longa esteira de recordações do trabalho inovador que desenvolvi no preparo da Constituição em vigor

Ver Artigo