Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Peroás e Caramurus

Rua Caramuru, antiga Ladeira do Fogo

O dia 28 de dezembro de 1832, festa de S. Benedito, amanheceu chuvoso. A Irmandade do Santo padroeiro dos negros havia difundido grande devoção no povo capixaba. S. Benedito venerava-se no altar-mor da Capela da Ordem Terceira de S. Francisco. Era guardião Frei Manoel de Santa Úrsula, natural da Província, filho de proprietário de terras, lá para as bandas de Santo Antônio.

A Fé remove montanhas; por isso, a Irmandade não teia tempo ameaçador. Santa Úrsula determinara que a procissão não se fizesse. Temperamental, gostava de ser obedecido. A mesa da Confraria estava, porém, disposta ao sacrifício da intempérie para homenagear o padroeiro milagroso e querido. Ponderou ao Frei Guardião. Discutiram, exaltaram-se. Santa Úrsula, irredutível e prepotente, em meio aos protestos, mandou que os escravos do Convento atirasse, pela janela afora os castiçais, opas e tochas da Irmandade. Estava terminada a festa, começava a luta. Por precaução, o frade levou a imagem veneranda, responsável pela briga, para a sua cela, trancou a porta e abalou-se para a fazenda de seu pai. Os escravos montaram-lhe guarda. Frei Antônio de S. Joaquim, bonachão e otogenário, no último Capítulo fora eleito para suceder a Santa Úrsula.

O incidente parecia encerrado. O Guardião recolocou a imagem de S. Benedito no seu nicho. Mas, no domingo de 23 de setembro de 1833, pela manhã, às sete e meia, antes da missa conventual das oito horas, as ruas eram desertas ainda. Eis que os fanáticos Domingos do Rosário, o africano forro Antônio Mota, o crioulo Elias Coelho, adrede instruídos, esquadrinhando-se pela Ladeira do Frade, penetram sorrateiramente na Capela de São Francisco e furtam a imagem cobiçada. Em corrida prudente pelos Pelames e Largo da Conceição alcançaram a igreja do Rosário, onde os sinos deram em desafiar o foguetório pelo regozijo da empreitada. A festa entonteceu os ânimos da facção cindida da Irmandade. Elegeu-se uma guarda de honra para vigiar a imagem furtada. A preferência recaiu nos irmãos Tenente Antônio Augusto Nogueira da Gama e Capitão Francisco Rodrigues de Barcelos Freire.

Assim, nasceu a dualidade das Confrarias de S. Benedito. Uma legitimista, com sede no Convento de S. Francisco, outra “protestante”, acolhida na Igreja de N. S. Do Rosário. As duas facções desavieram-se de modo formal. Do bate-boca acalorado e dos recados atrevidos passaram às vias de fato inúmeras vezes. O povo dividiu-se e do campo religioso passou à política como não podia deixar de acontecer.

Os dissidentes apelidaram os conformados de “Caramurus”, nome dado a uma casta de peixes não muito estimada. Em revide receberam, os “protestantes”, o nome de “Peroás”, peixe também de pior cotação nas bancas dos pescadores. A dissenção durou quase um século. Em Vitória, não houve neutros. Os conservadores apoiaram os “Caramurus” e os liberais se filiaram aos “Peroás”. A Ladeira do Fogo recebeu o nome de “Caramuru”, por servir de acesso ao Convento de São Francisco. Duas filarmônicas se fundaram, cada uma mantida pela respectiva confraria protetora.

Quer a de farda verde, cor do estandarte da S. Benedito do S. Francisco, quer a de uniforme cor de tabaco do escudo de N. S. do Rosário, concorreram para difusão do gosto pela música, entre as classes humildes da cidade. Anualmente, os catraieiros e pescadores mediam forças em regatas animadíssimas, à sombra dos galhardetes das Irmandades rivais! O assunto pertence hoje ao folclore capixaba. As irmandades fundiram-se numa só e já não despertam nem a devoção nem o entusiasmo das festas do passado.

 

Fonte: Biografia de uma Ilha,1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2012 

 

LINKS RELACIONADOS:

>> Franciscanos no ES 
>> Peixes catalogados em 1862 no ES 
>> Folclore Capixaba    



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Dia do Capixabismo – Por Francisco Aurélio Ribeiro

Dia do Capixabismo – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O dia de hoje deveria ser feriado estadual e não apenas municipal. O capixaba tem baixa auto-estima e pouco sabe de sua história e de sua cultura

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Acontecimentos e Curiosidades do Século XVIII – Por Serafim Derenzi

De noite não se permitia o porte de armas. Leva-me isso a admitir que as rixas, à luz do sol, eram menos dolosas e mais toleradas

Ver Artigo
Arquitetura Colonial do Século XVIII – Por Serafim Derenzi

É bastante considerar os poucos logradouros da cidade, que guardaram os eixos diretores daquela época: Rua Duque de Caxias, Maria Ortiz, Prof. Azambuja, José Marcelino...

Ver Artigo
A Irmandade de São Gonçalo Garcia – Por Serafim Derenzi

Na planta de Vitória, levantada em 1767, já figura a igreja, antecipada de um cemitério

Ver Artigo
Um Major turbulento, mas honesto – Por Serafim Derenzi

Reconstruiu a aldeia de Coutins, destruída pelos índios, dando-lhe a denominação de Linhares

Ver Artigo
Números Miúdos de Vitória de 1790 – Por Serafim Derenzi

Números miúdos, porém, significativos. A população de vitória, em 1790, é de 7.225 habitantes

Ver Artigo