Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Porque a Revolução – Por Eurico Rezende

João Goulart e o seu cunhado Leonel Brizola

O Movimento de Março, como acentuei na Introdução deste livro, correspondeu ao interesse nacional superlativamente agredido. É necessário, sobretudo às novas gerações, o estudo dos acontecimentos daquela distante e amargurada época.

Imperiosa se torna a invoção penosa do quadro de desolação e de medo-pânico, que se descortinava ao longo de 1963, perante as frentes de nosso trabalho e diante do estarrecimento e da revolta impotente de nossos espíritos.

A renúncia sem grandeza de um Presidente que era, no pessimismo que enfermava a Nação, como que a derradeira esperança; a sabotada e vilipendiada experiência parlamentarista; o retorno ao presidencialismo, empós premeditado e corruptivo trabalho de intoxicação popular; a marcha estugante para o caos econômico-financeiro, oficialmente confessada e demonstrada na substituição de seis Ministros da Fazenda em apenas um ano; a corrida inflacionária, com todas as suas implicações subversivas, já atingindo os últimos paroxismos do perigo e as cercanias do desastre final e da letalidade do equilíbrio social; o impacto do negativismo do "zero" sinistro assolando o Produto Bruto Nacional; o ingresso do capital estrangeiro decrescendo de modo galopante e com justificada perspectiva de desaparecimento total; a queda vertiginosa dos índices agropecuários; o declínio acelerado dos produtos de alimentação; a redução vigorosa da taxa de crescimento das matérias-primas destinadas à indústria; o decesso na pauta de exportações, acusando déficit superior a oitenta milhões de dólares; a virulência das campanhas de exasperação ideológica nas comunidades urbanas e rurais; o desmantelamento das nossas redes de transporte de grandes massas, notadamente o ferroviário e o marítimo; o locupletamento e a profissionalização do sindicalismo por minorias aguerridas e qualificadamente preparadas na propagação dos desígnios de um nacionalismo de importação; o aliciamento para a luta operária, orientada e dinamizada por órgãos espúrios a mobilização dos setores culturais na preparação da guerra revolucionária; os toques permanentes no acirramento da tensão emocional; o uso constante e a propaganda da motivação deletéria erigida no regime de Cuba, sob a capa de defesa dos princípios da autodeterminação e da não intervenção, mas na realidade com o objetivo de atrair a sua expansão criminosa; a cruzada da calúnia, da injúria da difamação e do ódio contra os valores da civilização ocidental na agressão passional aos arsenais da democracia e da liberdade; o desespero delinquente do cunhadio estentório e carbonário, ante a barreira constitucional da inelegibilidade, visando a alcançar o poder pela maldição da violência; a abdicação, quase sempre consciente, por parte do Chefe do Governo, das prerrogativas e dos deveres da magistratura, preferindo proceder como comandante e usuário de partido, ao revés de exercer a isenta liderança institucional do País, na obsessão em favor apenas dos dividendos políticos e dos investimentos eleitorais, colhidos na diluição da autoridade e à custa da baderna das ruas e da agitação dos campos a tentativa de desmoralização das Forças Armadas, pelo ultrage à sua coesão e pelo dessangramento do seu intocável patrimônio disciplinar, procurando, através das pressões da tropa alucinada desviá-las da vigilante missão constitucional — todos esses fatos e circunstâncias atestavam, de modo inequívoco, que estávamos diante de um processo de decomposição nacional, em sua etapa celeremente conclusiva.

Estas, em resumo as, razões que determinaram a eclosão revolucionária, com o apoio integral da sociedade brasileira.

 

Fonte: Memórias – Eurico Rezende– Senado Federal, 1988
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2018

Curiosidades

A cana-de-açúcar foi a primeira cultura

A cana-de-açúcar foi a primeira cultura

Dez anos depois do desembarque do primeiro donatário, já estavam instalados, em 1545, na Capitania do Espírito Santo, quatro engenhos de açúcar 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Pedra da Onça - Por Seu Dedê

Localizada à margem esquerda do canal da Costa, braço sul. De frente ao Shopping Praia da Costa 

Ver Artigo
Barra do Jucu – Por Seu Dedê

No ano de 1886, administrada pelo doutor Antônio Athayde, foram feitos os reparos, sendo a obra dividida em três lances unidos por um aterro

Ver Artigo
As Modas – Por Areobaldo Lellis Horta

Casando-se, a moça modificava logo sua toalete, passando a usar, em vez de blusinhas soltas ou vestidos inteiros

Ver Artigo
Clubes e Danças – Por Areobaldo Lellis Horta

De todos foi o "Boêmios" o de maior duração, desaparecendo após a fundação do Clube Vitória

Ver Artigo
O Circo em Vila Velha no tempo do Seu Dedê

Os circos eram montados no largo destinado à Praça Duque de Caxias 

Ver Artigo