Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Praça do Imperador (ex-praça das Colunas) – Por Elmo Elton

Chegada do Imperador ao Cais das Colunas, a partir de 1860, Cais do Imperador - Foto Elmo Elton

Situava-se fronteira à escadaria do antigo Colégio dos Jesuítas. Essa escadaria, antes ladeira Padre Inácio, era ladeada por colunas entre as quais se prendiam correntes de ferro, daí advindo a denominação de cais ou Praça das Colunas.

Em 1860, quando o Espírito Santo estava sob a presidência do Dr. Pedro Leão Veloso, toda a cidade de Vitória se engalanou para receber a visita de Sua Majestade o Imperador Pedro II, que de volta de sua viagem às províncias do norte, chegou à nossa baía às oito e meia horas do dia 26 de janeiro, a bordo do navio Apa, comandado por Joaquim Marques Lisboa, futuro Marquês de Tamandaré. Faziam parte da comitiva, além da Imperatriz Teresa Cristina, João Almeida Pereira Filho, ministro do Império: Cândido de Araújo Viana, camareiro; Luiz Pereira do Couto Ferraz, veador, e Dona Josefina da Fonseca Costa, dama de companhia da imperatriz.

O desembarque ocorreu, no meio dia, no cais das Colunas, — cais e praça então reformados, ganhando seu primeiro calçamento, já que ali saltariam SS.MM. Construiu-se uma ponte para desembarque, ergueram-se, no local, dois palanques, à direita e à esquerda, um para as altas autoridades e outro para as senhoras gradas.

O imperador e sua comitiva, após festivamente recepcionados, visitaram repartições, conventos, igrejas, quartéis, aldeamentos indígenas, escolas, hospitais e cadeias, durante sua estada na província, que se demorou até 8 de fevereiro, tudo conforme se lê em jornais da época e no "diário" escrito pelo próprio monarca, documento este minuciosamente comentado e publicado pelo historiador Levy Rocha.

Desde então, cais e Praça das Colunas passaram a chamar-se do Imperador.

Em 1872 o comerciante Francisco Pinto Ribeiro mandou construir, no local, por conta própria, "um chafariz encimado de uma estátua de Apolo, que muito ressaltava o conjunto artístico da obra, sabendo-se, ainda, que, em 1882, um outro comerciante, Francisco Luiz de Oliveira, cuidou de remodelar, também por conta própria, o velho logradouro.

No governo de Jerônimo Monteiro, quando da visita do Presidente Hermes da Fonseca, ali desembarcando, a 21 de julho de 1911, a praça passou a se chamar Hermes da Fonseca, sendo que Florentino Avidos, por ocasião do centenário do nascimento do velho imperador, ocorrido a 2 de dezembro de 1925, restabeleceu-lhe a homenagem.

Logo após o término da Segunda Grande Guerra, o logradouro recebe nova designação: — praça Roosevelt, a mesma desaparecendo de todo com o aterro e murada do cais do porto.

Conheci, quando rapazinho, essa tradicional praça, com seus sobrados antigos e comércio ativo, embora então freqüentada mormente por embarcadiços e biscateiros, a Farmácia Confiança, bem montada, fazendo esquina com a avenida Jerônimo Monteiro, navios nacionais e estrangeiros atracando no local, uma vez que as obras do porto já haviam chegado até àquela área.

Recordo que esse cais e praça, sempre que lá ia, me despertavam uma certa saudade ou nostalgia, qualquer sentimento de fundo atávico, sobretudo à noite, talvez porque, do convés dos navios, me chegassem, invariavelmente, acordes de violões misturados à canção dolente de seus tripulantes.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2017

Bairros e Ruas

Rua Luís Antônio – Por Elmo Elton

Rua Luís Antônio – Por Elmo Elton

Luís Antônio da Silva foi, segundo Basílio Daemon, "o principal doador e fundador da Santa Casa de Misericórdia, que lhe conserva o retrato, pintado a óleo, em uma de suas salas"

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Vila Rubim

A Cidade de palha, sítio do Dr. Leopoldo Cunha, era composta de casas de sapé. Talvez a primeira favela de Vitória

Ver Artigo
Rua 23 de Maio

Era considerada, até os anos 40, como ponto nobre da cidade. Teve belas residências, destacando-se sobretudo a Vila Oscarina, palacete de propriedade de Antenor Guimarães

Ver Artigo
Rua Cais de São Francisco (ex-cais de São Francisco)

Quem passa hoje, pela rua Cais de São Francisco, fica intrigado com esta denominação. Ora, por que tal nome, se não há ali cais algum?

Ver Artigo
Rua Sete de Setembro (ex-rua da Várzea)

Partia da Prainha (largo da Conceição) e terminava na rua da Capelinha (atual Coronel Monjardim), hoje se alongando até a Fonte Grande

Ver Artigo
Rua Wilson Freitas (ex-ladeira Pernambuco)

Tem início na rua do Rosário. A antiga ladeira, que ganhou calçamento no governo de Florentino Avidos, servia de acesso aos terrenos da Capixaba, antes da total urbanização dessa área

Ver Artigo