Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Praça Oito de Setembro

Praça Oito - Autor Arcesislau Soares, 1912 - Acervo APEES

O cronista Eugênio Sette, dizia que "... a Praça Oito parece uma mulher dama muito vivida, muito experimentada, que não arrepia carreira, nem se encabula com uma piada mais grosseira. Já viu tudo. E, por isso, aguenta firme, consciente do seu papel."

A Praça Oito já foi ponto dos mais frequentados da ilha, principalmente às noites das quintas-feiras, por ocasião das apresentações da banda da Polícia Militar, e, eventualmente, das filarmônicas do Rosário e São Francisco. Casas comerciais finas floresciam à sua volta, e o carnaval, na sua fase mais brilhante, ali se expandia. Na Praça Oito, protegido por um muro balaustrado, ficava o cais dos botes, com os catraieiros no aguardo de passageiros. Também o ancoradouro das barcas tinha embarque e desembarque para a Praça Oito.

Hoje, a Praça Oito nada lembra de seu esplendor de anos atrás. É lugar de passagem de transeuntes apressados. Sua marca é um grande relógio montado pelo artista alemão Ricardo Schorling, que, antes, de hora em hora, emitia os acordes iniciais do Hino do Espírito Santo, de autoria de Peçanha Póvoa, com música de Arthur Napoleão.

A praça foi conhecida primitivamente como Cais Grande, depois cais da Alfândega, Praça Santos Dumont e, finalmente, em 1911, por solicitação do governador municipal Cirilo Tovar, praça Oito de Setembro.

 

Projeto Adelpho Poli Monjardim
Coleção Elmo Elton 2 - Centro de Vitória
Uma publicação da Secretaria Municipal de Cultura da Prefeitura Municipal de Vitória, ES
Prefeito Municipal: Luiz Paulo Vellozo Lucas
Secretária de Cultura: Cláudia Cabral
Subsecretária de Cultura: Verônica Gomes
Diretor do Departamento de Cultura: Joca Simonetti
Administradora da Biblioteca Adelpho Poli Monjardim: Lígia Mª Mello Nagato
Conselho Editorial: Adilson Vilaça, Condebaldes de Menezes Borges, Joca Simonetti, Elizete Terezinha Caser Rocha, Ligia Mª Mello Nagato e Lourdes Badke Ferreira
Editor: Adilson Vilaça
Projeto Gráfico e Editoração Eletrônica: Cristina Xavier
Revisão: Djalma Vazzoler
Impressão: Gráfica Santo Antônio
Tiragem da 1ª Edição - 1000 exemplares.
Fonte: Centro de Vitória, Coleção Elmo Elton nº2 – PMV, 1999
Texto: Maria Cristina Dadalto
Fotos: Judas Tadeu Bianconi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2020

 

Monumentos

Preservar a memória – Por Sebastião Pimentel

Preservar a memória – Por Sebastião Pimentel

Imóveis cuja importância histórico-social ou beleza arquitetônica sejam consideradas imprescindíveis à memória da sociedade não podem ser destruídos, ou modificados

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Teatro Carlos Gomes

Principal teatro de Vitória, o Carlos Gomes foi inaugurado a 5 de janeiro de 1927, com a peça Verde e Amarelo, de Patrocínio Filho, representada pela Companhia Tan-Tan

Ver Artigo
Praça Costa Pereira

"A Praça Costa Pereira é o lugar ideal para refletir a cidade, a vida. Não sei, se são as árvores, talvez, o barulho dos passarinhos". Márcia Gáudio, atriz

Ver Artigo
Praça Oito de Setembro

O cronista Eugênio Sette, dizia que "... a Praça Oito parece uma mulher dama muito vivida, muito experimentada, que não arrepia carreira, nem se encabula com uma piada mais grosseira. Já viu tudo. E, por isso, aguenta firme, consciente do seu papel."

Ver Artigo
Praça João Clímaco

Localizada em frente ao Palácio Anchieta, a Praça João Clímaco, ex-praça Afonso Brás, foi durante três séculos chamada ora como largo do Colégio, ora largo Afonso Brás

Ver Artigo