Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Praia do Suá, antes e depois do aterro - Por José Carlos Mattedi

Praia do Suá anos 1960

Pois é, e com o novo aterro, lá se foram a prainha e também a brisa marinha que tanto acariciava os rostos dos habitantes do Suá. Os barcos, velhos amigos dos olhos dos nativos e que enfeitavam as noites de luar, foram expulsos dali e levados para o outro lado do aterro, sendo agora atracados no canal, próximo ao Trapiche — armazém de pescado construído pela prefeitura de Vitória. As casas, que tinham suas janelas voltadas para as águas mansas da praia, viram-se forçadas a ter uma paisagem de concreto armado à frente, na Enseada do Suá, até que tempos depois também foram engolidas pelo progresso, dando lugar a outros empreendimentos.

Dizem os antigos do bairro, e com razão, que a Praia do Suá pode ser dividida em dois períodos: antes e depois do aterro da maré. O "antes" significava a vida pacata, de convivência familiar. O "depois" seria a correria do dia-a-dia, e perda de parte da identidade pelos "filhos do Suá". As palavras simples do pescador José Pedro dão uma conotação do tempo passado: "Antigamente, as pessoas recebiam a gente na prainha quando voltávamos do mar. Hoje, as famílias já não esperam mais. Desde que tudo foi aterrado, sempre sinto uma vazio quando entro com meu barco na boca da barra. Sei que lá no cais não tem mais aquela alegria como antes".

Para Maria Leonor, o aterro provocado pelo progresso fez a Praia do Suá perder algumas de suas características: "A gente já não tem mais a praia para ver o pescador chegar, uma tradição local. E o vento sul, que soprava forte e nos dizia que os homens estariam voltando do mar, agora sopra tão fraco que nem se nota. Ficou fraco aqui porque levaram o mar para longe, e por causa dos prédios da Enseada, que dificultam a circulação do vento". Depois, conformada, ela retruca: "Mas alguém pode deter o progresso? É coisa irreversível".

As mudanças promovidas na ex-colônia com a entrada do dinheiro e de novos proprietários, fizeram o bairro ficar cada vez mais distante de aspectos próprios, como o bucolismo e o romantismo cotidianos. Quase tudo que inspirou poetas e amantes do passado do Suá, foi tragado pelas areias vindas do canal. Só restaram boas lembranças, como a de Maria Assumpção, que quando criança "sonhava com as aventuras dos velhos marujos". Hoje, de sua janela (ou quadro?), ela busca, em vão, marcas daquele tempo. Agora, tirar a velha portuguesa de sua moldura e levá-la, a passos lentos, até o local onde existia o mar de sonhos, foi de arrepiar.

Pobre Maria, no lugar da areia da praia, encontrou a dureza do asfalto. "Empurraram o mar para longe daqui", disse engasgada. Esticou o pescoço na esperança de ver, uma pontinha que fosse, do velho mar. Ledo engano. O que viu foram as paredes altas e modernas da Enseada do Suá. Com um sorriso maroto, apontou em riste como se tivesse feito uma grande descoberta: "Só não nos tiraram a vista do Convento da Penha. Olha lá ele!". E entre os prédios aparecia, lá longe, imponente, o castelo cristão. "Sei que o bairro perdeu muita coisa, mas ninguém perde a memória. Entende?", finalizou Maria, voltando a ocupar o parapeito de sua janela, um quadro vivo do Suá.

O Suá sempre foi assim, uma mistura de poesia e lamento, um tempero de amor e ódio. Mar e terra se confrontaram, e as areias embeberam as águas. As memórias e os sonhos, porém, não foram soterrados. Permanecem ali, impregnados nas ruas e nas almas daquela gente, centelhas de um passado rico e que ainda vive...

 

Fonte: Praia do Suá – Coleção Elmo Elton nº 9 – Projeto Adelpho Poli Monjardim, 2002 – Secretaria Municipal de Vitória, ES
Prefeito Municipal: Luiz Paulo Vellozo Lucas
Secretária de Cultura: Luciana Vellozo Santos
Subsecretária de Cultura: Joca Simonetti
Administradora da Biblioteca Adelpho Poli Monjardim: Lígia Mª Mello Nagato
Conselho Editorial: Adilson Vilaça, Condebaldes de Menezes Borges, Joca Simonetti, Elizete Terezinha Caser Rocha, Lígia Mª Mello Nagato e Lourdes Badke Ferreira
Editor: Adilson Vilaça
Projeto Gráfico e Editoração Eletrônica: Cristina Xavier
Revisão: Djalma Vazzoler
Impressão: Gráfica Sodré
Texto: José Carlos Mattedi
Fotos: Raquel Lucena
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2020

Bairros e Ruas

Os nomes de ruas do bairro São Pedro – Por Geert A. Banck

Os nomes de ruas do bairro São Pedro – Por Geert A. Banck

Muito interessante é o caso da rua do Grito, uma inversão política da liderança comunitária, o povo foi sempre oprimido, mas agora chegava  a hora da “nossa” independência, do “nosso” grito: do “grito do povo”

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A História da Praia do Suá - Por José Carlos Mattedi

A Praia do Suá era lugar de muita areia, água, lama e mosquito. A antiga vila tinha casinhas de estuque, construídas à beira mar, cobertas com palha ou zinco

Ver Artigo
O Suá hoje - José Carlos Mattedi

Há, ainda, outros endereços de peso na região, como o Terminal de Pesca Alvarenga, que centraliza a atividade pesqueira

Ver Artigo
Praia do Canto, seu crescimento - Por Sandra Aguiar

Dezenas de casas especializadas no prato típico do estado, a moqueca, surgiram na últimas três décadas

Ver Artigo
Tipos Populares da Praia do Canto - Por Sandra Aguiar

Inúmeros personagens fazem parte da história do bairro

Ver Artigo
Praia do Suá, antes e depois do aterro - Por José Carlos Mattedi

Com o novo aterro, lá se foram a prainha e também a brisa marinha que tanto acariciava os rostos dos habitantes do Suá

Ver Artigo