Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Praia do Suá

Acervo: José Tatagiba

No começo do século XX, pescadores portugueses, originários de Povoa do Varzim, que moravam na Capixaba, bairro de Vitória, insatisfeitos com o problema das correntes marítimas no canal da baía, ocuparam os terrenos baldios do Suá. Ali construíram suas casas de estuque, e, coordenados pela Colônia de Pesca Z 2, passaram a viver da pesca.

Fixava-se assim, desde os primórdios, a vocação pesqueira do futuro bairro. A linha de bondes (ferro-carril), inaugurada em 1912, facilitaria a vida desses pioneiros.

Luiz Derenzi dá o ano de 1906 para início da ocupação dos lotes da Praia do Suá. É o mesmo ano citado em depoimento de Eugênio Rodrigues: “Eles (os pescadores) moravam na Capixaba. Depois é que vieram aqui para a praia. Isso, diz o pessoal, foi em 1906. Eles fundaram a Praia do Suá. (...) Sempre foram pescadores. Quando vieram para o Brasil, vieram de Portugal.”

Além das dificuldades oferecidas pelas correntes marinhas do canal da baía de Vitória, Eugênio Rodrigues acrescenta outro motivo para a transferência dos pescadores para a nova colônia: “Aqui era mais perto da barra.”

Havia cerca de quarenta famílias portuguesas cujos chefes se dedicavam à pesca em alto-mar. Segundo os moradores mais antigos, os mais conhecidos foram o Torquato (José Francisco Marques), David de Maio, João Capuchinho, João Ribeiro, Eugênio Reis, Mário Cisteiro, Antônio Paes, o Belmiro, João Varanda, David Fanguetro, João Rodrigues da Silva, o Stoco, o Alvarenga, o Lavradeira e Antônio Varanda.

É natural que, no seio dessa comunidade de pescadores de origem portuguesa, a devoção por São Pedro se constituísse um traço marcante de uma tradição muitas vezes secular.

Foi através de Portugal que o culto a São Pedro entrou fortemente na terra brasileira, enraizando-se junto aos que, nas diversas povoações marinhas que se formaram na costa brasileira, no período colonial, viviam do mar e da pesca.

A comunidade de pescadores lusitanos que se assentou na Praia do Suá, naturais de Povoa do Varzim, região do Minho, não fez, portanto, exceção à regra e pode-se afirmar que foi graças a este fundo de cultura, associando tradição religiosa e atividade pesqueira, que a Festa de São Pedro se cristalizou como evento de bairro – festa de lugar onde o mar em enseada era porto de barcos, pouso de redes e repouso de pescadores.

Vale esclarecer que não se deve confundir os pescadores portugueses, que fundaram a colônia, como uma leva de artesãos navais, também portugueses, que iniciaram no estaleiro do Suá, por volta de 1950, uma empresa construtora de barcos, tendo o apoio do Governo do Estado.

 

Fonte: Festa de São Pedro na Praia do Suá
Autores: Luiz Guilherme Santos Neves/ Renato Pacheco/ Léa Brígida R. de A. Rosa.
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2012 

 

LINKS RELACIONADOS:

>> Bairros da Grande Vitória

Bairros e Ruas

Ponta da Fruta - Por Levy Rocha

Ponta da Fruta - Por Levy Rocha

Segundo o cientista Saint- Hilaire a ação nefasta das formigas, “uma verdadeira desolação para os agricultores”. Observou, ainda, que desde os arredores de Guarapari até Ponta da Fruta, as terras eram menos produtivas do que a região do Itapemirim e mais ao sul

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Primeiros moradores do Farol de Santa Luzia

Os primeiros moradores da região do Farol de Santa Luzia, na Praia da Costa, Vila Velha, foram...

Ver Artigo
Rua Dois de Dezembro (ex-rua do Beco) – Por Elmo Elton

Tinha começo em frente à Loja Maçônica Ordem e Progresso, onde se construíra um chafariz, e terminava no largo da Matriz, quase paralela à José Marcelino

Ver Artigo
Rua Cristóvão Colombo (desaparecida) – Por Elmo Elton

Da antiga Cristóvão Colombo resta um trechinho de nada, ao lado da Barão de Monjardim, sendo que uma escadaria, ao término da extinta rua, tem, agora, o nome do descobridor. A escadaria, estreita, em rampa íngreme, dá subida para o morro do Vigia

Ver Artigo
Movimento que desenha a cidade – Jardim da Penha

Desse modo, são menos comuns os movimentos urbanos que refletem sobre a qualidade da paisagem urbana, o desenho, o volume das construções

Ver Artigo
Escadaria Maria Ortiz (ex-ladeira do Pelourinho) – Por Elmo Elton

Maria Ortiz era filha de Juan Orty y Ortiz e Carolina Darico, nasceu em Vitória em 1603, tendo falecido na vila em 1646

Ver Artigo