Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

PRESENÇA, Lição de Vida - Por Theomar Jones

Sede da Academia Espírito-santense de Letras, propriedade doada por Kosciuszko Barbosa Leão, um de seus mais destacados participantes

Elmo Elton Santos Zamprogno é o novo ocupante de cadeira nº 27 da Academia Espírito-Santense de Letras.

Intelectual com expressiva bagagem literária, cerca de doze livros, o novel imortal capixaba, ora organizando um trabalho sobre escritores espírito-santenses, ao ter em mãos o material referente à Sra. Judith Leão Castello Ribeiro, resolveu, inteligentemente, publicar PRESENÇA, justa homenagem a uma das mais altas inteligências do ES, personalidade marcante no meio sócio-cultural da terra de Maria Ortiz, obra que apresenta, em excelente e feliz seleção, parte da produção literária da escritora Judith Leão Castello Ribeiro;

Emocionou-me, de início, a dedicatória da Mestre ao ex-aluno, aposta no exemplar a mim dedicado, com estas preciosidades, “Presença é um pouquinho do muito que deixarei em testemunho do meu bem querer ao próximo. Presença é a utópica ânsia de sobrevivência.”

Trechos de períodos, que destaco curtos, pequenos: a alma em pedacinhos, na sublimidade de uma espontânea oferenda – dar sem idéia de receber.

Depois, a reprodução do belo soneto “A Serra”, de Kosciuszko Barbosa Leão, cuja presença vive em minhas recordações, professor e amigo, ao lado de sua esposa, Dona Laura, “Tia Laurinha, alma-ternura”, como a chama a autora de PRESENÇA, a tratar-me com especial carinho, quando de minhas visitas à casa, hoje sede da Academia Espírito-Santense de Letras, e que, a exemplo da Academia brasileira de Letras, caracterizada como Casa de Machado de Assis, deveria, apropriadamente, com unânime aprovação dos acadêmicos capixabas, ser a Casa de Kosciuszko Barbosa Leão.

Adiante, página 47, o capítulo “Não Cantamos Parabéns”, antológico, pela forma e pela essência, o registro de uma sensibilidade em outra sensibilidade – “Este é o meu último beijo”, disse, e silenciou para sempre, Kosciuszko Barbosa Leão, despedindo-se da esposa, a 20 de maio de 1979. – Parabéns pra você, que soube viver e morrer! , exclama com os olhos úmidos de lágrimas Dona Judith.

Páginas Serranas, a primeira parte de PRESENÇA, é um hino à terra natal.

A linguagem, a falar de emoções, a contar histórias, a criar belezas, aliada ao encanto do estilo, que se espraia por toda a extensão do livro, caracteriza a força criadora de Judith Leão Castello Ribeiro. É uma escritora na exata significação da palavra.

No garimpo de seu vocabulário há cintilações, irradiações, brilhos. Daí, por certo, a magnificência de suas idéias.

Em sua virtuosidade, a autora de PRESENÇA mais se revela com o conhecimento do simples, do humano, através da grandeza de sentimentos superiores, como, por exemplo, quando fala de folclore.

É bom lembrar que Judith é nome de origem hebraica e significa a que louva. Assim, a escritora sente os anseios populares, vê as angústias de muitos, apresentando o sentir de sua gente, que também é o seu. Falo, não apenas com inteligência e perspicácia. Falo na vivência de uma sensibilidade especial, de uma formação própria, que a faz escrever, à página 89: "Sejamos fortes na defesa do espiritualismo, única força capaz de manter a hierarquia social, pois são seus princípios primeiros a colocar-se acima do mecanismo dos reflexos     condicionados, como seres superiores da criação".

Em Crônicas, segunda parte do livro, um mundo encantador é descrito, em nuanças extraordinárias, autêntico caleidoscópio, tal a coloração de imagens que se apresentam sob matizes variados.

A presença constante do irmão querido, Rômulo Leão Castello - "De Alegria Também se Chora", é a tônica de PRESENÇA.

Os capítulos subseqüentes revigoram a autenticidade da escritora Judith Leão Castello Ribeiro, a situar-se na mesma plana, em sua arte de bem dizer, a Helena Morley, "Minha Vida de Menina", e a Lia Corrêa Dutra. "Memórias de um Saudosista".

Em suas evocações de pessoas, entre tantas, Parente Frota, Irmã Josefa Hosanna de Oliveira, Wilson Martins Moreira, lembranças revestidas de intenso carinho. "não é que tive a impressão de ver, no primeiro banco, à cabeceira, em pé, de braços cruzados, o já falecido diretor do Ginásio São Vicente de Paulo, meu tio, meu diretor, meu mestre, meu amigo, o Professor Aristóbulo Barbosa Leão?"

Não resisto, no despretensioso registro de minhas impressões, provenientes da leitura de PRESENÇA, belo e grande livro, de reproduzir: "Na madrugada da vida, aos quinze anos, as velas brancas da crença de um coração ingênuo abriram-se ao sopro da esperança./ O barquinho do seu coração fez-se ao largo. - O barquinho de velas cansadas à espera de monções."

"Sentadinha na cadeira de rodas, amava a vida e tinha horror à separação. Falava sorrindo: - Rezo para ter coragem para morrer, deixar tudo e todos. Quero os sacramentos e sua mão na minha mão. Não largue a minha mão. Assim, terei coragem."

A autora fala em sua mãe (pag.40) e conclui o capítulo: "Assim aconteceu. Um sorriso, olhos azuis, dois pedaços de céu cravados nos meus olhos, nem um estremecimento. Um aperto mais forte de mãos e Deus a levou. Mamãe, a senhora está me ouvindo, responda ao meu pedido: Benção, mamãe!"

E vêm os Discursos, parte final da obra, entre os quais "Deveres e Direitos Políticos da Mulher", "Olavo Bilac e sua Atuação Cívica", "Rui - o Gigante Intelectual", "Amor com Amor se Paga - Educar Amando a Criança", dignos de leitura, sobretudo pelo conteúdo de impressionante atualidade.

Eu diria mais, muito mais.

Por ora, a Elmo Elton meus cumprimentos pela realização de PRESENÇA.

A autora, o meu muito obrigado pelas revelações de PRESENÇA, o livro, pela lição de vida, em sua alta significação, que é a presença de Judith Leão Castello Ribeiro na vida de seus amigos, de seus ex-alunos.

 

Fonte: Jornal A Gazeta - 26/09/1980
Autor: Theomar Jones
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2014

Especiais

Descobrindo Massena - Por Kleber Galvêas

Descobrindo Massena - Por Kleber Galvêas

Massena renegava o preto, o branco puro e linhas, quando pintava paisagens: "Isto não existe na natureza”. Ensinava que mistura de tintas deveria ocorrer sempre na palheta e jamais na tela, o que provocaria áreas embaçadas

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

República não trouxe a estabilidade desejada

No ano da Proclamação da República o Espírito Santo estava dividido em 14 Municípios, 4 cidades e 10 Vilas

Ver Artigo
Aspectos do Direito Brasileiro na República - Parte II

Estas coisas envelheceram os códigos e vão fomentando um direito novo, ainda inconsistente, com as obrigações correlatas, e que se vai afirmando através da aluvião de leis dos últimos tempos

Ver Artigo
Aspectos do Direito Brasileiro na República - Parte I

Estas últimas constituições, todavia, a de 1934 e de 1937, de aparência menos democrática, consultam ambas, mais de perto, as aspirações populares e caminharam numa estrada mais ampla, até a socialização

Ver Artigo
Oferecido pelo sócio Basílio Daemon Carvalho,1800

Termo de batismo de Rodrigo, filho legítimo do governador da capitania do Espírito Santo, Antônio Pires da Silva Pontes Leme

Ver Artigo
A volta do presidencialismo

A relativa calmaria política trazida com o parlamentarismo logo cedeu lugar ao clima de golpe

Ver Artigo