Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Primeiras construções de Vitória

Palácio Anchieta

O ano de 1551 coincide com o início de grandes construções na recém-criada Vila de Vitória. Os padres da Companhia de Jesus iniciaram o conjunto arquitetônico formado pela Igreja de São Tiago e pelo Colégio dos Jesuítas, que hoje abriga o Palácio Anchieta. A pequena cidade começou a se formar em torno desses dois prédios e o traçado de suas ruelas, estreitas e sinuosas, pode ser conferido em pleno terceiro milênio. Basta caminhar no que hoje se chama Cidade Alta, no centro da Capital.

A influência religiosa ajudou a delinear a história dos primeiros anos. Além da Companhia de Jesus, à qual pertencia Padre José de Anchieta, outras organizações religiosas buscaram catequizar as almas da pequena ilha. Os franciscanos vieram e, numa competição de fé, ergueram o Convento de São Francisco, no morro do mesmo nome do santo, próximo a uma região de mangues, onde surgiria o Parque Moscoso. A pedra fundamental foi lançada em 1591. Era comum procissões saírem dali e irem para o Convento da Penha, em Vila Velha. O tempo foi desativado de suas funções religiosas e hoje abriga a Cúria Metropolitana, uma espécie de escritório geral da Igreja Católica de Vitória.

 

Fonte: A GAZETA, 26/09/1994

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo
Daemon dedicou seu livro ao imperador, D. Pedro II

É, Senhor, o fruto de um trabalho aturado, feito e publicado sob nossas únicas expensas, e que, com dificuldade e sacrifício o concluímos

Ver Artigo
As expedições e as suas conclusões - Por Estilaque Ferreira dos Santos

Não se pode deduzir que antes desta doação a capitania já teria sido “descoberta” e explorada pelos navegantes portugueses

Ver Artigo