Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Procissão de São Pedro

Em suas origens, a procissão de São Pedro, na Praia do Suá, saía do altar armado em frente à Colônia dos pescadores

Em suas origens, a procissão de São Pedro, na Praia do Suá, saía do altar armado em frente à Colônia dos pescadores. Mais tarde, passou a sair da igreja de São Pedro pela rua Neves Armond e ia em frente até a Colônia dos pescadores, na rua Almirante Tamandaré, onde ocorria uma salva de foguetes. Depois passava pela rua Ferreira Coelho e retornava ao ponto de partida. Alguns anos este trajeto foi aumentado, passando a procissão pela avenida Leitão da Silva e indo até a avenida Cesar Hilal como para delimitar os limites do bairro, numa romaria de fé.

Para a procissão marítima ("quando os barcos foram motorizados é que eles fizeram a procissão marítima" - demarca no tempo o informante Eugênio Rodrigues), armava-se um andor numa baleeira que era seguida por uns trinta barcos que iam da Praia do Suá até Vila Velha, em frente ao Convento de Nossa Senhora da Penha, onde se estendia a rede de São Pedro e os anzóis eram benzidos. A procissão saía das areias da antiga praia do Suá, hoje totalmente aterrada.

Mais tarde, depois do aterro feito no local, a procissão passou a a sair do terminal dos pescadores (no estaleiro do Sr. Varela).

A partir daí, a barca-mãe, seguida de numerosos outros barcos, entrava no canal da baía de Vitória, dirigindo-se até a Ilha do Príncipe, atingindo as Cinco Pontes, donde voltavam, mantendo-se a tradição dos benzimentos dos anzóis em frente ao Convento da Penha. Durante o percurso havia cânticos, em sua maioria religiosos, mas também batucadas. Adotou-se o hábito de premiar as embarcações mais enfeitadas.

Marília de Almeida Neves, viúva de Guilherme Santos Neves, e filha do engenheiro Ceciliano Albel de Almeida, primeiro prefeito de Vitória, recorda-se que, na década de 20, ia assistir à procissão marítima de São Pedro com seu pai. "Ele trabalhava na Estação São Carlos, em Argolas. Nós pegávamos a barca Vi-Minas (da Vitória a Minas), no cais Schimidt (hoje avenida Florentino Avidos), é íamos ao encontro da procissão. Havia muitos barcos enfeitados, como o da firma Antenor Guimarães, e muito foguetório".

Por questão de segurança, a Capitania dos Portos proibiu a procissão marítima por volta de 1985. Seu restabelecimento, graças ao apoio da Prefeitura Municipal de Vitória, deu-se em 1993, com grande regozijo para a comunidade do bairro da Praia do Suá.

 

Fonte: Festa de São Pedro na Praia do Suá 
Autores: Luiz Guilherme Santos Neves/ Renato Pacheco/ Léa Brígida R. de A. Rosa
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2012 

 

 

LINKS RELACIONADOS:

>> Praia do Suá



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Doação da Ilha de Vitória a Duarte de Lemos

Doação da Ilha de Vitória a Duarte de Lemos

Mais uma vez a história do Espírito Santo traz “novos” fatos que favorecem o fim da cobrança da taxa de marinha na Ilha de Vitória

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Mané Cocô - Por Elmo Elton

Foi construído um reservatório que passou a servir, ao palácio, repartições públicas e residências particulares dos abastados

Ver Artigo
Milagres Acontecem - Por Geert Banck

Estamos todos na sala de um sítio de Alto Corumbá, no município de Castelo, Espírito Santo

Ver Artigo
De 1960 a 1967 – Estudos e projetos de água para o ES

Numa atitude corajosa, o engenheiro Jonas Hortélio autorizou a execução da abertura emergencial de um grande orifício na parte lateral da tulipa

Ver Artigo
Por que Canela-Verde?

O nome canela-verde era dado exclusivamente ao cidadão nascido na sede de Vila Velha, estendendo-se hoje para os de todo o município. O termo canela-verde tem sua origem nos portugueses 

Ver Artigo
Abastecimento d’água na década de 50 - Por Celso Caus

Reversão e transferência dos serviços públicos de água e esgotos da Prefeitura de Vitória para o Estado. Criação do Departamento de Água e Esgoto (DAE)

Ver Artigo