Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Procissão de São Pedro

Em suas origens, a procissão de São Pedro, na Praia do Suá, saía do altar armado em frente à Colônia dos pescadores

Em suas origens, a procissão de São Pedro, na Praia do Suá, saía do altar armado em frente à Colônia dos pescadores. Mais tarde, passou a sair da igreja de São Pedro pela rua Neves Armond e ia em frente até a Colônia dos pescadores, na rua Almirante Tamandaré, onde ocorria uma salva de foguetes. Depois passava pela rua Ferreira Coelho e retornava ao ponto de partida. Alguns anos este trajeto foi aumentado, passando a procissão pela avenida Leitão da Silva e indo até a avenida Cesar Hilal como para delimitar os limites do bairro, numa romaria de fé.

Para a procissão marítima ("quando os barcos foram motorizados é que eles fizeram a procissão marítima" - demarca no tempo o informante Eugênio Rodrigues), armava-se um andor numa baleeira que era seguida por uns trinta barcos que iam da Praia do Suá até Vila Velha, em frente ao Convento de Nossa Senhora da Penha, onde se estendia a rede de São Pedro e os anzóis eram benzidos. A procissão saía das areias da antiga praia do Suá, hoje totalmente aterrada.

Mais tarde, depois do aterro feito no local, a procissão passou a a sair do terminal dos pescadores (no estaleiro do Sr. Varela).

A partir daí, a barca-mãe, seguida de numerosos outros barcos, entrava no canal da baía de Vitória, dirigindo-se até a Ilha do Príncipe, atingindo as Cinco Pontes, donde voltavam, mantendo-se a tradição dos benzimentos dos anzóis em frente ao Convento da Penha. Durante o percurso havia cânticos, em sua maioria religiosos, mas também batucadas. Adotou-se o hábito de premiar as embarcações mais enfeitadas.

Marília de Almeida Neves, viúva de Guilherme Santos Neves, e filha do engenheiro Ceciliano Albel de Almeida, primeiro prefeito de Vitória, recorda-se que, na década de 20, ia assistir à procissão marítima de São Pedro com seu pai. "Ele trabalhava na Estação São Carlos, em Argolas. Nós pegávamos a barca Vi-Minas (da Vitória a Minas), no cais Schimidt (hoje avenida Florentino Avidos), é íamos ao encontro da procissão. Havia muitos barcos enfeitados, como o da firma Antenor Guimarães, e muito foguetório".

Por questão de segurança, a Capitania dos Portos proibiu a procissão marítima por volta de 1985. Seu restabelecimento, graças ao apoio da Prefeitura Municipal de Vitória, deu-se em 1993, com grande regozijo para a comunidade do bairro da Praia do Suá.

 

Fonte: Festa de São Pedro na Praia do Suá 
Autores: Luiz Guilherme Santos Neves/ Renato Pacheco/ Léa Brígida R. de A. Rosa
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2012 

 

 

LINKS RELACIONADOS:

>> Praia do Suá



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Serious Game -  Cultura Geral do Espírito Santo - Rodada 101

Serious Game - Cultura Geral do Espírito Santo - Rodada 101

O hotel de Sr. João Nava, na Rua Vasco Coutinho (Rua do Convento da Penha) foi utilizado inicialmente para dar apoio as atividades de implantação de que órgão?

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Reforma do Ensino Público na era Muniz Freire

Em substituição ao Colégio Nossa Senhora da Penha e ao Ateneu Provincial foram criadas em Vitória duas novas Escolas Normais

Ver Artigo
Entre a Militância e o Clientelismo - Por Geet Banck (Parte IV)

Em 1977 um grupo de 34 famílias invadiu o manguezal e construiu em São Pedro barracos improvisados

Ver Artigo
Movimentos de bairro - Por Geet Banck (Parte I)

Uma análise dos resultados um tanto surpreendentes das eleições de 1988 para o cargo de prefeito de Vitória

Ver Artigo
Movimentos de bairro - Por Geet Banck (Parte II)

As eleições de 1988 para as prefeituras municipais brasileiras redundaram num notável avanço do Partido dos Trabalhadores

Ver Artigo
Eleições - Por Geet Banck (Parte III)

Mas será que isso basta para explicar detalhes, como a vitória do PT nos bairros de renda mais alta?

Ver Artigo