Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Proclamação da República

Na gravura, a cena da Proclamação da República Brasileira, em 15 de novembro de 1889. ( Litografia de Nicola A. Facchinetti)

Embora as idéias republicanas já fossem agitadas no Brasil desde o período colonial e o primeiro reinado (conjurações: mineira e baiana, Revolução de 1817 e Confederação do Equador), sua propaganda ganhou força apenas na segunda metade do séc. XIX, com a fundação do Partido Republicano, após a Convenção Republicana de Itu (1870). Através de clubes, manifestos, jornais, congressos e conferências, o partido divulgou sua doutrina-federalista, presidencialista e liberal – no contexto da luta abolicionista, que, juntamente com as questões militares e religiosas, muito contribuiu para a formação de uma conjuntura de enfraquecimento da monarquia. Outro fator da decisiva importância nesse processo foi a ideologia positivista, que, embora defendesse uma ditadura científica, representava um liberalismo amplo e aberto, contando com grande aceitação sobretudo nos círculos militares, onde era divulgada por Benjamin Constant.

Os acontecimentos precipitaram-se no ano de 1899. Em junho desse ano, o Gabinete João Alfredo foi substituído pelo Gabinete Ouro Preto. Floriano Peixoto tornou-se ajudante-general, o mais alto posto da hierarquia do exército. Em outubro, Benjamin Constant, sabendo da situação favorável a suas idéias, ousou culpar o governo pelas questões militares em discurso pronunciado diante de oficiais estrangeiros. A homenagem prestada por essa ocasião a Benjamin Constant, momentos depois do discurso, mostra que os seus alunos da Escola Superior de Guerra estavam bastante receptivos à causa republicana. Ainda nesse mês, Benjamin Constant procuraria convencer Deodoro da Fonseca, um militar e político destacado, da necessidade de se proclamar a República, Deodoro aderiu ao movimento.

Benjamin Constant obteve, após conferência no Clube Naval, o apoio do almirante Wandenkolk para derrubar a monarquia. Ouro Preto, o chefe do Gabinete, tentou, com a ajuda de Floriano, articular a resistência, mas as tropas sublevadas cercaram o quartel-general e Ouro Preto telegrafou ao imperador, renunciando. Entretanto, Deodoro que assumira o comando das tropas trazidas de São Cristovão por Benjamin Constant, declarou dissolvido o Gabinete e prendeu Ouro Preto, soltando-o em seguida. Em conferência com o imperador no palácio, Ouro Preto propôs Silveira Martins para substituí-lo, mas, após uma reunião em casa de Aristides Lobo, formou-se um governo provisório. Silveira Martins, que não estava no Rio de Janeiro, foi exilado para a Europa, ao chegar, dias depois.

No dia 15 de novembro à noite, o Conselho de Estado reuniu-se com Dom Pedro II, a princesa Isabel e o conde d’Eu. Decidiu-se formar um novo Ministério encabeçado pelo conselheiro Saraiva, o qual escreveu a Deodoro procurando entendimento. Deodoro rejeitou a proposta: o movimento decidira-se pela República. O governo provisório enviou mensagem a Dom Pedro II, exigindo a retirada da família imperial do Brasil no prazo de vinte e quatro horas. Dom Pedro II declarou-se disposto a abandonar o Brasil. A República era o novo modelo político da sociedade brasileira.

 

Fonte: Enciclopédia Universo, 1973 Vol. IX Editora Delta – Editora Três
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2014



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

O cheiro dos velhos tempos

O cheiro dos velhos tempos

Quando eu era criança tinha o olfato apurado e o nariz de perdigueiro... Por isso mesmo, as pessoas, lugares e até coisas se relacionavam a algum cheiro.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quantas montanhas...

E lá fui eu, abraçada ao meu “Reino das Palavras”, instalar o meu reino literário na cidade de Pancas, a 180 quilômetros de Vitória

Ver Artigo
Abastecimento de água em Vitória – Por Areobaldo Lellis Horta

Além desse chafariz, existiam ainda os do Largo de Santa Luzia, em frente ao atual Ginásio São Vicente

Ver Artigo
A Limpeza Pública e a Domiciliar – Por Areobaldo Lellis Horta

Os quibungos (“tigres”), eram lançados ao mar, nos vários cais, às caladas da noite, quando adormecida a cidade

Ver Artigo
Britz - Por Milson Henriques

De qualquer modo vamos ao agradável labor de rememorar os que eu freqüentava, lembrando que havia também as boates Buteko, Cave, Aux Chandelles, Porão 214,...

Ver Artigo
Morro Inhoá

No pé do morro Inhoá, havia a edificação onde originalmente funcionou a primeira fábrica de sabão

Ver Artigo