Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Prospecto e planta da Villa da Victoria e Planta da barra

Prospecto e planta da Villa da Victoria e Planta da barra

No Prospecto lê-se o seguinte:

“Prospecto da vila da Victoria / Capital da Capitania do Espírito-Santo e distante da foz do rio do mesmo nome urna legoa na / latitude meridional de 20°-15’ e na longitude de 344°-15’. / Explicação: / 1 Trapiche que foi dos jesuitas / 2 Igreja e collegio dos mesmos / 3 Forte de N. S. do Carmo / 4 Igreja da Misericordia / 5 Cadêa e Caza da Camara / 6 Igreja Matriz / 7 Forte de S. Thiago / 8 Igreja e Convento de S. Antonio dos Cap.os / 9 Pedra redonda / 10 Monte da vigia / 11 Sequito que as embarcações trazem pelo rio.”

Na Planta da mesma villa... lê-se o seguinte:

“Planta da mesma villa da Victoria na America Meridional. / 1 Forte do Ignacio na cerca que foi dos jesuitas / 2 Igreja de S. Thiago dos mesmos / 3 Seo collegio / 4 Mizericordia / 5 Igreja de S. Gonçalo Garcia / 6 Cadêa e Caza da Camara / 7 Pelourinho / 8 Sto Antonio / 9 Convento dos Capuchos / 10 Ordem 3ª de S. Francisco / 11 Capela de St. Luzia / 12 Armazem da polvora e caza d’armas / 13 Igreja de N. S. do Carmo / 14 Convento dos religiosos Carmelitas / 15 Ordem 3ª do Carmo / 16 Matriz com o orago de N. S. da Victoria / 17 Capela de N. S. da Conceição / 18 Pequenas pontes de comunicação / 19 Trapiche que foi dos jesuitas / 20 Forte de N. S. do Monte do Carmo / 21 Fortinho de S. Thiago / 22 Cazas e caes, que a bem da fortificação se embargaram quando se levantou esta planta / Petipé.”

Na Planta da barra... lê-se o seguinte: “Planta da barra da capitania do Espirito Santo até a villa da Victoria, situada uma legua acima de sua entrada.” ÍNDICE DE GRAVURAS | 571 Ao pé da gravura lê-se o seguinte:

“Archivo Militar, 6 de junho de 1881 Confere. / Archivo Militar, 3ª Secção 6 de Junho de 1881. / O Coronel M. F. de Olivª Soares. / Chefe. Copiado pelo Tenente d’Estado Maior de 1ª Classe, Antonio Geraldo de Souza Aguiar”

Embora a peça não registre o nome de seu autor, facilmente se pode afirmar ser uma das oito plantas “relativas à Capitania” feitas por José Antônio Caldas, em 1767.

A base da afirmação está no Prospecto da villa da Victoria que publicamos na 1.ª edição deste livro (p. 216-7), e onde se lê que dito Prospecto “foi tirado com a câmara obscura por José Antº Caldas...” Ora, a vista de Vitória é a mesma em ambas as peças. Cópia rigorosa, em seus mínimos detalhes, até mesmo na ordem de enumeração dos edifícios e lugares exaltados.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3edição, 2008 
Autor: José Teixeira de Oliveira
Coordenação editorial: 
Fernando Antônio de Moraes Achiamé
Revisão e atualização do texto: Reinaldo Santos Neves
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2015



GALERIA:

📷
📷


História do ES

O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1829 e 1830 – Por Basílio Daemon

Assume a presidência da província a 9 de dezembro de 1830 o 2º vice-presidente coronel José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim

Ver Artigo
Com a República, pontes, estradas, indústria e comércio

No Espírito Santo, como nas demais províncias do Império, o movimento republicano foi pequeno. Em 23 de maio de 1887, foi fundado o primeiro clube republicano do Espírito Santo

Ver Artigo
A República e o esforço pela expansão do ensino

No que diz respeito ao ensino primário, houve um acentuado aumento quantitativo do número de escolas e de matrículas

Ver Artigo
A República no Espírito Santo

A província contava 14 municípios, a metade do número atual, e de todos a Capital, o de mais recursos, nunca arrecadou renda superior a vinte contos de réis, sendo essa a média aproximada dos últimos anos financeiros

Ver Artigo
Partidos políticos, Constituição, Início da República

Tão logo pareceu consolidado o regime inaugurado a quinze de novembro de 1889, os políticos começaram a coordenar o eleitorado

Ver Artigo