Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Prospecto e planta da Villa da Victoria e Planta da barra

Prospecto e planta da Villa da Victoria e Planta da barra

No Prospecto lê-se o seguinte:

“Prospecto da vila da Victoria / Capital da Capitania do Espírito-Santo e distante da foz do rio do mesmo nome urna legoa na / latitude meridional de 20°-15’ e na longitude de 344°-15’. / Explicação: / 1 Trapiche que foi dos jesuitas / 2 Igreja e collegio dos mesmos / 3 Forte de N. S. do Carmo / 4 Igreja da Misericordia / 5 Cadêa e Caza da Camara / 6 Igreja Matriz / 7 Forte de S. Thiago / 8 Igreja e Convento de S. Antonio dos Cap.os / 9 Pedra redonda / 10 Monte da vigia / 11 Sequito que as embarcações trazem pelo rio.”

Na Planta da mesma villa... lê-se o seguinte:

“Planta da mesma villa da Victoria na America Meridional. / 1 Forte do Ignacio na cerca que foi dos jesuitas / 2 Igreja de S. Thiago dos mesmos / 3 Seo collegio / 4 Mizericordia / 5 Igreja de S. Gonçalo Garcia / 6 Cadêa e Caza da Camara / 7 Pelourinho / 8 Sto Antonio / 9 Convento dos Capuchos / 10 Ordem 3ª de S. Francisco / 11 Capela de St. Luzia / 12 Armazem da polvora e caza d’armas / 13 Igreja de N. S. do Carmo / 14 Convento dos religiosos Carmelitas / 15 Ordem 3ª do Carmo / 16 Matriz com o orago de N. S. da Victoria / 17 Capela de N. S. da Conceição / 18 Pequenas pontes de comunicação / 19 Trapiche que foi dos jesuitas / 20 Forte de N. S. do Monte do Carmo / 21 Fortinho de S. Thiago / 22 Cazas e caes, que a bem da fortificação se embargaram quando se levantou esta planta / Petipé.”

Na Planta da barra... lê-se o seguinte: “Planta da barra da capitania do Espirito Santo até a villa da Victoria, situada uma legua acima de sua entrada.” ÍNDICE DE GRAVURAS | 571 Ao pé da gravura lê-se o seguinte:

“Archivo Militar, 6 de junho de 1881 Confere. / Archivo Militar, 3ª Secção 6 de Junho de 1881. / O Coronel M. F. de Olivª Soares. / Chefe. Copiado pelo Tenente d’Estado Maior de 1ª Classe, Antonio Geraldo de Souza Aguiar”

Embora a peça não registre o nome de seu autor, facilmente se pode afirmar ser uma das oito plantas “relativas à Capitania” feitas por José Antônio Caldas, em 1767.

A base da afirmação está no Prospecto da villa da Victoria que publicamos na 1.ª edição deste livro (p. 216-7), e onde se lê que dito Prospecto “foi tirado com a câmara obscura por José Antº Caldas...” Ora, a vista de Vitória é a mesma em ambas as peças. Cópia rigorosa, em seus mínimos detalhes, até mesmo na ordem de enumeração dos edifícios e lugares exaltados.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3edição, 2008 
Autor: José Teixeira de Oliveira
Coordenação editorial: 
Fernando Antônio de Moraes Achiamé
Revisão e atualização do texto: Reinaldo Santos Neves
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2015



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Ano de 1852 – Por Basílio Daemon

Ano de 1852 – Por Basílio Daemon

São remetidas ao Museu Nacional, pelo naturalista Descourtilz, as coleções de história natural por ele reunidas tanto de pássaros como de insetos

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Reforma do Ensino Público na era Muniz Freire

Em substituição ao Colégio Nossa Senhora da Penha e ao Ateneu Provincial foram criadas em Vitória duas novas Escolas Normais

Ver Artigo
Entre a Militância e o Clientelismo - Por Geet Banck (Parte IV)

Em 1977 um grupo de 34 famílias invadiu o manguezal e construiu em São Pedro barracos improvisados

Ver Artigo
Movimentos de bairro - Por Geet Banck (Parte I)

Uma análise dos resultados um tanto surpreendentes das eleições de 1988 para o cargo de prefeito de Vitória

Ver Artigo
Movimentos de bairro - Por Geet Banck (Parte II)

As eleições de 1988 para as prefeituras municipais brasileiras redundaram num notável avanço do Partido dos Trabalhadores

Ver Artigo
Eleições - Por Geet Banck (Parte III)

Mas será que isso basta para explicar detalhes, como a vitória do PT nos bairros de renda mais alta?

Ver Artigo