Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Quatro rios - Riacho, Piraqueaçu, Reis Magos e Jacaraípe

Rio Piraqueaçu - Fonte: IEMA

O berçário natural de desovada tartaruga de couro, no rio Riacho; a biodiversidade do manguezal formado na foz do rio Piraqueaçu; o belo visual do Mestre Álvares, na bacia do rio Jacaraípe; e a história dos primeiros colonizadores na bacia dos Reis Magos são cenários que foram unidos com um mesmo propósito: assegurar os recursos hídricos da região.

Em busca de políticas públicas e investimentos privados que melhorem a qualidade de vida das 450 mil pessoas que vivem nos oito municípios que formam as quatro bacias hidrográficas, poder público, usuários de água e sociedade civil criaram o que se convencionou chamar inicialmente de Unidade Hidrográfica Litorânea Central.

Numa reunião realizada no último dia 27, em Aracruz, foi constituído o Comitê da Bacia Hidrográfica (CBH) dos rios Riacho, Piraqueaçu, Jacaraípe e Reis Magos, com a eleição da diretoria provisória.

Os municípios de Fundão, Serra, Santa Leopoldina, Santa Teresa, Ibiraçu, João Neiva, Aracruz e Linhares – que compõem as quatro bacias – indicaram três representantes cada um para que possam atuar na gestão dos recursos hídricos da região.

Com a decisão, a bacia do rio Jacaraípe – única a possuir comitê formado – terá o seu decreto de criação revogado.

“Com a eleição da diretoria provisória do novo comitê, queremos possibilitar o crescimento sustentável dos municípios envolvidos, por meio de ações conjuntas, assegurando o uso racional dos recursos hídricos e a manutenção de água potável às futuras gerações”, discursou a presidente eleita da diretoria provisória do comitê, a bióloga Olga Anita Ventorim.

Todo o processo de mobilização e incentivo à criação do novo comitê contou com a participação do Instituto Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), por meio da equipe formada pelos analistas Robson Monteiro e Viviane da Silva Paes, do subgerente de Planejamento de Bacias Hidrográficas e Apoio a Comitês, Cláudio de Almeida, e do gerente de Recursos Hídricos, Fábio Ahnert.

Por que criar um comitê?

1º – Ao trabalhar a região como todo é possível envolver mais municípios, usuários de água e ONG’s nesse processo. Um número maior de prefeituras pode ficar responsável em canalizar energia para que toda a região receba os investimentos.

2º – Os rios que fazem parte das quatro bacias hidrográficas têm características semelhantes em termos de tamanho e volume de água.

3º – Os rios são alvos de projetos importantes do Ministério do Meio Ambiente, que focam a região como um todo. Isso significa que qualquer ação voltada para um deles pode trazer conseqüências para os demais.

Fonte: Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos.

Diretoria provisória do comitê

Presidente: Olga Anita Ventorim Lisboa Santos (Poder público – Sesa-Serra)

Vice-presidente: Patrick Bertolo Lucas (Usuário de água – Cesan)

Secretário-executivo: Iberê Sassi (Sociedade civil – Instituto Goaimum)

Coordenadorias

Mobilização: Adilmer Tonon Nunes (Saae – Aracruz), Odauri Vicenti Della Valentina (Saae – Ibiraçu), Antônio Vitor Andrade Pignaton (secretário de Meio Ambiente – Ibiraçu)

Técnica: Celso Feu Correaq (Secretaria de Agricultura de João Neiva), Sebastião Atílio (Aprofes), Luiz Antônio do Nascimento (SAAE – João Neiva) e Nilton Broseghini (Semma – Santa Teresa).

Jurídica: Adwalter Lima (Pesca), Antonio Vitor Pignaton (Secretaria de Meio Ambiente de Ibiraçu) e José Nelson Acopel (Adomani)

Fonte: Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema).

O que eles dizem

 

“A união faz a força”

“Nesse caso, vale a pena aplicar aquela velha frase conhecida: ‘a união faz a força’. São quatro rios relativamente pequenos que se forem tratados isoladamente acabam perdendo força. É fundamental o planejamento integrado.”

Fábio Ahnert, gerente de Recursos Hídricos do Iema

“Somos coadjuvantes”

“Se dentro dessa unidade houver a mobilização de que o rio é nosso e por isso lutamos para melhorar a qualidade da sua água, não vai haver redução de recursos. Não existe essa história de que o nosso rio vai ficar esquecido porque a região é ampla. O melhor de tudo é que somos coadjuvantes. Nosso papel foi o de fomentar, facilitar, catalisar todo esse anseio.”

Cláudio de Almeida, subgerente do Iema de Planejamento de Bacias Hidrográficas e Apoio a Comitês

“Um comitê é importante”

“É importante a formação de um comitê que possa desenvolver atividades sistemáticas para melhoria dos recursos hídricos de toda a região. O comitê é onde se discute quais alternativas serão adotadas para se tomar medidas eficazes em relação ao tratamento de esgoto.”

Antônio Sérgio Ferreira Mendonça, membro do Conselho Estadual dos Recursos Hídricos

“Reforça a tomada de atitudes”

“O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Jacaraípe optou por essa junção. Acredito que com a unidade será possível viabilizar ações concretas para toda a região. Na nova metodologia, há o agrupamento das bacias subseqüentes, o que reforça a tomada de atitudes.”

Danielle Aquino, bióloga da Secretaria Municipal de Meio Ambiente da Serra

 

Fonte: A Tribuna, Suplemento Especial Navegando os Rios Capixabas – Rios Riacho, Rio Piraqueaçu, Rio Reis Magos, Rio Jacaraípe - 12/08/2007
Expediente: Joel Soprani
Subeditor: Gleberson Nascimento
Colaborador de texto: Anderson Cacilhas
Diagramação: Carlos Marciel Pinheiro
Edição de fotografia: Lucia Zumash
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2016

Rios do ES

Rio Doce - A navegação

Rio Doce - A navegação

Uma das primeiras medidas de Silva Pontes foi assinar um decreto isentando de impostos as mercadorias que passassem pelo Rio Doce

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Rio Reis Magos, opção de abastecimento

A escassez de água no Santa Maria e no Jucu coloca o rio como alternativa direta para o abastecimento da Grande Vitória

Ver Artigo
Rio Jacaraípe tem “vida urbana”

A bacia do rio, por estar dentro da cidade, sofre um maior impacto de esgotos

Ver Artigo
Comunidades defendem o Rio Jacaraípe

Descidas ecológicas ajudam a mostrar o interesse da população pela preservação dos rios e das lagoas

Ver Artigo
Berçário para as tartarugas marinhas – Rio Riacho

Região da bacia hidrográfica do rio Riacho é uma das áreas preferidas para a desova dos animais, que estão ameaçados de extinção

Ver Artigo
Predomínio de eucalipto e indústrias – Quatro Rios

Na região que envolve os rios Riacho, Piraqueaçu, Reis Magos e Jacaraípe, a cultura do eucalipto se sobressai. Há também pólos industriais

Ver Artigo
Um manguezal diferente – Rio Piraqueaçu

O estuário do rio Piraqueaçu, localizado numa fenda geológica, é rodeado de morros e atrai riqueza animal inigualável

Ver Artigo
Rio Piraqueaçu tem estudo inédito

Uma pesquisa, que inclui o Jacaraípe, vai mostrar como é a relação de interferência entre o rio e o mar

Ver Artigo
Cesan participa ativamente - Santa Teresa, Fundão e Serra

A companhia investe em tratamento de esgoto em Santa Teresa, Fundão e Serra

Ver Artigo
Santa Cruz, a vila dos imigrantes

A vila de Santa Cruz, em Aracruz, foi o primeiro ponto no litoral a receber italianos que chegaram ao País em busca de dias melhores

Ver Artigo