Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Racionamento Militar - Gil Vellozo

Gil Vellozo

Além da escassez de energia elétrica, após o golpe de 1964 a capital capixaba ainda era vítima de um hilário racionamento militar, que durante 13 horas por dia fechava escolas e fazia o Judiciário funcionar à luz de lampiões. 

A única atividade poupada era o futebol, porque o Almirante Magaldi, responsável pelo corte, gostava de esportes. Mais protestos de Gil Vellozo: “Esse Almirante[...] já há dois anos vem torturando a cidade de Vitória com o absurdo racionamento de energia elétrica a que submete toda a população, não só  da capital como também dos municípios limítrofes – Vila Velha, Cariacica, Viana e Serra” (22).

Noticiado pelo jornal carioca O Globo, o episódio ganhou repercussão nacional, divertindo todo o Brasil. Gil Vellozo não deixou passar. Numa terça-feira, 29 de setembro de 1964, recorte de O Globo na mão, o deputado capixaba subiu à tribuna e, contendo o riso, leu um trecho da matéria “Futebol iluminado e júri com lampiões em Vitória”:

“A população dessa cidade acha-se revoltada com as medidas adotadas pelo Almirante Magaldi, responsável pelo controle e racionamento da energia elétrica, que desde quinta-feira última determinou um total de treze horas de racionamento aos diferentes bairros da cidade, sem apresentar qualquer motivo para isso.”

Os deputados riram dos cortes do Almirante. Gil Vellozo fez uma pausa e prosseguiu, agora transformando os risos em gargalhadas:

“Chove normalmente e os geradores funcionam. Por causa dos cortes de energia, estão fechados diversos estabelecimentos de ensino noturno, entre os quais o Ginásio Santo Antônio, que reúne mais de 600 alunos. Na sexta-feira o júri criminal, instalado na Escola Técnica, próximo ao Estádio Governador Bley, funcionou à luz de lampiões, enquanto a praça de esportes era iluminada por seis grupos de potentes refletores para a partida entre o Rio Branco e Americano, por determinação do Almirante” (23)

Obcecado por economia de energia, o Almirante Magaldi sentiu a oportunidade de se tornar um homem realizado quando assumiu a coordenação do Plano de Racionamento do Conselho Nacional de Águas e Energia Elétrica (CNAEE). Diretamente subordinado à Presidência da República, esse conselho foi criado em 1939 como órgão de consulta, orientação e controle do uso dos recursos hídricos e da energia elétrica por eles gerada, com jurisdição em todo o território nacional.

Entre as atribuições do órgão estavam a elaboração de propostas para aproveitamento dos recursos hídricos e para a racionalização da demanda por meio da mudança dos horários para consumo. Foi em Vitória e nos municípios vizinhos que o Almirante Magaldi pôs toda a sua teoria em prática e deu o melhor de si em termos de racionamento, exceção feita para o futebol.

O empenho do militar no racional aproveitamento da energia em Vitória e nos municípios vizinhos provocou não só uma crise energética como também uma compreensível irritação da população. Por várias vezes, Gil Vellozo usou a tribuna pedindo o afastamento de Magaldi do Espírito Santo, dizendo ser o único jeito de pôr “termo à perseguição” que o militar vinha fazendo ao povo de sua terra(24).

NOTAS

22 - BRASIL. Câmara dos Deputados. Diário do Congresso Nacional,. 20 set. 1964.

23 - BRASIL. Câmara dos Deputados. Diário do Congresso Nacional,. 29 set. 1964.

24 - BRASIL. Câmara dos Deputados. Diário do Congresso Nacional,. 29 set. 1964.

 

Fonte: Coleção Grandes Nomes do Espírito Santo - Antônio Gil Vellozo, 2013
Texto: Roberto Moscozo
Coordenação: Antônio de Pádua Gurgel/ 27-9864-3566
Onde comprar o livro: Editora Pro Texto - E-mail: pro_texto@hotmail.com - fone: (27) 3225-9400

Curiosidades

Regatas de Santa Catarina

Regatas de Santa Catarina

O ponto de saída do páreo era na Pedra dos Ovos e o de chegada no Cais do Santíssimo onde, bem mais tarde, se construiu o Teatro Glória

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Caminhão na Curva

No dia 1º de março de 1966, o avião pousou em Vitória “em meio à comoção coletiva do grande número de pessoas e autoridades que desde as 11 horas aguardavam o momento de tributar as suas últimas homenagens ao parlamentar”

Ver Artigo
O menino Gil Vellozo - Por Renato Pacheco

O dia 13 de fevereiro de 1930 amanheceu com sol forte, típico dia de verão. O adolescente Antônio Gil Vellozo, de 13 anos, acordou contente. É que o pai, o provecto professor Luiz Adolfo Thiers Vellozo...

Ver Artigo
Oposição a Lindenberg - Gil Vellozo

Quando falava sobre o prefeito de Vila Velha, Tuffy Nader, não perdia oportunidade de mencionar o quanto Carlos Lindenberg estava sendo ingrato com o colega de partido

Ver Artigo
Decepção com o golpe - Gil Vellozo

Antes de ter um mandato, Gil Vellozo difundia seu pensamento político em diversos jornais, inclusive O Continente, editado por ele em Vila Velha

Ver Artigo
Gil Vellozo - Início da militância política

Quando o regime militar de 1964 extinguiu os partidos, Gil Vellozo era o presidente estadual da UDN

Ver Artigo
A revolta dos sargentos

A revolta dos sargentos da Marinha e da Aeronáutica teve repercussão nacional, o que não ocorreu com a morte do infeliz motorista

Ver Artigo
Gil Vellozo - Jornalista aos 14 anos

"Quantas vezes o encontrei sobraçando pesados pacotes de O Continente para entregá-los nas bancas de jornal. Trabalho hercúleo de um idealista incomparável. Milagre de fé e de esperança em dias melhores. Mas até hoje ninguém conseguiu entender como Gil Vellozo, em sua extrema pobreza, conseguia manter em circulação O Continente " 

Ver Artigo
Vereador e Prefeito – Gil Vellozo

Para materializar as obras que pretendia realizar, Vellozo criou a Divisão de Engenharia e Serviços Públicos órgão técnico encarregado do planejamento e desenvolvimento urbano

Ver Artigo
Gil Vellozo - Prefeito de Vila Velha

Antônio Gil Vellozo foi Prefeito Municipal de Vila Velha, eleito para o mandato de 1955 até 1959, e foi um dos poucos que deixou relatório de atividades

Ver Artigo