Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Regresso do donatário Vasco Fernandes Coutinho

Obeslico em homenagem a Vasco Fernandes Coutinho - Foto: Lobão

Talvez o regresso se tivesse verificado em 1547, na frota mencionada na carta de Fernando Álvares de Andrade, ou pouco depois. Frei Vicente do Salvador, referindo-se à viagem de Coutinho para o Reino, escreveu que deixara ordenados quatro engenhos de açúcar.(16) Em 1545, vindo à capitania para a arrecadação dos dízimos reais, Ambrósio de Meira comprovou, e disto deu ciência ao rei, que “ha nesta capitanja cinco armaçois pera agoa e duas fazem jaa e duas forão de janeiro de 1546 por diamte ha duas de caualos e faz hua”.(17)

Dois anos depois, isto é, em 1547, Álvares de Andrade, cumprindo determinações de D. João III, apresta um navio de socorro às costas do Brasil e é o próprio Vasco Coutinho quem serve de mensageiro entre os dois figurantes, para completar providências.

O “omem que veyo do brasylI”, citado por Álvares de Andrade, e que acompanhou Coutinho à presença do rei “pera qualquer emformaçam que da terra comvyr”,(18) deve ter levado ao donatário o aviso sobre o estado em que os silvícolas haviam deixado o Espírito Santo, provocando, dessa forma, seu regresso à terra brasileira. Deve ter sido, pois, entre 1545 e 1547 que se verificou a quase ruína da capitania, ocasionada pelas incompatibilidades entre brancos e índios, conforme adiante se verá, já que Ambrósio de Meira nenhuma alusão faz ao assunto. Muito ao contrário, sua carta, quando cotejada com o texto de frei Vicente do Salvador, demonstra que houvera progresso na construção dos engenhos.

Ciente da catástrofe que baixara sobre seu senhorio, Vasco Coutinho teria deixado Lisboa para vir tentar o reerguimento do Espírito Santo. Não seria razoável julgar que permanecesse em Portugal até o embarque de Tomé de Sousa, em 1549, ante as notícias alarmantes sobre o destino do seu senhorio, do aniquilamento de todos os seus bens. A relação dos que faziam parte da expedição do primeiro governador geral, que acolhe nomes escoteiros, não calaria o de um donatário. E em 1550 iremos encontrar Coutinho em Porto Seguro, às voltas com o seu colaborador – Duarte de Lemos.

 

NOTAS

(16) - Hist. Brasil, 95.

(17) - Ver foot-note n.º 13 deste capítulo.

(18) - Notícias Antigas, 14.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

Vasco Fernandes Coutinho

Vida Escolar – Grupo Escolar Vasco Fernandes Coutinho (2ª Parte - final)

Vida Escolar – Grupo Escolar Vasco Fernandes Coutinho (2ª Parte - final)

Em 1931, surge o Grupo Escolar “Vasco Coutinho”, pelo Decreto n° 1.720 de 23 de outubro. O diretor de então era Flávio Moraes. Em 1932 é iniciada a construção do prédio atual da escola

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Crise – Armando os engenhos

Basta dizer que, em 1552, a capitania não rendia o suficiente para pagar ao padre Gomes Ribeiro

Ver Artigo
Ainda a carta de delação de Duarte de Lemos

Vem, a seguir, a delação da fuga de Coutinho para a França, que calamos por inconseqüente

Ver Artigo
Vasco Coutinho à testa do governo – Auxílio a Pero de Góis

Pero de Góis estivera no Espírito Santo e daqui levara para S. Tomé um mestre de açúcar

Ver Artigo
Regresso do donatário Vasco Fernandes Coutinho

Talvez o regresso se tivesse verificado em 1547, na frota mencionada na carta de Fernando Álvares de Andrade, ou pouco depois

Ver Artigo
Produção de açúcar na era Vasco

Primeiro carregamento – Minucioso relatório a carta de Ambrósio de Meira. Tudo quanto dizia respeito ao interesse da Fazenda Real registrou cuidadosamente

Ver Artigo