Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Reminiscência 4ª Parte – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

Praça Oito - Foto cedida por Silvio Davel

4 – 1951 A.D.

Centenário de Vitória, cascatas de fogos no Penedo, Jones Santos Neves em quatro anos queria fazer tudo: - usinas, estradas, aterros, universidades. Sady Cabral veio ensinar teatro aos capixabas e se apaixonou por alguns jovens locais, quando ensaiava o Auto de Nossa Senhora da Vitória de Nilo Bruzzi.

Casei-me, faz um ano, estou dando mil aulas.

Vitória cresce: acusações de corrupção, as construções verticais se aceleram, bandas de congo, descubro os índios de Caieiras Velhas. Areia, areia, areia.

Getúlio Vargas, na visita que lhe fizemos no Catete, pergunta a Mestre Guilherme:

- E o Jones, como vai?

Câmara Cascudo, brincalhão, xinga Renato Almeida, no ouvido bom.

Festa das Canoas, Marataízes, Alardo Conceição da Barra, Folia de Reis em Muqui e casamento pomerano em Santa Leopoldina, Caramuru, folclorizamos.

O Petróleo é nosso, dizemos os jovens. Aos domingos vamos à Praia da Costa, algumas vezes a Guarapari. Sonho fazer um mestrado, aqui ou fora. Acabarei indo para São Paulo, que é tão diferente de Vitória quanto Londres.

Vitória em 1951 são algumas famílias que giram em torno do Palácio Anchieta, ou procuram afastar-se dele mas o progresso vem, e vem quente, rápido, cruel. A pacatez vira poluição e é difícil agora recriar aquela pequenina cidade, cujo  centro era a Praça 8 e onde todos se conheciam e se cumprimentavam.

 

Nota do Site: O Termo A.D. juridicamente significa: A.D. perpetuam rei memoriam - Diligências requeridas e promovidas com caráter perpétuo, quando haja receio de que a prova possa desaparecer; para a perpétua memória da coisa.

Autor: Renato Pacheco
Fonte: Escritos de Vitória, 1- Crônicas, Vitória-ES, 1993
Compilação: Walter de Aguiar Filho,junho/2011

 

LINKS RELACIONADOS:

>> Reminiscência 1ª Parte – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)
>> Reminiscência 2ª Parte – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)
>> Reminiscência 3ª Parte – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

Parabéns, Vitória (desde 8 de setembro de 1551)

A Vila de Vitória surge - Por Serafim Derenzi

A Vila de Vitória surge - Por Serafim Derenzi

As guerrilhas com os tapuias tornam-se cada vez mais assustadoras e mortíferas. Duarte de Lemos deixou a ilha praticamente abandonada

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Reminiscência 5ª Parte (última) – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

Aos sábados bebemos Martini no Bar Sagres. Temos uma turma de almoços mensais e Zé Leão frusta Paulo Vellozo: - Não gosto de lazanha. E repete, três vezes, o delicioso prato feito pela Clara.

Ver Artigo
Reminiscência 3ª Parte – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

Dezoito anos e já professor do Colégio Estadual? Sim, graças a Guilherme Santos Neves...

Ver Artigo
Reminiscência 2ª Parte – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

Nesse ano meu pai tirou um prêmio na Capitalização, fez uma garagem e comprou um carro Opel Olímpia

Ver Artigo
Reminiscência 1ª Parte – Memória da cidade de Nossa Senhora da Vitória (1936 -1956)

Recordações que andam num bonde que fingia ser um túnel de luz e caminham nas brumas de um passado sempre presente...

Ver Artigo