Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rua 23 de Maio

Residência de Antenor Guimarães

Tem início na antiga rua do Comércio (atual Florentino Avidos) e se prolonga até a Henrique Coutinho, atravessando-a a avenida Cleto Nunes, parte dela dando frente para o Parque Moscoso. Foi construída, após concluído o aterro do Campinho, no começo deste século. Era considerada, até os anos 40, como ponto nobre da cidade. Teve belas residências, destacando-se sobretudo a Vila Oscarina, palacete de propriedade de Antenor Guimarães, então um dos homens mais prósperos do Estado. Também aí residiu a família de Serafim Derenzi, italiano, a quem se devem importantes empreendimentos em benefício da cidade.

A rua contou com uma fábrica de gelo, a terceira (ou quarta?) de Vitória, da família Vivacqua. Essa fábrica mantinha uns dez homens, crioulos atléticos, que saíam à rua vendendo, em caixas de madeira, brancas, pintadas a óleo, que eles equilibravam, sobre rodinhas de estopa, na cabeça, - picolés e beijos-frios. Esses beijos-frios faziam a delícia de velhos, moços e crianças, mormente no verão. Eram uns bastõezinhos, envoltos em papel de seda, os mais procurados, feitos de coco, custando duzentos réis cada um. Os crioulos apregoavam: - Oia o beijo-frio! O beijo-frio... gente! Tá gelado, geladinho!, justamente num tempo em que, também outros pregões de vendedores ambulantes musicavam as ruas da cidade, tornando-a ainda mais poética na sua simplicidade provinciana...

Em galpão fazendo esquina com a rua do Comércio, a firma Hard & Hand estocava sacas de café, para exportação, sendo que, à chegada de caminhões vindos do interior, pessoas mais humildes se reuniam em volta para catar os grãos caídos das sacas, cada qual juntando o bastante para o café da manhã seguinte. Anos antes, nesse mesmo galpão, o Clube de regatas Álvares Cabral, então recém-fundado, guardava suas poucas embarcações, seus atletas, os mais madrugadores, ali se reunindo, após os banhos de mar no Porto dos Padres.

Paschoal Del Maestro e seu filho Francisco (Chiquinho) movimentavam, mais adiante, espaçosa garage de automóveis, onde, ao lado, o empresário Edgard Rocha, já da década de 50, construiu o cinema São Luís, então considerado dos melhores da cidade.

A denominação 23 de Maio refere-se à data do início da colonização do solo do Espírito Santo (23 de maio de 1535).

 

Fonte: Logradouros Antigos de Vitória, 1999
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2012 



GALERIA:

📷
📷


Bairros e Ruas

Rua Imaculada Conceição (ex-ladeira da Tapera) - Por Elmo Elton

Rua Imaculada Conceição (ex-ladeira da Tapera) - Por Elmo Elton

A ladeira começava na Rua da Lapa, atual Thiers Veloso, e terminava no caminho de São Francisco, hoje rua Dom Fernando

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Rua 23 de Maio

Era considerada, até os anos 40, como ponto nobre da cidade. Teve belas residências, destacando-se sobretudo a Vila Oscarina, palacete de propriedade de Antenor Guimarães

Ver Artigo
Rua Cais de São Francisco (ex-cais de São Francisco)

Quem passa hoje, pela rua Cais de São Francisco, fica intrigado com esta denominação. Ora, por que tal nome, se não há ali cais algum?

Ver Artigo
Rua Sete de Setembro (ex-rua da Várzea)

Partia da Prainha (largo da Conceição) e terminava na rua da Capelinha (atual Coronel Monjardim), hoje se alongando até a Fonte Grande

Ver Artigo
Rua Wilson Freitas (ex-ladeira Pernambuco)

Tem início na rua do Rosário. A antiga ladeira, que ganhou calçamento no governo de Florentino Avidos, servia de acesso aos terrenos da Capixaba, antes da total urbanização dessa área

Ver Artigo
Iluminação das ruas de Vitória no século XIX

No começo da escadaria de acesso à igreja do Rosário, viam-se até pouco tempo passado, ainda, arcos de gambiarra desse sistema de iluminação

Ver Artigo