Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Rua Nestor Gomes (ex-ladeira do Chafariz)

Rua Nestor Gomes, início da década de 1930, foi urbanizada durante a administração de Florentino Avidos (1924-1928).

Chamou-se, primitivamente, ladeira do Chafariz, com início na rampa do Pelourinho. Estreita e tortuosa, era de difícil acesso, não tinha calçamento, o terreno muito acidentado, esbarrando-se, mais acima, com a Rua Santos Pinto, que se constituía de casas horríveis, nas imediações do Palácio. No governo de Florentino Avidos, a área foi urbanizada, pondo-se abaixo todos os casarões antigos ali existentes, sendo que, contente com o melhoramento, o povo passou a chamar a artéria de ladeira da Boa Idéia, nela se construindo, a partir de então, prédios de dois andares, residências das famílias Tovar, Batalha, Paes Barreto, Tancredi, Tironi, Valls, Teixeira Leite, a da viúva Jacintha Baraldi Zamprogno, avó paterna do autor deste trabalho, além de outras famílias de conceito, aí se instalando o Cartório de Nelson Goulart Monteiro, o consultório do Dr. Rousseau Leão Castello, com aparelho de Raio X, então o único existente em Vitória, a Faculdade de Direito, a de Odontologia e a de Farmácia, alongando-se a artéria até a General Osório.

Atualmente, a Nestor Gomes, em substituição aos sobrados que datavam da década de 20, dispõe de vários edifícios, tem bom comércio, restaurantes e livrarias, sendo a Ãncora, com a promoção de suas tardes de autógrafos, a mais procurada.

O patrono, Nestor Gomes, presidiu o Estado do Espírito Santo, de 1920 a 1924. Homem seriíssimo, empreendedor. Era presbiteriano. No período da primeira Constituição Getuliana, foi Secretário da Fazenda do Maranhão, no governo de Seroa da Mota. Faleceu, esquecido e paupérrimo, em Belo Horizonte, em 1943, sendo que seu internamento em hospital daquela cidade foi custeado por determinação do capitão João Punaro Bley, então Interventor do Espírito Santo.

 

Fonte: Logradouros antigos de Vitória, 1999 – EDUFES, Secretaria Municipal de Cultura
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2017

Bairros e Ruas

A cidade, a imagem:  Identidade e Cultura locais

A cidade, a imagem: Identidade e Cultura locais

Esses nomes puderam sobreviver por deterem forte significado simbólico e valor inerente ao processo cultural. Foi com esse espírito que o poeta apelidou Vitória de cidade presépio

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Centro de Vitória

Palco de batalhas ferrenhas contra corsários invasores, espaço para peladas de futebol da garotada, de footings de sábados e domingos, praças, ladeiras e ruas antigas curtas e apertadas, espremidas contra os morros — assim é o Centro de Vitória

Ver Artigo
Ruas de Vitória

Somente em 1908, sob o governo Jerônimo Monteiro, Vitória inicia sua fase de urbanização

Ver Artigo
Escadaria Maria Ortiz

Ao tentar alcançar a parte alta da vila, subindo estreita rampa, conhecida como ladeira do Pelourinho, os corsários foram surpreendidos pela jovem Maria Ortiz

Ver Artigo
Praça João Clímaco (ex-praça Afonso Brás) – Por Elmo Elton

Em 1910, Jerônimo Monteiro, quando o logradouro tinha o terreno inclinado, para aplainá-lo, construiu-se um muro de arrimo, coroado por balaustrada, fronteiro à atual Rua Nestor Gomes

Ver Artigo
Como nasceu a Vitória – Por Areobaldo Lellis

Circundada por montanhas desabitadas, os seus extremos eram ligados, a partir das Pedreiras, hoje Barão Monjardim

Ver Artigo